Olhar Direto

Segunda-feira, 26 de junho de 2017

Notícias / Educação

Inep cancela provas do Enem no IFMT de Rondonópolis por ocupação, mas direção da escola garante exame

Da Redação - Lázaro Thor Borges

02 Nov 2016 - 09:41

Inep cancela provas do Enem no IFMT de Rondonópolis por ocupação, mas direção da escola garante exame
Os estudantes que iriam realizar a prova do Enem no Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) Campus Rondonópolis ainda não sabem ao certo se a prova vai ser ou não vai ser aplicada na unidade. Isto porque o Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta terça-feira (01) que escolas que não fossem desocupadas até o dia 31 de outubro não receberiam as provas.

Leia também:
Mato Grosso é o segundo estado do Centro-Oeste com menos inscritos no Enem 2016

Em contrapartida, a direção da escola divulgou nota em rede social afirmando que a unidade será desocupada até a próxima quinta-feira (03) para que a prova seja aplicada. O IFMT de Rondonópolis está ocupado desde o dia 21 por alunos que se dizem contrários a aprovação de um reforma no Ensino Médio pelo governo do presidente Michel Temer.

Segundo a direção da escola, os alunos que estão ocupando o prédio se comprometeram a sair para que o IFMT seja preparado para receber os vestibulandos. Entretanto, uma lista divulgada pelo Inep nesta terça inclui a unidade como a única escola de Mato Grosso que não receberá o Enem.

Se a mudança for confirmada, os estudantes que iriam realizar a prova nos dias 5 e 6 deste mês (sábado e domingo) deverão prestar o vestibular somente em dezembro, nos dias 3 e 4 daquele mês. Procurada pela reportagem do Olhar Direto a direção do campus de Rondonópolis não atendeu as ligações para confirmar se a prova será ou não realizada no local. 

Ocupações

As ocupações no Campus do IFMT em Rondonópolis começaram no dia 21 deste mês. O motivo do protesto organizado pelos estudantes é a proposta de reforma do ensino médio aprovada pelo Governo Temer via medida provisória.

Segundo os secundaristas, a proposta precariza o ensino e tornando-o meramente técnico. Os alunos também criticam a forma como a medida foi aprovada, sem consulta a sociedade. A União Nacional dos Estudantes (UNE) tem acusado o Ministério da Educação (MEC) de jogar a sociedade contra as ocupações. Segundo os secundaristas, o MEC não tem negociado com os manifestantes para a realizar as desocupações. Em caso semelhante, os Tribuanais Regionais Eleitorais aceitaram negociar e as eleições foram realizadas normalmente nas escolas que estavam sendo ocupadas. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo Henrique Barros
    03 Nov 2016 às 10:09

    Alunos influenciados por professores. Conheço esses esquerdistas travestidos de professores do Campus Rondonópolis. Vergonhoso! Existem outras formas de protesto sem macular nosso direito de ir e vir.

  • Contribuinte
    02 Nov 2016 às 13:42

    O protesto é válido, só não entendo por que ocupar as escolas. Tem que ocupar o congresso, as AL, o palácio do planalto.

  • januario
    02 Nov 2016 às 10:02

    Esses meia dúzia de nem-nem nao sabem nem tabuada de sete, que dirá o q estao falando. Sao meros papagaios repetidores dos professores com ranço petista infiltrados na educação a décadas. Por isso a educação brasileira é essa M.... que temos. Eles querem a Revolução Bolivariana. Pois mudem pra Venezuela cambada de preguiçosos.

Sitevip Internet