Olhar Direto

Terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Opinião

Despertar o interesse dos millennials por inovações e treinamentos

Autor: Luiz Alexandre Castanha

20 Dez 2016 - 08:40

Estamos passando por um momento novo no mercado de trabalho. Hoje, somos três gerações, com características muito diferentes, trabalhando juntas: Baby Boomers, Geração X e Geração Y, ou Millennials. A maioria de nossas empresas já está acostumada ao modo de trabalho das gerações anteriores, mas passam por uma certa dificuldade quando se trata dos Millennials, pessoas nascidas entre as décadas de 80 e 90.

Muitas vezes taxados como mimados e rebeldes, esses colaboradores apenas apresentam uma visão diferente do que desejam do mercado de trabalho, saindo sem problema do seu emprego atual se ele não está de acordo com o que ele procura para sua vida.

Essa é uma dificuldade que precisa ser vencida, principalmente se considerarmos que hoje, mais de 50% da população mundial tem até 30 anos, o que significa que, em pouco tempo, mais da metade da nossa força de trabalho será formada por Millenials. (Dados do Erick Qualman, autor do já clássico livro Socialnomics). Sua empresa está realmente preparada para lidar com eles?

Muito dinâmicos e um tanto impacientes, essa é uma geração de colaboradores que nasceu junto com a Internet. Como realizar treinamentos corporativos para um público tão antenado? Os Millennials são pessoas que estão acostumadas a ter acesso a informação rápida, em qualquer lugar. Por isso, eles aprendem com facilidade e estão sempre interessados nas novas tecnologias. Precisamos utilizar justamente essas características a favor das empresas.

Vivemos um tempo de aprendizagem fora do comum. Hoje, qualquer pessoa que tenha um smartphone está carregando no bolso uma máquina com os mesmos requisitos de um supercomputador de 15 anos atrás. Segundo pesquisa realizada pela Millward Brown Brasil e NetQuest, o brasileiro passa, em média, 3h14 do seu dia usando o aparelho celular. Os jovens da geração Millennials chegam a 4h por dia.

A maioria usa esse tempo para fazer ligações (89%) e navegar na Internet (87%). Entre os entrevistados, 83% confirmou que faz o download de novos aplicativos. As pessoas usam seus celulares por cada vez mais tempo e estão acostumadas com essa tecnologia. Por que não incorporá-la nos treinamentos da sua empresa?

As empresas que entenderem essa lógica e já apostarem nas novas tecnologias desde já serão as mais preparadas para o futuro. Os colaboradores Millennials têm desejos diferentes das gerações anteriores. Mais do que lucro, eles buscam o propósito do seu negócio. Um aumento de salário pode não significar tanto para eles quanto o reconhecimento do seu trabalho. Essas diferenças também refletem no modo como eles aprendem.

Essa é uma geração que não tem mais paciência para passar horas dentro de uma sala de aula. Competente, ela prefere fazer um treinamento rápido para poder aplicar logo o que aprendeu no seu próprio trabalho. Isso acontece em parte devido ao grande contato que esses colaboradores tiveram com jogos e videogames durante a infância e adolescência. Esses são dispositivos que dão um retorno imediato para cada ação do jogador, por isso os Millennials são mais inclinados a não optarem por ações a longo prazo. Eles pensam sempre no agora.

Como cobrar de uma geração que acompanhou o desenvolvimento da tecnologia que ela aprenda com lousa, giz e cadernos? Dessa forma, fica difícil para eles terem interesse genuíno no que está sendo apresentado no treinamento. A solução é apostar em treinamentos mais rápidos, porém intensos. O uso das novas tecnologias para a aprendizagem, como Mobile Learning, Realidade Virtual, Realidade Aumentada ou Gamification ajuda a despertar o interesse e a manter o foco desses profissionais.

A Realidade Virtual, por exemplo, terá um crescimento de aproximadamente 13.000% nos próximos anos. Essa é uma taxa de adoção cinco vezes mais rápida do que o uso do iPhone, por exemplo. E a aposta dos especialista é que a Realidade Virtual será utilizada para praticamente tudo na educação: de mostrar para crianças como era a Terra na era dos dinossauros até realizar treinamentos em empresas de situações extremas, como uma pane no sistema de logística, problemas no maquinário das fábricas ou até mesmo um incêndio dentro do escritório. As possibilidades são infinitas.

Millennials nasceram com os videogames, por isso eu acredito que este é o caminho mais fácil para para despertar o seu interesse e passar o conhecimento necessário. Para fazer isso, existem diversas possibilidades. É possível transformar sua rotina em um game, inserindo pequenos incentivos para novas aprendizagens no dia a dia do colaborador.

É possível também utilizar o mobile learning, transformando seu smartphone numa importante ferramenta para acessar informações e treinar seus conhecimentos. A Realidade Aumentada, principalmente em conjunto com a gamification, também produz resultados excelentes.

Essa é uma geração que se sente atraída pela tecnologia, mas que odeia perder tempo. Por isso, transformar o conteúdo em pequenos blocos de informação, que possam ser estudados em poucos minutos por dia é uma boa ideia. Utilize uma linguagem direta e entre logo no assunto que precisa ser abordado. Mais importante do que a contextualização, Millennials aprendem na prática.

Lembrando sempre que essas tecnologias são apenas a ponta do iceberg, pois muitas inovações na área de treinamentos ainda estão por vir. Considero este um momento muito interessante e enriquecedor para se trabalhar na área.

A melhor tecnologia para o seu treinamento depende muito do momento da sua empresa e de quem são os seus colaboradores. Olhar para sua equipe e entender suas características através das gerações já é um grande começo. Entenda seus colaboradores e crie treinamentos que prendam a sua atenção. Ao viver o que está sendo ensinado e ter a aprendizagem como parte do seu dia a dia, os colaboradores serão capazes de aprender e aplicar o novo conhecimento durante a sua rotina. E isso vale para qualquer geração.

Luiz Alexandre Castanha é CEO da Telefônica Educação Digital no Brasil, administrador de Empresas com especialização em Gestão de Conhecimento e Storytelling aplicado à Educação, atua em cargos executivos na área de Educação há mais de 10 anos.