Olhar Direto

Sábado, 16 de dezembro de 2017

Opinião

​ Passamento do senhor Juarez Nava

Autor: Licio Antonio Malheiros

01 Nov 2017 - 08:00

É com pesar, que noticio o falecimento do senhor Juarez Soares Nava; um grande homem um cidadão exemplar, cumpridor do seu dever, enquanto pai de família e homem público. Recentemente, realizou um de seus grandes sonhos,  tornar-se vereador por Vila Bela da santíssima Trindade; contando com apoio de sua abnegada  esposa Rozana Soares Nava  e sua prole, composta por três filhos maravilhosos na acepção da palavra, uma moça, Juliana Rafaella Soares Nava e os filhos Alexandre Thadeu Soares Nava e Victor Gustavo Soares Nava (Vitinho), ambos, concluindo  curso de medicina.

Infelizmente, a vida nos prega  peças, que até mesmo os mais descrentes duvidam, principalmente, quando aquele bem maior nos é tirado de forma abrupta, sem nos prepararmos, para aquele momento; estamos falando das nossas vidas.

Com meu amigo de fé irmão camarada, Juarez Nava, não foi diferente, o mesmo se deslocou de Vila bela da Santíssima Trindade até à capital, para fazer uma simples cirurgia de retirada de um nódulo na garganta; a coisa se complicou, ele foi parar na UTI,  de lá, já saiu sem vida, não vou entrar nesse mérito.

Prefiro lembrar-me do Juarez em vida, homem íntegro, honesto cumpridor do seu deve de pai de marido; na condição de parlamentar deixa uma lacuna inimaginável, pois o mesmo, só disseminava entre as pessoas, paz, amor e carinho, sem falar no tratamento irrepreensível dele, para com os munícipes daquela cidade, que foi a primeira capital de Mato Grosso, em 19 de março de 1752, tendo como governador Dom Antonio Rolim de Moura Tavares.

Deus em sua infinita bondade nos propiciou momentos que irão eternizar em nossas vidas, momentos que não voltam mais, por isso, devemos curti-los, como, se fossem os últimos das nossas vidas.

Falo isso, reportando-me ao último Natal que passamos reunidos em Vila Bela da Santíssima Trindade, na residência do Itamar Soares cunhado do Juarez Nava, pai da minha nora Carina França Soares Malheiros, talvez tenha sido esse, um dos melhores natais das nossas vidas.

Nessa época, as músicas relacionadas à sofrência estavam no auge, os rádios e programas televisivos, só tocavam esse tipo de música, lá como é interior, tocava-se mais ainda, e no dia do Natal foi um chororô só, primeiro, pela data natalina ser muito sugestiva, tendo em vista, o  nascimento do menino Jesus, e também por participarem desse evento, dos chorões natos, eu e o Victor Gustavo Soares Nava, apelido (Vitinho), só que naquele momento, chorávamos de alegria, agora, infelizmente é diferente, choramos pelo passamento do  amigo Juarez.

A partir dessa data natalina, quando qualquer um de nós, nos referimos uns aos outros, não mais usávamos os nomes próprios, falávamos de forma carinhosa, por exemplo, de um abraço no sofrência e assim ficou, até mesmo, nos momentos de dor, como agora, nós nos referimos aos outros pela alcunha sofrência, ficou uma marca registrada, simbolizando: carinho, amizade e sinceridade entre os pares. 

Vila Bela da Santíssima Trindade está de luto, pelo filho adotivo que perdeu. Juarez Nava descanse em paz, sua missão nesta terra foi cumprida com maestria e galhardia, e que os anjos digam amém.


Professor Licio Antonio Malheiros é geógrafo (liciomalheiros@yahoo.com.br)
 
Sitevip Internet