Olhar Direto

Quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Notícias / Educação

Vencendo doenças e dúvidas da juventude, candidatos ignoram "portão" e fazem o Enem; veja fotos e vídeo dos “atrasados”

Da Redação - Arthur Santos da Silva

05 Nov 2016 - 14:30

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Vencendo doenças e dúvidas da juventude, candidatos ignoram
Por vezes ser vítima de uma doença que afeta a capacidade física não é o suficiente para o fim de um sonho. Gabriel Aguiar, 19 anos, futuro psicólogo, sofreu uma inflamação na medula em 2014, perdendo o movimento das pernas. Dois anos depois, ele esteve presente na Prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O objetivo é o curso de psicologia em uma universidade particular. Vencendo o entrave de se locomover numa cadeira de rodas, o teste deste sábado (05), na Universidade de Cuiabá (UNIC), não será um obstáculo.

Leia mais:
Mesmo após desocupação, quase 700 alunos de Mato Grosso terão prova do ENEM adiada

“É meu segundo Enem, eu quero psicologia na particular. Terminei meu terceiro ano no ano passado, é minha segunda prova do Enem. Só estudando em casa mesmo, pela internet. Estudei metade do ano, porque eu estava na fisioterapia intensiva também”. Gabriel explicou ainda que a Inflamação na medula não atrasou o estudo, um sonho desde quando pequeno.

(Gabriel Aguiar, 19 anos)

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 teve 8,647 milhões de inscrições confirmadas. Neste sábado, os estudantes fazem as provas de ciências humanas e ciências da natureza. A grande maioria dos inscritos, ainda segundo o MEC, é composta por jovens até 23 anos.   

É o caso de Fernanda Letícia, 20 anos. Ela explica que mesmo com a pouca idade, já iniciou um curso superior. Porém, as dúvidas sobre o futuro fazem repensar as escolhas. “Quero fazer arquitetura, esse é meu terceiro Enem. Eu comecei o curso de design de interiores, mas agora eu quero fazer arquitetura. Minha expectativa é passar em uma particular”, disse.

(Fernanda Letícia, 20 anos)

Neste primeiro dia, os portões foram abertos às 11h e se fecharam às 12h, em horário de Mato Grosso. Sirlei, com um pouco mais de idade que a maioria, 45 anos, fez questão de não se atrasar, mantendo a calma, qualidade que só a experiência de vida traz. Mesmo com a tranqüilidade, a distância no tempo da rotina em salas de aula parece embaraçar os mais velhos. “Eu quero fazer gastronomia. É a minha primeira prova no Enem. Minha expectativa? Sinceramente eu não sei. Eu tenho estudado, mas não sei”, explicou Sirlei.

Mesmo com o horário definido desde o início de 2016, não é incomum o caso de quem acaba por chegar após ás 12h. Marcos Vinícius, 22 anos, tentou correr, mas o portão já estava trancado. “Eu queria fazer o curso de Direito. Agora é só esperando o ano que vem, infelizmente. O trânsito está enorme. Eu deixei meu carro no meio da rua, mas não teve como. Por um minuto. Agora é estudar mais para se preparar para o ano que vem”, explicou, com um sorriso de certa tristeza no rosto.

(Marcos Vinícius, 22 anos)

Junto de Marcos, estava Leonilton, da mesma idade. A justificativa pelos minutos em discordância também foram semelhantes. “Eu não sei explicar, mas foi o trânsito. Deixei o carro para lá da ponte, bem para lá, no bairro Praieirinho, vim correndo, mas não consegui chegar a tempo. Eu queria fazer agronomia. É triste, saber que eu vou ter que fazer só no ano que vem”, disse.

A tristeza dos que perderam a prova foi acompanhada por professores e representantes de escolas que estavam na entrada da Unic.

Na mesma entrada, um grupo se destacava pela descontração. Jovens em cadeiras aguardavam a chegada e o atraso dos candidatos. Como num show. Segundo um deles, porém, o objetivo era ajudar. “Vamos dar apoio moral para todos, quem chegar na hora e quem perder. A gente já passou por isso. A maioria aqui estudou Engenharia Civil na Universidade Federal de Mato Grosso”, explicou Igor, de 23 anos.
(Grupo de apoiadores)

As provas do Enem seguem amanhã. A entrada será autorizada no mesmo horário deste sábado. O teste terá foco nas disciplinas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e matemática. O MEC criou um aplicativo, com o nome "Enem 2016", para que o participante acompanhe o cronograma e os avisos feitos pelo ministério.

O app é gratuito e está disponível para iOS e Android.

Veja o vídeo do fechamento do portão na Unic:

 

 

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Betsonaro
    07 Nov 2016 às 11:49

    Tosca Augusto sua lógica é falaciosa, demonstrando que seu pensamento estará sempre fadado a falhas e fracassos. Os estudantes de engenharia em questão estão em um momento de lazer. Pense bem: em momento de descontração e sob sol escaldante resolvem dar apoio àqueles que chegam na hora certa e, por que não?, rir daqueles que chegam atrasados... Sendo assim, se fossem engenheiros da copa, operando sem os grilhões da política, as obras certamente estariam completas no tempo certo.

  • Terrorista
    06 Nov 2016 às 22:36

    Certeza que esses atrasados apertaram 15 na eleição. Agora vocês iram ver o que são 4 anos de atraso!

  • Mailson
    06 Nov 2016 às 16:37

    Ese pessoal tem q aprender a se antecipar. Se sabe q mora longe e tem o fator trânsito ou ate mesmo um problema mecanico no veículo , enfim coisas que pode acontecer. Então sai mais cedo se mora longe saia com 3, 4 horas de antecedência nao deixa pra sair faltando uma hora. Do que adianta passar o ano estudando e acaba n fazendo a prova. É nadar e morrer na praia.

  • marginalidade sempre
    06 Nov 2016 às 15:50

    quando este povo saberá o que é verdade, compromisso, postura, atitude, ética????

  • willian
    06 Nov 2016 às 09:58

    Isso tinha que acabar..universidade federal teria que ser de graça..sendo que o aluno terminasse o segundo grau ja iria direto pra faculdade..nunca o Brasil sera um pais de primeiro mundo..tem que pegar cm exemplo paises desenvolvidos onde os estudos sao de graça..ta tdo errado..

  • Alexandre
    05 Nov 2016 às 17:11

    As obras da copa estão desse jeito por conta dos políticos que vocês insistem em reelger, e não por culpa de engenheiros.

  • Diego
    05 Nov 2016 às 17:11

    Não sabia que essa galera trabalhou nas obras da copa

  • Tusca Augusto
    05 Nov 2016 às 16:10

    Por isso as obras da copa estão desse jeito, estudantes de engenharia que eram pra ta se aprimorando nos estudos no fim de semana, ficam de brincadeira..

Sitevip Internet