Olhar Direto

Quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Notícias / Cidades

Acusado de briga em saída de jogo lamenta perseguição a torcida do Mixto: “pegaram para Cristo”

Da Redação - Wesley Santiago

24 Dez 2016 - 08:46

Foto: Wesley Santiago/Olhar Direto

Acusado de briga em saída de jogo lamenta perseguição a torcida do Mixto: “pegaram para Cristo”
O torcedor mixtense, Gabriel Almeida de Magalhães, que foi acusado de participar de uma briga no dia 24 de novembro, próximo a Arena Pantanal, negou as acusações e lamentou a perseguição contra as torcidas organizadas e principalmente a ‘Boca Suja’: “pegaram a gente para Cristo”. Por fim, ele relatou que a vítima não reconheceu nenhum dos oito detidos e aproveitou para exaltar o trabalho social feito fora do estádio.

Leia mais:
Briga entre torcedores do Mixto e Cuiabá termina com oito presos; PM teve de usar balas de borracha
 
“Nós estávamos confraternizando e tomando cerveja após o jogo. Um integrante da torcida deixou o carro próximo ao Aecim Tocantins e pediu que a gente fosse em um grupo pequeno para buscar as bandeiras e apetrechos. Tentamos seguir por um setor, mas o portão estava fechado e nós retornamos. Nisto, fomos abordados por policiais militares. Eles perguntaram para onde íamos e falaram pra gente não arrumar nenhum confusão”, disse Gabriel ao Olhar Direto.
 
Depois de um tempo, eles relata ter ouvido um barulho alto: “A cavalaria passou pela gente e foi até lá. Tinham vários torcedores com a camisa do Mixto, não estavam com camisa da organizada, todos correndo. Logo nós ouvimos barulho de vidro quebrando, bem alto e vimos um capacete sendo jogado para o alto”.
 
“A polícia já chegou dando tiro de borracha. Tinha criança e um monte de gente perto. Como não acharam nenhuma pessoa responsável pelo ato e já tinham revistado a gente lá em cima, nos pegaram para Cristo. Eu estava sentado do lado do meu carro, o policial veio e disse: ‘vamos levar ele, ele que é o chefe’. Eu comecei a rir e a resistir dizendo que não era eu. Fui aconselhado pelos meus colegas a ir, para evitar uma confusão maior. Meu amigo também foi junto comigo para não me deixar sozinho”, explica o torcedor.
 
Gabriel ainda argumenta que na delegacia, alegaram que um integrante da torcida estaria armado, “o que também não é verdade. No fim, a vítima não reconheceu nenhum dos torcedores detidos. Depois, também não quis postergar isto, pois disse que não iria cometer nenhuma injustiça. Nós até nos juntamos com a outra torcida para fazer uma vaquinha e ajudar no conserto do carro dele. O [Everton] POP fez uma sacanagem ao falar que todo mundo ali era vagabundo. Ninguém é vagabundo. Todo mundo que estava lá é trabalhador”.
 
“A torcida do Mixto sempre sofreu perseguição por parte da polícia. Eles usam bala de borracha e spray de pimenta perto de crianças. A mãe do Gabriel entrou em pânico. Aqui não tem essa questão de guerra de torcida organizada”, disse o empresário Thiago de Oliveira, que também integra a Boca Suja. “Minha mãe escondeu todas as camisas minhas do Mixto lá em casa, ficou transtornada com a situação”, garante Gabriel.
 
O mixtense, que está se formando em Educação Física na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), aproveitou para destacar que “existem maus elementos também, isso existe em todo o lugar. Uma faísca em jogo de futebol para quem está nervoso é motivo para muito. E essas pessoas acabam contagiando outras a fazer o que é errado. Só que reduzimos e muito a violência por aqui”.
 
O empresário Thiago de Oliveira ainda elogiou o trabalho feito pela Boca Suja: “A torcida organizada faz um trabalho bonito também fora do futebol. Estou com o porta malas do meu carro cheio de brinquedos que vamos doar para crianças carentes. Tudo isso em tempos de crise, a gente também faz um trabalho social”.

 

“A Boca Suja e o Mixto são patrimônios de Cuiabá. A nossa história está muito ligado com a Capital. Se você falar em futebol aqui, nós seremos lembrados. Ficamos tristes pela situação do time, que foi muito usado politicamente e que não está vivendo a sua melhor fase. Dentro da nossa torcida tem perito criminal, professores, engenheiros. São pessoas de bem, trabalhadores que estão ali com o único objetivo de torcer”, garante Gabriel.
 
Thiago acredita que a equipe tem de ser abraçada pelos moradores da capital mato-grossense: “Precisamos tirar o exemplo da Chapecoense. A cidade precisa abraçar o time, apoiar. Independente da crise, as empresas que se instalaram aqui deviam dar uma contribuição para o Mixto. Se fosse a gente no lugar do Cuiabá, Luverdense, já estávamos na série A. Existe um potencial enorme. Mas é preciso estruturar. A equipe que dá mais audiência no futebol em Mato Grosso recebe só R$ 5 mil da TV para ter o jogo transmitido. É um absurdo”.
 
“O Mixto é uma doença, uma droga boa. É viciante torcer para este time. Se eu levo alguém no primeiro jogo, a pessoa volta lá sem mim. É uma paixão inexplicável. Tem gente que larga a mulher para ir para o jogo. Eu cheguei a deixar a minha mãe que estava no hospital, depois de ter infartado, pra ir apoiar o meu time”, finaliza Thiago de Oliveira.
 
