Olhar Direto

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Política MT

Cobrar contribuição de quem possui incentivo fiscal dará respaldo à beneficio, garante secretário

Da Redação - Jardel P. Arruda

09 Jan 2017 - 14:48

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Gustavo de Oliveira

Gustavo de Oliveira

O secretário de Estado de Fazenda, Gustavo de Oliveira, rebateu a acusação de que o Fundo Estadual de Equalização Fiscal seja inconstitucional. Segundo ele, a criação de uma contribuição para as empresas com incentivo fiscal servirá para legalizar o benefício, criado sem a autorização Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

“O Confaz, por meio do convênio ICMS 42/2016, deixa claro que os Estados ficam autorizados a gozar de incentivos fiscais desde que quem usufrua dos incentivos contribua com, no mínimo, 10% para um fundo de estabilização fiscal, que no caso em Mato Grosso está sendo denominado de Fundo Estadual de Equalização Fiscal (FEEF), conforme a Mensagem nº 97 encaminhada pelo Executivo para apreciação do Legislativo. Esse convênio, no nosso entendimento, provocou uma autorização aos Estados a terem incentivo fiscal”, afirmou Gustavo.

A declaração é uma resposta a avaliação do tributarista Victor Maizman. Para o advogado especialista no assunto, o projeto de lei 486/2016 enviado na mensagem 97/16 do Governo do Estado à Assembleia Legislativa é inconstitucional por incidir sobre benefícios já concedidos e não prever a participação de 25% aos municípios.

Leia mais:
Tributarista afirma que modelo escolhido para Fundo de Equilíbrio Fiscal é inconstitucional

No entanto, segundo o secretário, o Governo a criação do fundo é necessária para que as atuais empresas incentivadas não percam seus benefícios judicialmente, como já tem ocorrido em alguns Estados. Por disso, ele acredita que as próprias empresas contribuintes deveriam apoiar a medida.

“Se por um lado realmente há uma a redução dos incentivos que já estão compactuados, do outro finalmente traz a convalidação dos incentivos por meio do recolhimento de um percentual ao fundo. No nosso entendimento os contribuintes devem optar por essa convalidação porque isso traz segurança jurídica para aquele que tem hoje incentivo concedido à margem da convalidação, por unanimidade, no Confaz.” , ponderou.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fim do incentivos
    09 Jan 2017 às 16:07

    Por mim esses incentivos só visam sangram os cofres públicos, é dinheiro q deveria ir para a educação, a saúde e a segurança!

Sitevip Internet