Olhar Direto

Domingo, 24 de setembro de 2017

Notícias / Ciência & Saúde

'Um parasita estava comendo meu olho'

G1

25 Mai 2015 - 16:48

Quando Jessica Greaney marcou o médico pela primeira vez após os incômodos que vinha sentindo no olho, ela achava que estava apenas com mais uma infecção comum. Até então, ela não fazia ideia de que um parasita havia se hospedado em sua córnea e que as consequências disso seriam piores do que ela poderia imaginar.

Os sintomas foram piorando e os próprios amigos dela decidiram levá-la para o hospital para ver o que seria. O primeiro diagnóstico foi uma úlcera.

"Eu sentia como se houvesse algo no meu olho, porque ele ficava fechando toda hora", contou a jovem de 19 anos.

Uma semana depois do tratamento para a úlcera no olho, ela fez novos exames, e os médicos identificaram o problema real. Jéssica estava com ceratite, uma doença causada pelo protozoário parasita Acanthamoeba Keratitis.

"Eles disseram que eu precisava ser internada na hora", contou.

A ceratite não é uma doença muito comum e foi descoberta recentemente – no Brasil, os primeiros casos são de 1988. Ela acontece mais com pessoas que utilizam lentes de contato, caso de Jessica. No Reino Unido, um em cada 50 mil usuários de lentes são infectados com esse protozoário a cada ano.

Tratamento

O tratamento da doença é intensivo. Jessica conta que precisava pingar colírio no olho a cada 30 minutos. "Tinha que fazer isso dia e noite por quatro dias. Isso significa, claro, que eu não podia dormir", afirmou.

Com isso, o cansaço foi inevitável e Jessica quase não tinha forças para fazer nada. "Quatro noites sem dormir parece uma tortura e realmente é. Mas tive que superar."

"Houve um momento que eu perguntei para o médico se eu iria melhorar um dia, mas foi realmente difícil para eles dizerem. Eles explicaram que era uma infecção crônica rara. Eu lembro de olhar por aquele olho e não ver nada, estava tudo embaçado", descreve.

Jessica conta que podia apenas ver as cores, mas não conseguia distinguir as coisas com o olho infeccionado. Apesar de o tratamento ter sido difícil, a jovem diz que seguiu tudo à risca com medo de não voltar mais a enxergar por aquele olho.

"É complicado, mas vale a pena no fim, porque eu prefiro passar quatro noites sem conseguir dormir do que não enxergar pelo resto da minha vida."

Segundo Jessica, a infecção é mais comum para pessoas que usam lentes porque o protozoário fica na água e, quando você põe a lente na água e depois no olho, ele se hospeda ali.

"Quando você coloca a lente, o parasita fica ali e começa a 'comer' seu olho. Isso é o que causa a dor", conta.

"Eu era muito cuidadosa com minhas lentes, meus amigos até tiravam sarro de mim por ser exagerada quanto à limpeza delas. Mas eu as deixava na pia no meu quarto."

"Eu sei que muitas pessoas têm o costume de tomar banho ou nadar com a lente. Mas realmente não vale a pena", aconselha.

Depois dos quatro dias mais rígidos de tratamento, Jessica melhorou. Ela não sente mais dores e enxerga bem, mas ainda precisa passar bastante colírio ao longo do dia.

"Passo colírio 20 vezes ao dia agora. Parece muito, mas é bem menos do que eu precisava passar antes."

Infecção

A ceratite é uma infecção na córnea, a chamada "janela" na frente dos olhos. É causada por um parasita unicelular que pode gerar um dano permanente na visão e até mesmo a cegueira.

Sem contato com os olhos, o Acanthamoeba Keratitis é inofensivo para humanos. Mas ele pode se hospedar nas pessoas quando lavamos os olhos (ou as lentes), quando nadamos ou bebemos água.

O problema é que o diagnóstico da doença às vezes é difícil porque ela pode ser confundia com outros tipos de infecção.

Cuidados

As lentes de contato são uma opção comum – e muitas vezes estética - para quem tem problemas de vista. Mas é preciso tomar bastante cuidado, porque elas podem ser transmissoras de doenças. Bactérias, fungos e outros microorganismos podem aderir às lentes causando dor, irritação e até infecções graves, como a ceratite.

Para evitar problemas, médicos aconselham alguns cuidados básicos. Não dormir de lentes, por exemplo, já que elas não foram desenhadas para isso e o uso prolongado pode maltratar a córnea.

Tomar banho ou nadar com as lentes também não é aconselhável – e um dos grandes motivos para se evitar isso é justamente a infecção causada pelo Acanthamoeba Keratitis.

Além disso, os cuidados com a limpeza da lente de contato também são importantes. Para desinfetá-las, é bom deixá-las armazenadas de molho em uma solução especial - e nunca reutilizar a solução desinfectante. É importante também cuidar da caixa onde você guarda as lentes, lavá-la todos os dias e secá-la depois, além de trocá-la periodicamente. Além disso, sempre lavar muito bem as mãos e enxaguá-las antes de manusear as lentes.
Sitevip Internet