Olhar Direto

Quarta-feira, 29 de março de 2017

Notícias / Cidades

Agente sofre atentado em vingança por morte de membro do PCC em MT, denuncia Sindicato

Da Redação - Lázaro Thor Borges

11 Jan 2017 - 17:07

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Agente sofre atentado em vingança por morte de membro do PCC em MT, denuncia Sindicato
Membros do Comando Vermelho teriam promovido um ataque contra um agente penitenciário da Cadeia Pùblica de Barra do Garças na última terça-feira (10), segundo informações do Sindicato dos Servidopres Penitenciários de Mato Grosso (Sindispen-MT). 

Leia mais:
Agentes apreendem quase 200 celulares escondidos em bebedouro da PCE; veja vídeos


O presidente do Sindispen, João Batista, contou ao Olhar Direto que integrantes da facção criminosa teriam ligado para o presídio e determinado que se a direção da penitenciária não liberasse membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), um dos agentes que trabalham no presídio seria morto pelo grupo. João Batista contou que este agente já tinha sofrido ameaças anteriormente. 

O acirramento do conflito entre as duas facções em Mato Grosso começou quando um integrante do PCC esquartejou um colega de cela, integrando do Comando, na Penitenciária Major Zuzi Alves da Silva, em Água Boa. O crime ocorreu na madrugada do dia 21 de novembro do ano passado. Na ocasião, o Sindpen-MT já havia denunciado que se tratava de um conflito de facções. Por conta do homicídio, o preso foi transferido para Barra do Garças, onde a tensão teria aumentado.  

A assessoria de imprensa da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos nega o ocorrido. De acordo com a Sejudh, este tipo de ameaça é uma questão recorrente e não tem nenhuma ligação com o conflito nacional. O órgão alegou que as informações repassadas pelo sindicato são equivocadas, mas confirmou que o homicídio na cadeia em Água Boa ocorreu há dois meses. 

Cuidado redobrado

O representante do Sindispen também contou que por conta da ameaça de conflito entre as facções os agentes penitenciários tem redobrado as revistas no presídio. No início do mês, agentes penitenciários encontraram 200 aparelhos celulares na Penitenciária Central do Esatado (PCE), em Cuiabá.

O trabalho, segundo o sindicato, está sendo feito nas 58 unidades, tanto por determinação do Estado quanto por questões internas das diretorias dos presídios. Segundo ele, o serviço redobrado é ainda mais complexo por conta do número reduzido de agentes, uma vez que 25% das unidades tem apenas três servidores reponsáveis por cerca de 100 presidiários.   

A Sejudh relatou, no entanto, que as revistas fazem parte do Procedimento Operacional Padrão (POP) dos agentes, sem nenhuma excepcionalidade no processo. Segundo o órgão, Mato Grosso é um dos estados com possibilidade de conflitos, conforme determinação do Ministério da Justiça. Até aqui, no entanto, o trabalho em conjunto feito pelas forças de segurança não evidenciou nenhuma ameaça.

“Não há registros”

Na última segunda-feira (09), secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, e o secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas foram a pública negar informações de conflitos em presídios. Eles afirmaram que não há qualquer registro de interceptações telefônicas de detentos planejando ataques a unidades prisionais.

“Foram feitas consultas na Diretoria de Inteligência Policial da Polícia Federal em Brasília e junto à Superintendência da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul, e não foi reportada a existência dessa notícia”, relatou o superintendente da Polícia Federal, acompanhado do delegado federal, Sérgio Sadao Mori, responsável pela divisão de Investigação e Combate ao Crime Organizado.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Informação
    14 Jan 2017 às 14:28

    O curioso , os celulares foram pego em um bebedouro que foi doado aos presos, e pôs sair para reparo voltou recheado com os celulares. Vai se informar 1 pra não ficar escrevendo o que não sabe. Obrigado

  • Aq è o Crime
    12 Jan 2017 às 10:23

    Né joao Só n tomam conta pq nn quer pq olha o tanto de abitante policia n chega nem no pé moss ninguem gosta de policia nn, pra min policia que é o bandido.

  • joao
    12 Jan 2017 às 07:09

    A verdade, é que o estado está com medo e perdendo para os bandidos. Daqui mais alguns dias os bandidos vão pedir a saída das autoridades e vão tomar conta.

  • Curioso
    12 Jan 2017 às 05:15

    "agentes penitenciários encontraram 200 aparelhos". Como isso é possível sem a participação de alguém que está facilitando a entrada não apenas de celulares, mas de outras coisas? De graça que não é, disso podemos ter certeza. Não é precisa raciocinar muito para saber quem leva e quanto recebe pelo serviço, não é difícil descobrir quem lucra com essa prática. Quem tem acesso fácil ao interior dos presídios ? Quem tem contato com os presos dentro dos presídios ?

  • AGEPEN
    11 Jan 2017 às 22:46

    A notícia não condiz com a verdade, não houve ataques a servidores penitenciários em Barra do Garcas nos últimos dias. Houve um ataque em meados de maio de 2016, durante a greve do RGA, porém, o caso foi solucionado e os responsáveis foram presos, o servidor nada sofreu, apenas perdas materiais, o caso não tem ligação com a recente execução do preso em AB.

  • Fudum
    11 Jan 2017 às 17:42

    Sejudh nao esta com o dele na reta ai fala em casos isolados kkkkkk e guerra..so cego nao ve...

Sitevip Internet