Olhar Direto

Quinta-feira, 27 de abril de 2017

Notícias / Mundo

Fidel Castro: veja a repercussão da morte do ex-presidente cubano

g1

26 Nov 2016 - 16:00

Diferentes líderes e personalidades reagiram à morte de Fidel Castrona noite desta sexta-feira (25). A morte de Fidel foi anunciada pelo seu irmão, o presidente cubano Raúl Castro, em um discurso transmitido pela rede de televisão estatal.

No Brasil, o presidente Michel Temer declarou que Fidel foi "um líder de convicções" e que ele "marcou a segunda metade do século XX com a defesa firme das ideias em que acreditava". O Papa Francisco, sumo pontífice da Igreja Católica, disse que a morte de Fidel Castro é uma "notícia triste" e ofereceu orações por ele.

Michel Temer, presidente do Brasil
A assessoria de Michel Temer divulgou uma declaração do presidente da República sobre a morte do líder cubano Fidel Castro. "Fidel Castro foi um líder de convicções. Marcou a segunda metade do século XX com a defesa firme das ideias em que acreditava", afirmou Temer.

Alice Portugal, deputada federal (PCdoB-BA)
A deputada federal Alice Portugal escreveu sobre a morte do Fidel em sua conta no Twitter uma homenagem ao Fidel, citando em espanhol o político, jornalista e poeta José Martí, criador do Partido Revolucionário Cubano e que morreu em 1895: "Adeus, Fidel. Generoso comandante. 'La muerte no es verdad cuando se ha cumplido bien la obra de la vida', José Martí."

Ban Ki-moon, secretário-geral da Organização das Nações Unidas
O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, destacou os avanços de Cuba durante o governo de Fidel Castro. Ele fez votos para uqe a ilha "continue avançando no caminho de reformas e que tenha uma prosperidade maior."

Barack Obama, presidente dos Estados Unidos
O presidente dos EUA, Barack Obama, declarou: "Nesta hora do passamento de Fidel Castro, estendemos uma mão de amizade para o povo cubano". Obama afirmou que "a história vai registrar e julgar" o impacto de Castro, mas que eles "trabalharam duro" para deixar o passado para trás. Obama ofereceu condolências para a família de Castro e disse que seus "pensamentos e preces" estão com o povo cubano.

Boris Johnson, ministro do exterior britânico
O ministro do exterior britânico, Boris Johnson, disse que a morte de Fidel marca "o fim de uma era para Cuba". "A morte de Fidel Castro marca o fim de uma era para Cuba e o começo de uma nova era para o povo de Cuba", declarou.

Diego Maradona, ex-jogador argentino
O ex-jogador argentino Diego Maradona disse que Fidel Castro era "o maior" e como um "segundo pai".

Dilma Rousseff, ex-presidente do Brasil
A ex-presidente da República Dilma Rousseff afirmou, por meio de nota na internet, que a morte de Fidel é "motivo de luto e dor". Para ela, Fidel foi "uma das mais influentes expressões políticas do século 20" e "visionário que acreditou na construção de uma sociedade fraterna e justa, sem fome nem exploração, numa América Latina unida e forte". Ela assina a nota com a saudação "Hasta siempre, Fidel!".

Donald Trump, presidente eleito dos EUA
O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, escreveu no Twitter: "Fidel Castro is dead!" (Fidel Castro está morto!).

Em nota, ele disse esperar que a morte de Fidel Castro "marque um movimento para longe de horrores que duraram demais, e em direção a um futuro em que o maravilhoso povo cubano finalmente viva na liberdade que eles tanto merecem".

Trump disse que seu governo "vai fazer todo o possível para assegurar que o povo cubano possa finalmente começar sua jornada em direção à prosperidade e à liberdade".

Trump também citou os veteranos da fracassada invasão da Baía dos Porcos, em 1961, e disse esperar que "num dia próximo" eles vejam uma Cuba livre.




Enrique Peña Nieto, presidente do México
O presidente do México, Enrique Peña Nieto, classificou Fidel de "figura emblemática do século XX" e de "grande amigo do México".

"Lamento a morte de Fidel Castro Ruz, líder da Revolução Cubana e figura emblemática do século XX", afirmou o presidente mexicano em sua conta no Twitter, pouco saber a notícia da morte.

