Olhar Direto

Domingo, 20 de janeiro de 2019

Opinião

Pessoas de bem estão sendo presas

Autor: Davi Nogueira

04 Jan 2019 - 08:00

Ano novo, vida nova, com mais consciência e responsabilidade para todos. Sejamos otimistas para que este ano seja próspero, cheio de boas realizações, assim como cada um brindou e desejou aos seus entes queridos nas festas de fim de ano. Contudo, a prosperidade depende do comportamento de cada um, ela é a consequência de nossos atos.

É por isso que, neste artigo, chamo a atenção sobre o consumo de bebida alcoólica e direção, porém, fugirei um pouco da visão tradicional e olharei para o condutor do veículo, àquele que causou o acidente de trânsito com vítimas fatais por causa da combinação álcool e direção.

Me lembro que desde criança, quando nos reuníamos para comemorações e até mesmo em festas infantis, os adultos sempre consumiam álcool.

Os adultos, mesmo que inconscientemente, me ensinaram que quando adulto, só seria possível me divertir se ingerisse álcool.

Felizmente eu consegui fugir dessa realidade, pois não bebo, mas vejo que esse tipo de educação é comum até hoje e facilmente assimilada pelos jovens.

Bebe-se para comemorar, para ficar alegre, para ter coragem, para lamentar, para tudo. O álcool se tornou o combustível da vida.

Cidadãos respeitáveis, trabalhadores, pais de famílias, pessoas de bem, esse é o perfil da grande maioria das pessoas que bebem e é esse o perfil da grande maioria das pessoas que "acabaram com suas vidas" por terem causado acidentes de trânsitos após ingerirem bebidas alcoólicas.

Imagina como fica a cabeça de um pai de família ao perceber que, por estar dirigindo embriagado matou uma criança atropelada.

A pessoa embriagada que causa um acidente de trânsito com vítimas fatais, será excomungada nas mídias socias, julgada e condenada pela sociedade como um crápula, bandido que deve apodrecer na cadeia, não importando, portanto, se até aquele momento de sua vida ele era um ser humano exemplar.

A intenção aqui não é vitimizar essas pessoas, mas chamar a atenção para a real causa dessas tragédias.

A tragédia na vidas dessas pessoas, vítimas e algoz, não teve início quando o motorista resolveu consumir álcool naquele dia, isso é apenas a consequência da cultura do incentivo ao consumo de álcool, essa é a verdadeira causa do problema.

De nada adianta aumentar os valores das multas de trânsito, ou agravar as penas criminais se o cidadão continuar sendo bombardeado com incentivos ao consumo de álcool. São propagandas belíssimas, filmes, novelas, promoções em supermercados etc, uma verdadeira lavagem cerebral constante motivando o consumo de álcool.

A cultura está tão impregnada na sociedade, que a indústria conseguiu vincular o consumo de álcool à prática de esportes. Os grandes patrocinadores dos esportes, em sua maioria, são os fabricantes de bebidas alcoólicas.

As campanhas contra o consumo de álcool são tão ineficientes que o principal slogan é "SE BEBER NÃO DIRIJA". Ora, a responsabilidade de decidir se deve ou não dirigir após ingerir álcool deve ser dada a uma pessoa alcoolizada? Sabemos que, na maioria das vezes, quando a pessoa está sob efeito do álcool, ela se sente capaz de tudo, inclusive dirigir, portanto, não é nada razoável querer que essa pessoa sob efeito do álcool, tenha lucidez, discernimento para decidir não dirigir.

O slogan correto deveria ser "SE VAI DIRIGIR, NÃO BEBA", pois dessa forma a decisão de beber ou não, ficará a cargo da pessoa quando ainda estiver sóbria.

Acredito que para resolvermos de vez esse problema, temos que atacar a causa e não a consequência, por isso, devemos combater o incentivo ao consumo do álcool, começando por exemplo em proibir propagandas de bebidas alcoólicas, semelhante ao que foi feito com o cigarro.

Só assim, quem sabem em uma ou duas gerações teremos uma sociedade mais sóbria e evitaremos essas tragédias que acabam com a vida de todos, vítimas e algozes.

No fim das contas, somos todos vítimas.


Davi Nogueira é escrivão de Polícia Civil e presidente do Sindicato dos Escrivães de PJCMT.

 
Sitevip Internet