Olhar Direto

Notícias / Educação

Denunciada por irregularidades, Unic recebeu R$ 200 milhões pelo Fies

Da Redação - André Garcia Santana

05 Fev 2017 - 17:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Denunciada por irregularidades, Unic recebeu R$ 200 milhões pelo Fies
As recentes denuncias por fraudes no Programa de Financiamento do Ensino Superior (Fies), na Universidade de Cuiabá (Unic) trouxeram a tona uma série de reclamações relacionadas à cobranças irregulares, falta de estrutura e qualidade ensino. O campus da Capital recebeu apenas em 2016 quase R$ 200 milhões de reais do Governo Federal, de acordo com o Fundo Nacional para a Educação (FNDE). No período foi aplicada uma média de R$ 12 milhões em melhorias no campus.

Leia mais:
Revista Veja denuncia Unic por fraudes no Fies; grupo Kroton seria maior beneficiário em esquemas

A informação é do vice-presidente de ensino presencial da Kronton – grupo ao qual pertence à universidade-, Américo Martiello, que afirma ter havido investimentos de R$ 38 milhões na unidade nos últimos três anos. Assim, segundo ele, embora a quantia soe como irrisória, é preciso considerar o pagamento de professores e funcionários, além de gastos com a manutenção da instituição, como a aquisição de insumos para laboratórios. Montante não divulgado pela instituição, por se tratar de um dado privado.

Américo também afirma não existir distinção entre o dinheiro recebido pelo programa e o das mensalidades. “Embora o valor possa soar pequeno, é preciso deixar claro que isso diz respeito apenas ao que foi investido. Ou seja, a construção de laboratórios, bibliotecas, aquisição de equipamentos. Alem do mais, pra se ter uma ideia, hoje apenas 20% dos recebimentos dependem do Fies”, explicou em entrevista ao OlharDireto.

Os R$ 198 milhões pagos correspondem ainda a uma média de R$ 16 milhões por mês, distribuídos entre alunos de 64 cursos em Cuiabá. A quantia, no entanto, não tem garantido aos estudantes todas as aulas presenciais, causando descontentamento entre eles. É o caso da turma do quinto semestre de Medicina Veterinária, a qual pertence o aluno Ronan Alves, 20. Matriculados no período passado nas disciplinas de Morfologia e Microbiologia, eles foram avisados após o início das aulas de que as matérias seriam ofertadas virtualmente. A mensalidade do curso é de R$ 3550 reais.


“Chegamos a ter as primeiras aulas presenciais, mas depois avisaram que seria online. Tem que ler tudo em casa e um dia na semana ir tirar dúvida com um professor. Essa falta de acompanhamento prejudica porque a gente fica sem base pra entender”, explica. Ele, que divide a sala com pelo menos 70 pessoas, conta ainda a turma já organizou até um abaixo-assinado pedindo por melhoria nas condições de ensino e por melhores peças nos laboratórios.

A queixa segue com o relato da má qualidade nos cadáveres de animais usados nas aulas. “As peças já estão muito desgastadas, então fica muito mais difícil pra identificar artérias e outras partes. O engraçado é que na aula eles nos dão as piores peças, e no dia da prova usam as melhores, e aî a gente não consegue identificar direito. Isso prejudica demais.”

Inscrito com 100 % de cobertura do Fies, Ronan também enfrenta um problema relatado por dezenas de alunos. Alvos da cobrança irregular de uma matéria, ele acumula uma dívida de R$ 6 mil com a instituição. Depois de ter reprovado na matéria de Metodologia Científica, ele foi rematriculado na disciplina e passou a ter as mensalidades cobradas pela Unic, tendo feito uma negociação. “Se não conseguir reverter a situação, vou ter que organizar um festival de pizza pra ou algo assim pra conseguir juntar o dinheiro. “

Leia mais:
Aluno denuncia irregularidade em cobrança de mensalidade na Unic; suspeita de fraudes revolta acadêmicos

Uma situação parecida foi denunciada recentemente pelo aluno de Publicidade e Propaganda Divino Rodrigues de Lima, que, mesmo sem ter cursado uma disciplina após a reprovação, deve pagar à universidade R$ 8 mil reais. “Na coordenação fui informado que no sistema já constava uma solicitação que eu não fiz. Fui orientado a fazer uma negociação para liberação do portal e parcelei o valor em 13 vezes para tentar pagar. Mas por falta de condições financeiras não consegui concluir o pagamento e fui afastado da faculdade. Estou pagando formatura, mas não vou mais me formar com meus amigos. Nem sei quando poderei voltar”, contou.

De acordo com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), o financiamento cobre todas as matérias da grade regular do curso. Entretanto, como condição para a continuidade do financiamento, é exigido do estudante aproveitamento acadêmico mínimo de 75% das disciplinas cursadas. Na hipótese de aproveitamento acadêmico inferior, a CPSA da Instituição de Ensino, excepcional e justificadamente, poderá autorizar a realização do aditamento para o semestre seguinte.

Quanto à possibilidade de haver pagamento fora do financiamento, é possível a cobrança de valor de encargo educacional (mensalidade) cujo financiamento pelo Fies não cubra 100% do respectivo valor. Só em Mato Grosso, constam 49 instituições de ensino com estudantes financiados pelo programa, e em Cuiabá, cerca de 38,1 mil estudantes são inscritos no programa.