Em uma segunda mensagem, Peña Nieto afirmou que "Fidel Castro foi um amigo do México, promotor de uma relação bilateral baseada no respeito, diálogo e solidariedade".

Espanha
O governo da Espanha definiu Fidel como "uma figura de grande envergadura histórica, que marcou um ponto de inflexão no país e que teve grande influência em toda a região".

Em comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores, o governo de Mariano Rajoy lembrou que Fidel sempre teve "vínculos próximos com a Espanha como filho de espanhóis e esteve muito apegado a seus laços de sangue e cultura".

"Por isso, a Espanha se une especialmente ao pesar do governo e autoridades cubanas", diz a nota.

Evo Morales, presidente da Bolívia
O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou que sente uma "profunda dor" pela morte do líder cubano Fidel Castro, a quem chamou de "gigante da história da humanidade".

"Quero expressar nossa profunda dor. Realmente dói a partida do comandante, do gigante da história da humanidade", disse Morales, por telefone, à rede de televisão "Telesur".

O líder boliviano, que foi um aliado e amigo de Fidel, enfatizou suas condolências e solidariedade para com o povo cubano e a "todos os povos antiimperialistas do mundo".

Morales destacou que Fidel ensinou aos revolucionários "a nunca se renderem e a levantar a voz aos que têm políticas de dominação, por meio da invasão aos povos do mundo".

Fernando Gabeira, jornalista e ex-deputado federeal
O jornalista e ex-depurado federal Fernando Gabeira, que ficou exilado em Cuba de 1970 a 1971, disse em entrevista à GloboNews que achou marcante a popularidade de Fidel Castro naquela época. "Fidel Castro teve um papel mundial mais importante do que seria de se esperar do presidente de um país do Caribe, pequeno. E esse papel se deve primeiro pelo fato de ele ter, e a revolução cubana ter também, resolvido a questão da educação e da saúde, em termos maciços -- isso despertou uma grande admiração mundial. E o fato de ele ter desafiado os Estados Unidos, de ter trazido para o coração do Ocidente um elemento da Guerra Fria." (Veja vídeo acima.)

Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente do Brasil
O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, afirmou em nota que a morte do ex-presidente de Cuba Fidel Castro "marca o fim de um ciclo". Para FHC, durante o ciclo de Fidel Castro no poder, Cuba conseguiu avançar na inclusão social, mas "não teve o mesmo sucesso para assegurar a tolerância política e as liberdades democráticas".

Fraçois Hollande, presidente da França
Fraçois Hollande, presidente da França, destacou que Fidel soube representar, para seu povo, "o orgulho da rejeição à dominação exterior", e transmitiu seu pesar à família do líder e a Cuba por sua morte.

"Fidel Castro foi uma figura do século XX. Encarnou a revolução cubana, tanto nas esperanças que despertou como depois nas desilusões que provocou", afirmou o chefe de Estado francês.

Um dos "personagens da Guerra Fria", segundo o comunicado divulgado pelo Palácio do Eliseu, Fidel "correspondia a uma época que terminou com o afundamento da União Soviética".

Frei Betto, líder católico
O frade dominicano e escritor brasileiro Carlos Alberto Libânio Christo, mais conhecido como Frei Betto, e considerado um dos mais próximos ao líder cubano Fidel Castro, lamentou hoje a morte de seu "amigo" e que ele considerava o "último grande líder político do século 20".

"É um momento de perda de um amigo próximo e, ao mesmo tempo, uma figura que representa o último grande líder político do século XX, que conseguiu resgatar a dignidade da nação cubana", disse Frei Betto em suas primeiras declarações após a morte Castro, dada ao jornal O Globo.

O padre disse que "seja contra ou a favor da revolução, o fato é que a pequena ilha do Caribe não passou despercebido pela opinião pública mundial. E Fidel sabia comandar esse processo com tão grande estadista".

Hortência, ex-jogadora de Basquete
Hortência fez parte do time de Basquete que ganhou o ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1991 contra o time de Cuba. A final foi disputada em Havana, com Fidel Castro no estádio. O então presidente cubano se recusou a entregar a medalha para Hortência e Paula.

