Olhar Direto

Terça-feira, 25 de julho de 2017

Notícias / Política MT

Oposição articula ‘trabalho de formiguinha’ para buscar musculatura para 2018

Da Redação - Ronaldo Pacheco

13 Abr 2017 - 14:26

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Oposição articula ‘trabalho de formiguinha’ para buscar musculatura para 2018
Diferentemente da estratégia pensada, em princípio e anunciada em fevereiro deste ano, onde os principais líderes supostamente arrastariam os liderados, a oposição vai inverter o formato: vai percorrer os municípios tentando inflamar a militância e chegar em 2018, em condições de brigar pelo governo de Mato Grosso e pelo menos uma das duas vagas para o Senado da República.
 
Mesmo evitando dar detalhes sobre a mudança de postura, o presidente regional do PMDB, deputado federal Carlos Bezerra, confirmou que a ideia é fazer com que a militância participe, nos municípios. “Os partidos vão conversar internamente para decidir a melhor forma de agir. O PMDB apresentou isso aos aliados e fomos melhor compreendidos”, avaliou Bezerra, para a reportagem do Olhar Direto.
 
Leia Mais:
- Partido de Maggi adere à oposição e discute candidatura para enfrentar Taques em 2018

- Bezerra anuncia rearticulação da oposição para discutir 2018 e expectativa é repetir aliança de Cuiabá


Pela postura, o grupo oposicionista desistiu de tentar sensibilizar o ministro da Agricultura, senador mato-grossense Blairo Maggi (PP), a somar forças, em 2018. “Vamos trabalhar com quem deseja estar conosco. Ninguém é forçado a somar com quem deseja o melhor para Mato Grosso”, ponderou ele, numa clara alfinetada naqueles que estão em dúvida.
 
A tendência é de que Maggi dispute a reeleição ao Senado na chapa encabeçada pelo governador José Pedro Taques (PSDB), que depois do pleito de outubro de 2016 passou a ter seu nome defendido pela base governista. E é justamente por saber que o governador, na disputa pela reeleição, já saí à frente da concorrência é que a oposição vai tentar mexer com os brios da militância, nas cidades.
 
O principal pré-candidato a governo de Mato Grosso pela oposição é o senador Wellington Fagundes, presidente regional do PR, trata a questão com cautela. O segundo nome ainda é uma incógnita: o conselheiro Antônio Joaquim Neto, atual presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que deve se aposentar em janeiro de 2017. Todavia, ao menos em público, Antônio Joaquim sequer admite comentar o tema e sempre alerta que é julgador e não pode emitir opinião.
 
Wellington Fagundes preferiu não fazer declarações polêmicas e dá sinais de que aguarda Maggi, principalmente porque o senador José Aparecido Cidinho Santos (PR), que é o primeiro suplente de Maggi, permanece na agremiação.
 
“Vocês podem fazer a própria avaliação: o senador Cidinho continua conosco, aqui no PR. E duvido que tenha permanecido no PR sem discutir isso exaustivamente com o ministro [Blairo] Maggi, com quem possui longa militância”, disparou Fagundes, deixando no ar a expectativa de contar com Maggi, em seu palanque.
 
Carlos Bezerra e Fagundes trabalham com a projeção de que o PMDB possui diretórios em 141 municípios. O PTB também possui uma estrutura considerável, nas maiores cidades, mas o presidente da Executiva Regional, ex-prefeito Chico Galindo, não demonstra disposição de iniciar a caminhada, neste momento. É com esse espectro que as oposições pensam em construir o palanque para 2018.
 
 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Luiz Otavio
    14 Abr 2017 às 01:10

    Bezerra um exemplo de politico honesto ,deveriamos ter mais como ele

  • Marcos
    13 Abr 2017 às 23:10

    Eu não defendo nenhum partido político. Mas como disse o Marcelo Odebrecht o político que disser que não fez caixa 2 está mentindo. E por não defender nenhum político, o Marcelo tem razão vamos substituir todos eles nas próximas eleições. Já tem políticos propondo voto facultativo, pois com isso facilita ainda mais a vida daquele político que compra votos e apoio, serão necessários menos votos para eles se elegerem e reelegerem. Por isso eu nunca anulo meu voto, mas voto substituindo. Também os políticos já estão pensando em fazer uma reforma em que o eleitor vota no partido, e o partido coloca quem ele bem entender para ser eleito, pois muitos líderes como Carlos Bezerra, Renam Calheiros, Romero Jucá e outros do PT, PSDB, PR, etc. estão eleição após eleição sofrendo desgastes. Como se vê esperar reformas para melhorias para o povo nunca existirá, é ilusão e ingenuidade de eleitores, mas reformas para eles permanecerem no poder com certeza eles irão propor. Olho vivo eleitores, precisamos sim substituir todos e cobrarmos reformas dos três poderes, como corte de despesas e privilégios de juizes, como auxílio bolsa universitária da ordem de 10 mil reais para os filhos deles, acabar com a gorda aposentadoria dos políticos, e muitos outros privilégios em todas as estâncias do poder,

  • Zumbi do espaço
    13 Abr 2017 às 17:30

    Um político pior que o outro por aqui, tem um na foto aí que eu acho que é Mum-HA. temos que fazer um limpa nesses políticos, sabendo votar, chega dessa velha guarda.

  • Marcelo
    13 Abr 2017 às 17:11

    Wellington Fagundes não é dono de um grupo de empresas e veículos de comunicação na Região de Barra dos Garças? O Brasil só irá pra frente o dia que substituir todos os Senadores, Vereadores, Deputados Federais e Estaduais. Há mais de 30 anos esses dois ai passaram da hora do povo dar um basta, eu jamais votarei nessa neles pra nada.

  • por justiça
    13 Abr 2017 às 16:18

    elimina de vez os corruptos pra ficar limpo todo manejo da politica seria...

  • Justo
    13 Abr 2017 às 15:56

    Odebrecht e quem sabe????

Sitevip Internet