O caso
 
Uma briga entre torcedores do Mixto e do Cuiabá, após a final da Copa FMF (Federação Mato-grossense de Futebol), na noite do dia 24 de novembro, terminou com oito pessoas presas. Segundo as autoridades, os mixtenses acabaram agredindo três torcedores do ‘Dourado’, que estavam dentro do carro, indo embora para casa. A Polícia Militar teve de usar balas de borracha e gás de pimenta para conter os ânimos. O fato foi registrado próximo a Policlínica do Verdão, nas proximidades da Arena Pantanal. Um Boletim de Ocorrências (nº 2016.378800) chegou a ser confeccionado.

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • OSVALDO (TÉCNICO DE RH)
    27 Dez 2016 às 20:14

    ORAS QUE CONVERSA É ESSA, NÃO É MESMO? A PRÓPRIA IMPRENSA LOCAL SENTA ATRÁS DA TORCIDA DO CLUBE EMPRESA E VÊ QUE AQUELE GRUPINHO DE SEIS PESSOAS VIVE PROVOCANDO AS TORCIDAS ADVERSÁRIAS. SE A IMPRENSA SE CALA É PORQUE BOA PARTE DELA JÃ NÃO SERVE PARA MUITA COISA. NESTE CASO PARABENIZO O OLHAR DIRETO POR ESTA MATÉRIA E AO JOVEM REPÓRTER PELO TRABALHO. COM CERTEZA, O OLHAR DIRETO ESTÁ GANHANDO CENTENAS DE LEITORES SÓ COM A TORCIDA ALVINEGRA.

  • Adriano
    27 Dez 2016 às 01:07

    Vim de São Paulo a trabalho e acabei ficando em Cuiabá mesmo sem ter comido ainda cabeça de pacu. rsss, mas como corinthiano e fã de time de massa, sendo que minha família tem uns palmeirenses e são paulinos, acho que aqui só um ou dois times tem torcida de massaigual a dos times paulistas, e estes times aqui em Cuiabá são Mixto e Operário, e o tempo já mostrou que clube empresa não deu certo em lugar algum neste país e esse Cuiabá já virou motivo de rejeição e repúdio da população local com o nome da própria cidade, e acho que esta é uma percepção que os paulistas que moram aqui tem da situação

  • sandrinho
    26 Dez 2016 às 16:56

    esse que escreveu ai nao é dombosquino nada, deve ser alguem ligado ao lambari pra querer acusar, nem o nome coloca e ainda quer prejudicar a imagem dos dombosquinos. mentira pura e cínica

  • João Pedro
    25 Dez 2016 às 19:03

    Como estava dizendo, tem gente de muita má fé e péssimo caráter, que vive tentando queimar a imagem do Mixto, e essa atitude de alguém apontar a torcida do Mixto como violenta, convém que seja questionado agora na Justiça. A torcida do Mixto se passar a mão na cabeça desse indivíduo vai deixar passar uma oportunidade de fazer valer o respeito para todo mundo que usa uma camisa do Tigre. Quanto à histeria de um ou outro policial, que sai com cavalo atropelando pessoas e crianças no entorno da Arena, que seja motivo de investigação interna no quartel, para se preservar a própria instituição policial militar. Sabemos que tem muitos policiais mixtenses e que não concordam com nada disto.

  • Gabriel Magalhães
    25 Dez 2016 às 12:38

    Feliz Natal Dom Bosquino... a verdade sempre aparece meu bom.

  • Duílio
    25 Dez 2016 às 09:37

    Como torcedor do Operário, protesto por colocarem a torcida do Cuiabá junto com a nossa quando tem rodada dupla. Pelo fim das rodadas duplas, pois estamos sendo usados para fazer número para a suposta torcida do Cuiabá. Nascidos aqui ou adotivos, nós somos cuiabanos e varzeagrandenses, matogrossenses. Cuiabanistas, JAMAIS. Essa empresa dona do Cuiabá é um gaúcho nunca apoiou os clubes da Grande Cuiabá e ainda usa o nome da cidade de modo indevido como se pudesse se apropriar do nome de uma cidade.

  • Dom bosquino
    24 Dez 2016 às 17:16

    Esse cidadao ai ... qur pagar de santo agora.... mas quem conhece ele sabe das confusoes e tumultos que ja causou no dutrinha

  • João Pedro
    24 Dez 2016 às 15:26

    Gabriel, você fez errado ao juntar com outros mixtenses e fazer uma vaquinha para consertar o carro da pessoa que acusou mixtenses de terem supostamente feito atos de violência contra dele. Pelo contrário, esse indivíduo tinha que responder na Delegacia e à Justiça por apontar de modo equivocado para o mixtenses de modo geral e pela confusão causada e por colocar a vida das pessoas em risco. Você é estudante universitário e sabe muito bem dos seus direitos.. Cabe aos mixtenses envolvidos de modo equivocado entrar com um processo contra esse indivíduo. No jogo final da Copa FMF tinha um torcedor com camisa do Cuiabá saindo tranquilamente da arquibancada da torcida do Mixto, no meio dos mixtenses, que estavam mais preocupados em comprara camisas do Tigre no estande atrás da arquibancada e nem um pouco preocupados em incomodar o adversário e muito menos em agredi-lo. Mas um torcedor com camisa do Cuiabá passeando no meio da arquibancada dos mixtenses, isto, sim, é querer provocar a torcida do Mixto. Mas entre os mixtenses, ninguém o incomodou, embora a presença dele com camisa do time adversário na arquibancada dos mixtenses poderia ser entendido como provocação. A PM deve ter visto isto também, e não coibiu o torcedor adversário a entrar onde não devia. Então, tem gente que fica in

  • vicente
    24 Dez 2016 às 09:17

    Sou absolutamente contra violência, mas essa meia dúzia da torcida do Cuiabá, são arrogantes mesmos, se acham melhor que outras. Dizem que são funcionários do clube-empresa.

Sitevip Internet