"O Fidel, de alguma forma, marcou muito o Basquete brasileiro. Hoje não tem um brasileiro que não se lembre do momento onde ele se recusou a entregar a medalha. O Fidel Castro foi jogador de Basquete. Ele deu entrevistas dizendo que sabia como deveria marcar o time meu e da Paula, deu dicas de como seria essa defesa. No dia do jogo, ele compareceu ao ginásio lotado, em Havana. Ele desceu, entrou na quadra, e queria conversar com as jogadoras brasileiras. A Maria Helena Cardoso, na época era nossa treinadora, não permitiu que ele conversasse com a gente, porque ele poderia desconcentrar a equipe antes do jogo. E ela não queria que nada atrapalhasse aquele momento tão importante do basquetebol feminino brasileiro. (...) Quando chegou para entregar a medalha para mim e para a Paula, ele se recusou e disse que não entrgaria medalha para gente." (Veja o vídeo acima)

Humberto Costa (PE), senador, líder do PT no Senado
O senador Humberto Costa publicou em sua conta no Twitter: "Morre o grande líder da Revolução Cubana, o companheiro Fidel Castro."

Jair Bolsonaro, deputado federal (PSC-RJ)
Em seu perfil no Facebook, o deputado federal Jair Bolsonaro escreveu: "Fidel Castro morreu... o exterminador de liberdades e promotor da miséria se foi. O mundo democrático deseja-lhe estadia eterna nas profundezas do inferno".

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que com a morte de Fidel "o mundo perde um herói para muitos". Segundo Juncker, o legado de Fidel "entrará para a história".

"Fidel Castro foi uma das figuras históricas do século passado e sintetizou a Revolução Cubana. Com a morte de Fidel Castro, o mundo perdeu um homem que era um herói para muitos", disse Juncker em um comunicado.

Juan Manuel Santos, presidente da Colômbia
O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, lamentou a morte de Fidel e desejou condolências a seu irmão Raúl e família, além do povo cubano. Ele escreveu: "Fidel Castro renonheceu, no fim de seus dias, que a luta armada não era o caminho. Contribuiu assim a encerrar o conflito colombiano."

Luciano Marín Arango, chefe das Farc
O chefe da equipe das Farc que participa dos diálogos de paz com o governo da Colômbia, Luciano Marín Arango, conhecido pelo codinome "Ivan Márquez", afirmou que morreu o "revolucionário mais admirável do século XX".

"No firmamento, deixou sua esteira de humanidade", disse Márquez no Twitter, onde manifestou seu pesar pela morte do líder cubano e seu agradecimento pelo apoio ao processo de paz na Colômbia, do qual Cuba foi país fiador.

"Obrigado, Fidel, por seu imenso amor pela Colômbia. Que o Acordo de Paz de Havana seja nossa homenagem póstuma", acrescentou Márquez, que é membro do Secretariado das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lamentou a morte do ex-presidente cubano Fidel Castro afirmando que ele era "o maior de todos os latino-americanos". Em nota divulgada no site do ex-presidente, Lula escreveu que sente a morte de Fidel como "a perda de um irmão mais velho, de um companheiro insubstituível, do qual jamais me esquecerei".

Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP)
O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, expressou condolências pela morte de Fidel. Abbas enviou uma mensagem ao irmão de Fidel e atual presidente de Cuba, Raúl Castro, na qual manifestou seu "mais sentido pesar" pela morte de um homem "dedicado à defesa de sua terra e de seu povo" e "da verdade e da justiça", informou neste sábado a agência de notícias oficial palestina, "Wafa".

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente de Portugal
O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, enviou suas condolências pela morte de Fidel Castro a seu irmão, o atual presidente Raúl Castro, e a todos os cidadãos do país.

"No momento no qual tenho conhecimento do falecimento do ex-chefe de Estado cubano, o comandante Fidel Castro, quero expressar minhas sinceras condolências ao presidente Raúl Castro Ruz e ao povo cubano", disse.

Michelle Bachelet, presidente do Chile
A presidente do Chile, Michelle Bachelet, lamentou a morte de Fidel Castro. Ela o definiu como "um líder pela dignidade e justiça social" em sua conta no Twitter.

"Minhas condolências ao presidente Raúl Castro pela morte de Fidel, um líder pela dignidade e justiça social em Cuba e na América Latina", escreveu.

Mikhail Gorbachev, último líder da União Soviética
O último líder da União Soviética, Mikhail Gorbachev, elogiou a figura do ex-presidente de Cuba, Fidel Castro. "Fidel Castro fez tudo que estava em seu poder para destruir o sistema colonial. Fidel resistiu e fortaleceu seu país durante o rígido bloqueio americano", disse Gorbachev à agência 'Interfax'.

