Olhar Direto

Sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Notícias / Política MT

Na primeira reunião do PSDB após posse de prefeitos e vereadores, nome de Taques é exortado para 2018

Da Reportagem Local - Ronaldo Pacheco

17 Fev 2017 - 09:33

Foto: Ronaldo Pacheco / Olhar Direto

Na primeira reunião do PSDB após posse de prefeitos e vereadores, nome de Taques é exortado para 2018

A oposição, nesta semana, cutucou o PSDB onde lhe é mais caro. E pela reação, é pouco recomendável que fiquem à frente da ”onça”, principalmente para quem for atacar o governador José Pedro Taques (PSDB). É o que ficou claro na reunião ampliada do Diretório Estadual do PSDB, com a participação de dezenas de prefeitos, vices prefeitos, vereadores e militantes ilustres na noite desta quinta-feira (16), na sede do bairro Santa Rosa, em Cuiabá.
 

Leia também::

Partido de Maggi adere à oposição e discute candidatura para enfrentar Taques em 2018

Maggi diz que PP busca espaço e que ainda é cedo para discutir 2018

 

Nem mesmo a ausência de Pedro Taques, que não compareceu “por motivo de força maior”, arrefeceu o ânimo da militância. Não ficou claro o motivo da ausência, mas Taques já demonstrava problemas de garganta, com roquidão e tosse seca, desde o período matutino, quando recebeu o ministro Sarney Filho, do Meio Ambiente, em reunião no Palácio Paiaguás. A filiação do advogado Eduardo Mahon, polêmico no mundo cultural e contestador nas redes sociais, deu um recheio diferenciado ao evento. 
 

Mesmo sem que fossem citadas as oposições, tucanos de diferentes plumagens projetaram a reeleição de Pedro Taques, em 2018, numa condição amplamente favorável. “É inegável que o trabalho do nosso governador é árduo, mas eu tenho dúvida de que será reconhecido pelo eleitorado mato-grossense, se ele for novamente candidato”, ponderou o prefeito Humberto Bolinha Domingues (PSDB), de Guiratina, ao recordar a ida de Taques à sua cidade, durante a campanha de 2016. 
 

No mesmo tom, o  líder do PSDB na Câmara de Cuiabá, vereador Adevair Cabral, considerou válido o encontro, lembrou que a militância estava ávida pela convocação do diretório e exortou que todos ajudem Taques.  “Certamente o governador está tendo coragem de tomar medidas, hoje, que vão assegurar qualidade de vida às futuras gerações e, talvez, alguns não entendam corretamente. Mas eu não tenho dúvida de que, em 2018, está mais forte do que nunca”, sintetizou Adevair.
 

O presidente da Executiva Regional tucana, deputado federal Nilson Leitão, observou que a reunião não tem cunho pré-eleitoral, mas de organização partidária. Contudo, também projetou uma situação, para 2018, em que Pedro Taques deve estar em situação de chegar como favorito, embora as oposições já estejam se mobilizando.
 

“Oposições têm nomes, no plural. Então, ficamos bem tranquilos. Nós só temos um nome [para governador]: Pedro Taques! E é natural que os partidos comecem se organizar desde já”, avaliou Leitão. Ele enfatizou que a reunião serviu para discutir a renovação dos diretórios municipais, envolver os prefeitos e vereadores novatos no cotidiano do PSDB; discutir políticas públicas dos governos federal e estadual e mostrar como podem utilizar a estrutura partidária, nas administrações municipais.
 

“Cutucão” na onça
 

Na última segunda-feira (13), os partidos de oposição PR e PMDB se reuniram em Cuiabá para começarem as discussões sobre a sucessão do Palácio Paiaguás em 2018. A conversa contou com a presença do presidente estadual do PP, deputado federal Ezequiel Fonseca, que não poupou críticas à administração Taques.
 

Além de PMDB, PP e PR, também teria migrado para a oposição o PSC, partido que tal qual o PP também ajudou Taques na Eleição de 2014, mas está insatisfeito com os rumos do governo. O deputado federal Carlos Bezerra, presidente estadual do PMDB, ainda garantiu a intenção de partidos como PPS, PT, PDT, PTB e PC do B participarem da aliança.  
 

Após a reunião, no entanto, lideranças do PP, como o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, fizeram questão de negar publicamente que estejam na oposição ao governo Taques. 

33 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcelo
    20 Fev 2017 às 17:15

    rimeiramente causa estranheza as contas da eleição 2014 de Pedro Taques só serem julgadas agora, pois era evidente as falhas na prestação de contas, portanto, o governador teria que ter sido afastado de suas funções, assim como o Carlos Fávaro.

  • Marcelo
    20 Fev 2017 às 17:15

    rimeiramente causa estranheza as contas da eleição 2014 de Pedro Taques só serem julgadas agora, pois era evidente as falhas na prestação de contas, portanto, o governador teria que ter sido afastado de suas funções, assim como o Carlos Fávaro.

  • Adriano
    18 Fev 2017 às 16:29

    Acho o taques é o melhor nome para continuar a frente do estado, acabou com a corrupção e se hj ele não tem dinheiro para pagar o rga é consequência da má gestão e desvios de dinheiro do sinval, sinval que é herança do Maggi deixado pra MT, então hj taques não tem adversário, o melhor nome ainda é ele

  • Coreano
    18 Fev 2017 às 10:45

    Se colocar um cachorro ele ganha do taques

  • Justo
    17 Fev 2017 às 19:58

    A maioria de comentários contra aqui e servidores públicos que ganha muito bem para não fazer nada, não está bom no serviço público pede conta cambada e venha trabalhar na iniciativa privada aí quero ver vocês reclamar.

  • Juliano Frazão
    17 Fev 2017 às 16:41

    Se o diretório estadual impuser o nome de Taques muitos psdbistas podem até pedir voto, mas a determinação não será a mesma se acaso fosse um nome de consenso. Vamos pra eleição conscientes de que serà um pleito muito difícil. Seria melhor o Leitão e o Francis de Cáceres de vice.

  • Davi
    17 Fev 2017 às 16:15

    O diretório estadual não trata com o devido respeito as lideranças municipais. A reeleição do governador não pode ser uma IMPOSIÇÃO, como está ocorrendo. Taques, infelizmente não é a melhor opçäo e deveríamos discutir outro nome dentro de nossos quadros e, ainda a possibilidade de apoiar Mauro Mendes.

  • Davi
    17 Fev 2017 às 14:28

    O diretório estadual não trata com o devido respeito as lideranças municipais. A reeleição do governador não pode ser uma IMPOSIÇÃO, como está ocorrendo. Taques, infelizmente não é a melhor opçäo e deveríamos discutir outro nome dentro de nossos quadros e, ainda a possibilidade de apoiar Mauro Mendes.

  • alexandre
    17 Fev 2017 às 14:07

    Enxotado para 2018, seria o certo dizer.. ?

  • Alceu
    17 Fev 2017 às 14:04

    Vão perder como perderão a Prefeitura com derrota acachapante. Não resta a menor dúvida.

Sitevip Internet