Olhar Direto

Opinião

A Mulher e a Contemporaneidade

Autor: *Wellen Candido Lopes

07 Mar 2017 - 07:59

Divulgação


 
 A mulher conseguiu seu espaço social timidamente por volta da década de 70. Uma posição ainda vista pela janela do imaginário. Trabalhando inicialmente em casa, com atividades ainda peculiares à mulher tradicional, as funções de confeiteira e doceira eram as principais atividades laborativas exercidas como fonte de renda complementar para sua família. Em casa, cuidando dos filhos e simultaneamente fazendo seus quitutes e bolos para venda, da “janela,” voltava seu olhar para um futuro profissional mais qualificado e ainda distante.

Por muito tempo, a mulher se viu como mera espectadora do cenário laborativo. A cultura machista era predominante no mercado de trabalho, na esfera pública e política, estando a mulher na margem de tudo.
Se não estivesse lucrando“no forno e no fogão”, a submissão histórica a levava para o espaço escolar. 

O magistério era um espaço majoritariamente feminino, confirmando o papel da mulher como educadora e reforçando um discurso opressor e masculino. Neste sentido, o papel da mulher sob o enfoque profissional, ainda trazia consigo o discurso enraizado do gênero, ou seja, os papeis típicos do lar (cozinhar e educar dos filhos), eram direcionados ao mercado de trabalho.


A construção do conceito de uma nova mulher não foi tarefa fácil. Foi preciso recriar sua própria história no contexto social.  Na última década, o deslocamento das fronteiras culturais, direcionou o papel da mulher a um processo de autonomia e libertação. O empoderamento da mulher desestabilizou o conceito cultural patriarcal, centralizando na mulher contemporânea inúmeras identidades.

A mulher como sujeito independente foi fruto da crise do cenário moderno, em que o homem centralizava para si as principais identidades sociais. No enfoque da história contemporânea, a mulher exerce sua pluralidade de identidades como mãe, esposa, profissional e sujeito político atuante.


Para a construção de minha identidade como sujeito social, a presença marcante de uma mulher com “características tradicionais” foi fundamental. Única filha do ventre de Dona Edleuza, não a impediu que fosse mãe de inúmeros filhos. Conhecida como “Mamãe Vivi” pelos seus filhos de coração, foi responsável pela minha transformação em “mulher contemporânea”. 

Culturalmente fui deslocada do papel de mulher tradicional (papel exercido por ela) à mulher contemporânea. Este deslocamento de identidade, fez comque eu experimentasse papéis propriamente masculinos em meu contexto social (universidade e espaços políticos).

Minha mãe soube exercitar o rompimento de fronteiras culturais, ao alargar seu posicionamento de mulher tradicional e remeter-me à uma nova esfera contemporânea. Curiosa esta quebra de paradigma, inteligentemente realizada por minha mãe, ao romper com valores culturais, transferidos tradicionalmente à ela.

Sob outro contexto, não poderia deixar de citar uma mulher que mesmo enfrentando às dificuldades de seu tempo, posicionou-se à frente de seu espaço histórico. Serys Slhessarenko exerceu as identidades de mãe, avó, professora e militante política.

Conciliando as atividades domesticas com as sociais ao longo de sua vida. Foi fundadora do Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso na década de 80, e também foi a primeira e única mulher senadora pelo Estado de Mato Grosso. Com determinação de uma garota de 20 anos, sua militância politica é atuante até os dias de hoje no PRB, seu atual partido.


O deslocamento do papel da mulher é visto atualmente com bastante frequência. Mesmo que não seja em sua totalidade, paulatinamente ela vem ocupando seu espaço na sociedade. Neste olhar, comemorar uma data específica para a mulher é algo que deveria ser superado diariamente.

O Dia da Mulher deve ser hoje, amanhã e depois de amanhã. Todos os dias nasce um homem, do ventre de uma mulher! A alimentação primária de qualquer lactante provém dos seios femininos.Na condução dos primeiros passos do bebê, por ali estará uma mulher, sendo ela na figura da mãe ou da babá. Enfim, poderia citar inúmeros apontamentos, em que seria de maior valia a presença feminina.

Da moderna à contemporânea quero externar minhas considerações à todas as mulheres. Parabéns a mim e a todas nós!
 
*Wellen Candido Lopes é Advogada em Mato Grosso, Pedagoga, Doutora em Ciências Sociais, também Porta Voz/Presidente Estadual do Partido Rede Sustentabilidade (REDE/MT).
Sitevip Internet