Gorbachev acredita que Fidel deixa "uma profunda marca na história de toda a humanidade", entre outras coisas, por conseguir que Cuba se desenvolvesse de maneira independente, apesar das "enormes pressões" externas. "Ele permanecerá em nossa memória como um político e um homem extraordinários, e como nosso amigo", disse.

Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul
A Fundação Nelson Mandela, em nome do seu presidente Nelson Mandela, desejou "as mais sinceras condolecências ao povo e ao governo de Cuba pela morte de Fidel Castro". Em comunicado, a fundação lembrou o apoio de Fidel Castro ao movimento contra o apartheid no país.

"O presidente Mandela tinha um relacionamento próximo do presidente Castro e sempre lembrou sua solidariedade ao movimento anti-apartheid", afirmou a fundação, em comunicado.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que cabe a todos os revolucionários do mundo "continuar seu caminho" e afirmou que o ex-líder cubano e o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez "deixaram aberto o caminho para a libertação" de seus povos.

Em várias mensagens no Twitter, Maduro anunciou que havia acabado de falar com o presidente cubano e irmão de Fidel, Raúl Castro, para transmitir a "solidariedade e o amor ao povo de Cuba diante da partida do Comandante Fidel Castro".

Papa Francisco
O Papa Francisco disse que a morte de Fidel Castro é uma "notícia triste" e ofereceu orações por ele.

Rafael Correa, presidente do Equador
O presidente do Equador, Rafael Correa, também comentou a morte do líder cubano. "Se foi um grande. Morreu Fidel. Viva Cuba! Viva América Latina!", escreveu Correa no Twitter.

Randolfe Rodrigues, senador (Rede-AP)
O senador Randolfe Rodrigues publicou uma nota no Twitter citando em espanhol o político, jornalista e poeta José Martí, criador do Partido Revolucionário Cubano e que morreu em 1895: “La muerte no es verdad cuando se ha cumplido bien la obra de la vida. José Martí."

Renan Calheiros, presidente do Senado
O presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, divulgou uma nota dizendo, em nome do Congresso Nacional, lamentar a morte de Fidel Castro. "A despeito de suas convicções e ideologicas políticas, foi um homem que marcou a história mundial", escreveu.

Rui Falcão, presidente do PT
O presidente nacional do PT, Rui Falcão, publicou uma nota de pesar sobre a morte de Fidel Castro. "Fidel foi um dos grandes personagens políticos da América Latina e do mundo do nosso tempo. A Revolução Cubana que conduziu junto com outros dirigentes de seu país foi uma realização do direito à autodeterminação dos povos, da busca de igualdade e justiça social e de defesa intransigente de seu país diante de ingerências externas, além de inspiração para a luta de muitos outros revolucionários da América Latina." O texto também é assinado pela secretária de Relações Institucionais Mônica Valente.

Sanchéz Cerén, presidente de El Salvador
Sanchéz Cerén, presidente de El Salvador, lamentou a morte de Fidel. "Com profunda dor, recebemos a notícias do falecimento de um querido amigo e eterno companheiro, comandante Fidel Castro", disse.

Susana Malcorra, chanceler argentina
Em sua conta no Twitter, a chanceler argentina Susana Malcorra disse que, com a morte de Fidel, "se fecha um capítulo importante da história latino-americana". Ela também transmitiu condolências "ao governo e ao povo de Cuba".

Vanessa Grazziotin, senadora (PCdoB-AM)
A senadora Vanessa Grazziotin escreveu no Twitter: "Sem Fidel Cuba perde um líder e o mundo um grande revolucionário."

Vladimir Putin, presidente russo
Para o presidente russo Vladimir Putin, Fidel Castro foi o "símbolo de uma era" e "amigo da Rússia, sincero e confiável", informou o Kremlin em um comunicado. "O nome deste distinto homem de Estado é, com razão, considerado o símbolo de uma era na história mundial contemporânea", afirmou Putin em um telegrama enviado ao presidente cubano Raúl Castro e citado pelo Kremlin.

Xi Jinping, presidente da China
O presidente da China, Xi Jinping, disse em pronunciamento na TV que Fidel Castro "viverá eternamente", segundo a France Presse.
Sitevip Internet