Olhar Direto

Quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Notícias / Política MT

Deputados retiram assinatura e presidente da AL arquiva CPI da Previdência

Da Redação - Jardel P. Arruda

17 Mar 2017 - 18:19

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Deputados retiram assinatura e presidente da AL arquiva CPI da Previdência
O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), arquivou o requerimento de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o rombo da previdência estadual, após parlamentares governistas retirarem assinatura. O requerimento havia sido protocolizado pela deputada Janaína Riva (PMDB), principal oposicionista, que acusa o Governo de interferência no Poder Legislativo.

Leia mais:
Botelho afirma que maior desafio em reforma da previdência é encontrar ponto de equilíbrio

Entre os parlamentares que retiraram a assinatura está o próprio presidente Eduardo Botelho, o primeiro secretário Guilherme Maluf (PSDB), além dos deputados Adalto de Freitas (SD), José Domingos Fraga (PSD), Oscar Bezerra (PSB) e Adriano Silva (PSB), todos da base governista.

Com isso, sobraram apenas as assinaturas dos oposicionistas Allan Kardec (PT), Valdir Barranco (PT) e Zeca Viana (PDT), além da rubrica da própria Janaína Riva. Dessa forma, sem os oitos nomes necessários, a CPI da Previdência não vai acontecer.

A ideia da CPI partiu dos servidores estaduais, que desejam entender os motivos do rombo na previdência. Em Mato Grosso, a previdência dos servidores do Poder Executivo funciona com um déficit financeiro mensal de R$ 69 milhões - quase R$ 700 milhões ao ano. O governo Pedro Taques estuda o aumenta da alíquota de 11% para 14%, mas deve aguardar a discussão em nível nacional do pacote de recuperação fiscal, do qual uma das contrapartidas é exatamente o pedido de aumento da alíquota.

A principal dúvida dos parlamentares de oposição é quanto aos ativos do MT Prev, já que mais de 80% do patrimônio imóveis do Estado - fazendas, terrenos e casas. Na época da criação do MT Prev, em 2013, a equipe econômica do então governador Silval Barbosa (PMDB) incluiu mais de 450  imóveis como parte do patrimônio do novo órgão.

No entanto, auditoria da Controladoria Geral do Estado (CGE), em 2015, no Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat) e outros órgãos, no início do governo Pedro Taques, revelou que centenas de áreas não mais pertencem ao poder público. Muitas foram requeridas por terceiros e há até casos de terras destinadas a assentamento de trabalhadores rurais.
 
A assessoria do deputado Botelho foi procurada, mas ainda não se manifestou sobre a situação. 

14 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gramulhao
    18 Mar 2017 às 11:48

    Quanto que CPI nessa casa seu em alguma coisa, a realidade que esses deputados querem aparecer e fazer uma oposição demagógica, quem pediu a CPI todos sabem a origem de sua família e quem é seu pai, o outro e um grande plantador de soja milionário que por birra não por não ser presidente da assembleia passou ser oposição e outro dois são do partido que afundou o Brasil em corrupção chamado de PTRALHAS.

  • por justiça
    18 Mar 2017 às 11:00

    agora a federal tem que por a mão nesses gafanhotos estão so pensando neles mesmos vamos agir MPF ou PF....

  • Davi
    18 Mar 2017 às 09:53

    O governador disse que não tinha medo da CPI e depois deu ordem a seus SUBORDINADOS da assembleia para retirarem as assinaturas da proposta de CPI. Espero que o MPE e o MPF investigue.

  • Paulo Santalucia
    18 Mar 2017 às 06:45

    Mais uma chance de passar o Estado a limpo jogada no ralo! É muito De(interesse por trás de tudo isso! Temos de acabar com as regalias de deputados, senadores e vereadores!

  • Joaquim
    18 Mar 2017 às 06:43

    Com isso, sobraram apenas as assinaturas dos oposicionistas Allan Kardec (PT), Valdir Barranco (PT) e Zeca Viana (PDT), além da rubrica da própria Janaína Riva. Dessa forma, sem os oitos nomes necessários, a CPI da Previdência não vai acontecer. Nada impede os nobres deputados oposicionistas de fazer investigação. A final, se fiscalizassem mesmo nao aconteceria tanta roubalheira. A final de contas, eles estam lá para isso, independente de cpi. Pena que oposições neste pais gostam mesmo e de atrapalhar pra lucrar politicamente. Interesse público mesmo, nada!

  • SERGIO ALVES
    18 Mar 2017 às 06:40

    cade meu comentariooooooo

  • Jader
    17 Mar 2017 às 23:59

    Sem CPI sem investigação, rombo continua, com aliquoto a 14% rombo será maior. Duvidam?

  • Bell
    17 Mar 2017 às 21:59

    Por que não irão mais fazer a CPI? Nojo dessa corja!

  • Davi
    17 Mar 2017 às 21:43

    O governador disse que não tinha medo da CPI e depois deu ordem a seus SUBORDINADOS da assembleia para retirarem as assinaturas da proposta de CPI. Espero que o MPE e o MPF investigue.

  • justiça seja feita
    17 Mar 2017 às 20:38

    Tudo tem o rabo preso... Se mexer acha o rombo e quem foi o responsável... e ele ainda está ativo

Sitevip Internet