Olhar Direto

Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Notícias / Ciência & Saúde

Impacto de cometa ajudou mamíferos a dominarem a Terra, diz estudo

Terra

14 Out 2016 - 10:22

Impacto de cometa ajudou mamíferos a dominarem a Terra, diz estudo
Cientistas americanos acreditam que a expansão dos mamíferos na Terra pode ter sido diretamente influenciada pelo impacto de um cometa durante o período Eoceno, 55 milhões de anos atrás.

A conclusão, divulgada em artigo da revista Science , aponta que a colisão pode ter dando início a uma fase de rápido aquecimento global.

Os pesquisadores encontraram fragmentos esféricos de vidro que, acredita-se, tenham se formado quando detritos se fundiram e acabaram solidificados no ar após o impacto do cometa com a Terra. A interpretação, contudo, é contestada por outros especialistas.

Colisões espaciais causaram efeitos profundos nos ecossistemas do nosso planeta. Um dos exemplos mais extremos é o do asteroide que caiu na península de Yucatán, no México, 66 milhões de anos atrás. O episódio, acreditam muitos cientistas, foi responsável pela extinção dos dinossauros.

Dennis Kent, co-autor do estudo, acredita que o vidro encontrado nos sedimentos escavados na costa de Nova Jersey, nos Estados Unidos, podem ser de um cometa de 10km de extensão que caiu no oceano Atlântico.

O episódio pode ser uma das explicações para a emissão de CO2, e outros gases de efeito estufa, que aqueceram o planeta muito rapidamente 55,6 milhões de anos atrás. À época, as temperaturas globais subiram 6 graus Celsius em menos de 1.000 anos. "[A Terra] ficou quente muito rápido. Esses indícios sugerem qual foi a origem", disse o pesquisador da Universidade de Rutgers.

Mudança climática
O período de aquecimento brusco, conhecido como Máximo Térmico do Paleoceno-Eoceno (MTPE), é frequentemente comparado ao fenômeno atual de mudanças climáticas influenciado pelo homem.

Esse pico de temperatura coincide com a dispersão de grupos mamíferos para novas partes do mundo, além da diversificação em três grupos que se mantêm até hoje: Artiodátilos, Perissodáctilos e Primatas - a ordem que inclui os seres humanos. Entre os Artiodátilos modernos estão ovelhas, porcos, camelos e girafas. Já os Perissodáctilos incluem zebras, cavalos e rinocerontes.

Os agentes responsáveis por essa evolução brusca dos mamíferos não são completamente compreendidos até hoje. O planeta perdeu quase todo o seu gelo durante o MTPE, com o nível do mar significativamente mais alto que o atual. Diversos organismos unicelulares das profundezas dos oceanos foram extintos.

No solo, contudo, os mamíferos foram capazes de se adaptar movendo-se para os polos, o que abriu novas oportunidades para as classes.

Teorias mais consolidadas sugerem que a fase de aquecimento global, que durou cerca de 200.000 anos, foi causada por fontes no interior da Terra, como atividades vulcânicas intensas.

Mas os autores do estudo publicado pela Science identificaram um mineral distinto dentro das diminutas esferas, conhecidas como microtectitos. Esse mineral chamado lechatelierite , "é formado em temperaturas muito elevadas - cerca de 1.700 graus Celsius", de acordo com Kent.

A presença desse mineral é difícil de ser explicada sem um evento energético intenso, como um impacto. O magma de uma erupção vulcânica, por exemplo, tem temperaturas muito mais baixas.

Uma segunda linha de evidências vem da descoberta de grãos de quartzo de impacto em uma das esférulas. Esses grãos de impacto ocorrem quando o quartzo é deformado por um tipo de pressão tão intensa quanto a produzida por uma colisão cósmica. Outra vez, a pressão em um vulcão não seria suficiente para produzir esses grãos.

Entretanto, o professor Christian Koeberl, especialista em impactos da Universidade de Viena, na Áustria, que não participou do estudo, ressalta que a identificação do quartzo de impacto foi realizada por meio de uma técnica conhecida como espectrometria Raman.

Koeberl disse à BBC News que "esse método não é o padrão para identificar quartzo de impacto. Então, pode ser que seja, mas pode ser que não."

Em um estudo publicado na revista Earth and Planetary Science Lettersem 2003, Dennis Kent já tinha levantado a hipótese do choque de um cometa.

Ele sustentou seu argumento em partículas magnetizadas de barro encontradas em Nova Jersey que, ele acredita, podem ter sido alteradas por um impacto vindo do espaço. Entretanto, diversos especialistas não ficaram convencidos pela hipótese.

A descoberta das esférulas, relatada na Science , traz novas evidências a favor da teoria do cometa, segundo Kent.

"Elas não necessitariam de um cometa, um asteroide seria suficiente, mas a ideia é atraente por causa do aumento nos isótopos de carbono que atuam como gases do efeito estufa", relatou.

"Cerca de 20% da massa de um cometa é carbono. Também existem indicações de análises do Sistema Solar de que esse carbono tende a ser isotopicamente leve."

O impacto que resultou na extinção dos dinossauros, 66 milhões de anos atrás, amplamente aceito como causado por um asteroide, deixou uma camada pronunciada do elemento irídio em rochas distantes do local da cratera.

O irídio, raramente encontrado na Terra, é comum em asteroides. Entretanto, o impacto de um cometa com mais rocha e gelo que um asteroide, poderia explicar o porquê dos cientistas não terem identificado uma camada significativa do elemento no período Paleoceno-Eoceno.

Além disso, os "cometas vieram de fora do Sistema Solar, por isso a velocidade de impacto é em torno de três vezes mais forte que a dos asteroides", completou o professor.

Essa alta velocidade de impacto pode diluir o irídio presente no objeto espacial. E um impacto no oceano poderia explicar o porquê de nenhuma cratera ter sido encontrada.

Koeberl explica à BBC News que a evidência da esférula "indica que o impacto pode ter ocorrido naquele período, mas somente se as esférulas forem realmente, sem nenhuma dúvida, do Paleoceno-Eoceno."

"A informação fornecida até agora não é conclusiva nesse aspecto - não importa se as esférulas são derivadas de outra camada estratigráfica (espero que a possibilidade de contaminação possa ser excluída, o que também não é incomum. As esférulas já foram encontradas em locais bastante estranhos). Então dados da era seriam bem-vindos."

O professor ainda destaca ter percebido "que as esférulas são muito pequenas e bastante raras. Isso indica uma fonte muito distante (mas o alcance limitado ainda é atípico), ou um evento de impacto pequeno. Ambos não indicam uma grande influência no clima terrestre. Dessa forma, acredito que qualquer conclusão de que um impacto teria causado o MTPE não tem fundamento nos dados."
Sitevip Internet