Se comprovadas as irregularidades nas cobranças e descumprimento das obrigações assumidas no Termo de Adesão e no Termo de participação nos processos seletivos do FIES, a Unic está sujeita à aplicação de penalidades previstas em lei. Sendo elas a impossibilidade de adesão ao Fies por até três processos seletivos consecutivos, ressarcimento do encargos educacionais indevidamente cobrados, e multa.
 
Outro lado
 
O vice-presidente diz receber com surpresa as reclamações dos alunos, uma vez que indicadores internos, avaliados por eles mesmos, apontam crescimento na satisfação com a instituição. Ele também ressalta as boas notas obtidas pela Unic em sistemas de avaliação do próprio Mec. “Entendemos que esse tipo de situação pode acontece em decorrência do volume de alunos, mas estamos muito confortáveis com toda a legislação e preparados para atender os alunos um a um para esclarecer suas dúvidas”, diz.
 
Américo destaca que o curso de Veterinária da instituição está entre os melhores do país, assim como o de Odontologia e Psicologia, e que a aplicação de conteúdo online está prevista em lei. Assim é permitida a realização de 20% das atividades de cursos presenciais à distância, sendo que, em cinco dias de aula, é possível que uma delas seja ministrada virtualmente. “Acredito que este é um caminho natural e estamos motivando os alunos a lidar com diversos canais. O próprio mercado de trabalho exige isso, a utilização de novas plataformas. E o foco no mercado é uma dos nossas principais características.”

Ainda assim, diante das queixas, ele garante que a situação será revista, uma vez que a Unic é uma das marcas mais fortes do grupo, que se que se espalha pelo Brasil com outros119 campi. O vice-presidente reforça a abertura da instituição na resolução do problema e afirma que que a Unic é uma das marcas mais fortes do grupo educacional. 
 
Kroton
 
De acordo a publicação da Revista Veja do dia 22 de janeiro, a Kroton vem realizando uma série de fraudes no Fies, tendo faturado 2,5 bilhões de reais pagos pelo Ministério da Educação (MEC).A Unic, maior de Mato Grosso em âmbito privado, seria uma das beneficiadas com as irregularidades e cobranças impostas aos alunos, recebendo pela adesão ao programa também em campus do interior, localizados em cidades como Sorriso, Tangará da Serra e Primavera do Leste.
Valores repassados pelo programa em âmbito nacional. /Fonte: FNDE

No Estado consta um total de 49 instituições de ensino com estudantes financiados pelo programa, sendo que cerca de 40 mil pessoas são contempladas apenas na Capital, onde também fazem parte do grupo a  Facldade Anheguera e a Universidade Cândido Rondon (Rondon), ambas com investimentos inferiores aos da Unic. Em uma comparação entre esta última, que recebeu R$ 21 milhões pelo Fies em 2016, o montante pago a unidade cuiabana da Unic foi quase 10x maior. O número de alunos beneficiados em cada instituição não foi repassado pela Kroton.
 
No que diz respeito aos valores nacionais, os dados do FNDE apontam um crescimento de 0,88 bilhão para 12,58 bilhão nos valores repassados às universidades particulares entre 2010 e 2016. O crescimento  foi acompanhado pela Unic, que apresentou um aumento de R$101.316.051,49, pagos em 2015, para R$ 198.523.637,77 em 2016. Os dados de anos anteriores não estão disponíveis no sistema do FNDE. 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz Silva
    06 Fev 2017 às 11:41

    Grande problema hoje nessas universidades da Kroton é que eles querem colocar o aprendizado "on line". Estão enchendo a grade de matérias que não são presenciais. Você paga por um curso presencial e recebe um "on line", ridículo isso. E pelo que vejo eles desejam é colocar quase metade das aulas de forma "on line", quem perde é o aluno. A faculdade ganha, pois manda os professores embora, paga so um para ficar olhando as mensagens dos alunos no modo "on line", e assim a nossa educação so piora. Claro que o Mec nao fala nada, os alunos também não reclamam.

  • Cowboy
    06 Fev 2017 às 09:16

    ANTONIO DE DEUS, tenho muitos parentes e amigos que se formaram na UNIC e são grandes profissionais, assim como conheço outros que não são. A academia (faculdade) não é para ensinar o alfabeto ou matemática. Isso se aprende até o curso médio. O Curso superior é uma forma de especificar conhecimentos na sua área de abrangência e afirmar o senso crítico do cidadão. Por isso há aqueles que se dão bem e outros nem tanto!

  • El Cid
    06 Fev 2017 às 09:12

    O Fundo de Financiamento Estudantil(Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em cursos superiores não gratuitas na forma da Lei 10.260/2001. Podem recorrer ao financiamento os estudantes matriculados em cursos superiores que tenham avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação. Fica claro que quem pleiteia e recebe recursos do governo federal através do FIES é o aluno e não a instituição que ele estuda, embora os valores são repassados direto à entidade. Tito Lampreia, os recursos provenientes do FIES assim como outros, se tornam isentos de ISSQN.

  • Tito Lampreia
    05 Fev 2017 às 23:10

    Quanto recolheu de ISSQN? Mpe saberia responder? Câmara? Prefeitura? Tce... Alguém tem essa resposta?

  • Maria
    05 Fev 2017 às 19:45

    É uma universidade sem qualidade, nao tem ensino 100% presencial. Por isso #VEMSERUNIVAG

  • ANTONIO DE DEUS
    05 Fev 2017 às 17:49

    Incrível, eu por exemplo formei e não foi bom ensino, nem dá pra trabalhar na área, só me restou angústias quando lembro da UNIC.

  • Faculdadezinha
    05 Fev 2017 às 17:17

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet