Olhar Direto

Segunda-feira, 27 de março de 2017

Notícias / Política MT

Vereador é investigado por violência contra ex e atual esposa; ele diz que fez acordo

Da Redação - Ronaldo Pacheco

20 Mar 2017 - 07:36

Foto: Divulgação

Vereador Fábio Ribeiro Teixeira, do PSB na Câmara de Santo Antônio de Leverger

Vereador Fábio Ribeiro Teixeira, do PSB na Câmara de Santo Antônio de Leverger

O vereador Fábio Ribeiro Teixeira, do PSB de Santo Antônio de  Leverger, está sendo investigado em dois processos por crime de violência doméstica contra a ex-esposa Alaene  Aparecida Vieira e a atual Rafaela Lima Ribeiro, com quem ainda vive maritalmente. Enquadrado na Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), se condenado, pode pegar até oito anos de detenção, na soma das penas.
 
O parlamentar não negou para a reportagem do Olhar Direto que seja investigado e afirmou que trata-se de perseguição política.  “É um assunto encerrado. Eu já fiz acordo com elas”, afirmou Teixeira, ao observar que Rafaela Lima, com quem tem duas filhas,  mora  com ele.
 
Leia Mais:
- Falta investimento em políticas de combate à violência doméstica: “Estamos à deriva”, diz promotora

- Promotoria lança cartilha "Homens que agradam não agridem", em combate à violência contra a mulher


Todavia, a segunda Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, em Cuiabá, e a 16ª Promotoria de Justiça de Santo Antonio de Leverger, continuam a investigação e existe a expectativa de agilizar, para o caso ir a julgamento, o que depende da conclusão dos dois processos.
 
Fábio Ribeiro Teixeira é acusado agredir de a ex-esposa Alaene, do primeiro casamento, com quem dois filhos; e, também, a segunda – sua atual. Os ataques contra as duas mulheres, ocorreram em 2011 e 2016, respectivamente.
 
No primeiro processo, o de número 16727­76.2010 da 16ª Promotoria de Justiça Criminal da Capital, recebeu o primeiro despacho em 4 de abril de 2011, quando Fábio Ribeiro agrediu sua primeira esposa Alaene Vieira, em 2011.
 
Já o segundo processo 455­66.2013 refere-se às agressões contra Rafaela Lima Ribeiro, sua segunda esposa, ocorrido em Santo Antônio de Leverger, em 2016.  Ela continua morando com o agressor, na mesma residência, apesar de ter pedido medidas protetivas, com base na Lei da Maria da Penha. O processo segue tramitação normal, no Poder Judiciário de Mato Grosso.
 
As denúncias permanecem sob investigação, na segunda Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, na Comarca de Cuiabá.
 
Uma as princpais batalhas do Ministério Público de Maot Grosso, na execução da Lei Maria da Penha (11.340/2006), é garantir a punição do agressor e evitar a prescrição dos crimes, especialmente os que se referem a ameaça e lesão corporal, já que muitos ficam sem efeito devido à decorrência do prazo legal.
 
A promotora Lindinalva Rodrigues Dalla Costa explica a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), referentes aos casos de crimes de lesão leve. Antes, estes tipos de crimes eram considerados de ação penal pública, condicionada à representação da vítima.
 
Lindinalva Rodrigeus argumenta que, agora, o crime é incondicionado – o que significa dizer que a mulher, depois de levar a queixa à Delegacia de Polícia Civil, não pode mais retirá-la – é o caso da ex e atual esposa de Fábio Ribeiro. As delegacias remetem o inquérito para a Justiça e o Ministério Público oferece a denúncia, mesmo que a vítima queira desistir da representação.
 
Antes da decisão do STF, Lindinalva Rodrigues revela que um percentual de 90% das mulheres que denunciavam seus companheiros por lesão leve, geralmente voltavam atrás. O STF também declarou como constitucional a Lei Maria da Penha. Em 2011, a violência doméstica resultou na morte de seis mulheres em Cuiabá.
 
Outro lado
Fábio Teixeira assegurou que está sendo atacado por causa de sua postura combativa à administração municipal, no Poder Legislativo de Santo Antônio. “Eu não tenho nada de crime contra mim. Eu não tenho processo nenhum processo [no Poder Judiciário]. Entendo que isso é perseguição política”, argumentou ele, para  a reportagem do Olhar Direto, por telefone.
 
“A minha esposa Rafaela, hoje, reside comigo. Eu já fiz acordo [com a ex-esposa Alaene]. Tenho uma filha com ela. E eu com minha ex-esposa temos um relacionamento bem próximo e respeitoso, diante de que temos uma filha”, justificou Teixeira.
 
A sua atuação como vereador, em seu entendimento, estaria  incomodando, mas alerta que vai continuar combativo. “Eu não tenho rabo preso!  Não tenho medo de nada! Sou bacharel em direito.  Eu contribuo com Santo Antônio exercendo as minhas obrigações legais. Isso é pressão política”, resumiu, sobre a investigação pelo fato de ter agredido duas companheiras.

16 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo Boss
    21 Mar 2017 às 15:18

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Levergense
    21 Mar 2017 às 07:57

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Dorival
    21 Mar 2017 às 00:26

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Alfredo
    21 Mar 2017 às 00:10

    O que analisei desta infeliz material. A verdade dos fatos e que o menino virou a pessoa pública e deve está incomodando aqueles que querem, fazer a corrupção continua imperando desta daquele município, que a anos vem sofrendo com tudo isso.

  • Carlos
    20 Mar 2017 às 21:03

    Que coisa hein coitada delas. Esse vereador tem quase dois metros de altura e 100 Kg de peso e a mulher baixinha magra.

  • Laila Assad
    20 Mar 2017 às 20:13

    Para o Guto... Quando o cidadão foi eleito, já havia os processos, olhe as datas... A falha, então, foi da justiça...

  • Selma Lemes
    20 Mar 2017 às 20:08

    Vamos aos fatos: Independente do cargo que ocupa, cometeu um crime, tem que ser punido... O vereador reincidiu no delito, portanto, sua índole gera suspeita... Usa de mentira, porque não é bacharel coisa nenhuma, mal terminou o ensino fundamental... Só foi eleito porque teve apoio de um ex vereador, que também está enrolado até o pescoço na justiça... Estamos vendo todos os dias violência contra mulher, sendo assim, não há como ficar impune..

  • Maria
    20 Mar 2017 às 19:04

    Isso é caso corriqueiro de violência contra a mulher, a agredida acaba perdoando o agressor por ser pai de seus filhos e manter financeiramente o lar. Mas a justiça não perdoa...

  • Carlos
    20 Mar 2017 às 17:30

    Não vi nada de sujo nessa postagem...processo no TJ é fato. Ele que deveria se explicar para as mulheres.

  • Juca
    20 Mar 2017 às 15:38

    Quando os governantes se vêem acuado eles jogam sujo e lançam várias coisas pra tentar desviar a atenção da sociedade. Não se acomode vereador pq são poucos q contestam o prefeito e a maioria só são fantoches e sem serventia para o município q só pensam em abocanhar as fatias do bolo, por essas acomodações q os vereadores daki exercem é que está esse caus. Vereador vamos combater esses ninjas da política de Santo Antonio que o prefeito não tem autonomia pra mandar e existir uns Padilha q vem pra cá só pra tirar proveito para os seus bolsos.

Sitevip Internet