Olhar Direto

Quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Notícias / Política MT

Antônio Joaquim defende transparência para que qualquer cidadão possa pleitear ser conselheiro

Da Reportagem Local - Ronaldo Pacheco

19 Abr 2017 - 17:01

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Antônio Joaquim reconhece que, no passado, governadores cometeram erros em indicações

Antônio Joaquim reconhece que, no passado, governadores cometeram erros em indicações

A definição de um ritual transparente, a garantia de qualquer cidadão possa se inscrever e a ampliação da participação da  sociedade estão entre as principais sugestões da campanha ‘Conselheiro Cidadão’, lançada pela Associação dos Auditores Públicos Externos (Audipe), como apoio do Tribunal de Contas do Estado (TCE), nesta quarta-feira (19), na Escola Conselheiro Oscar Ribeiro.
 
“De certa forma, a escolha [de conselheiro] é um processo semelhante à indicação para o STF. Não há ilegitimidade. Pode-se ampliar as representações de carreiras. Hoje temos apenas duas, das sete vagas [uma para conselheiro substituto e outra para o Ministério Público de Contas]. Podemos ampliar para três vagas. Isso é possível e pode diminuir o desgaste de que as indicações dos tribunais são políticas. Elas não são políticas pura e simplesmente; têm um processo legal definido na Constituição”, afirmou Antônio Joaquim, durante a entrevista coletiva.
 
Leia Mais:
- Tribunal de Contas entra na discussão sobre escolha de conselheiro e sugere até concurso público em MT

- Antônio Joaquim diz que MP deve exigir cumprimento de TAC do duodécimo com mesmo vigor que pressiona prefeituras do interior

Todavia, as mudanças se devem para evitar que, no futuro, se repitam os erros do passado. “Os governadores do Brasil inteiro cometeram muitos erros, nas indicações no passado. Indicaram pessoas que não tinham talento nem vocação para serem juízes de contas. Agora, nos últimos 10 anos melhorou muito e, nos últimos cinco anos, melhorou muito mais”, avaliou Antônio Joaquim, que já foi presidente da Associação dos Tribunais de Contas (Atricon).
 
A presidente da Audipe,  auditora Simony Jin, explica que o  movimento deseja mobilizar a sociedade civil organizada para exigir transparência no processo de escolha e nomeação dos candidatos ao cargo de conselheiro dos Tribunais de Contas Estaduais, do Distrito Federal e União (TCU).
 
“Estaremos dando transparência quanto à escolha de conselheiros, explicando as regras da Constituição Federal e solicitando que a Assembleia Legislativa aprove uma resolução que adote um rito necessário para a escolha de uma pessoa para a vaga de conselheiro”, justificou Simony Jin.
 
Antônio Joaquim entende ser possível avançar muito mais, mesmo que ao haja mudanças na Constituição. “Se a Assembleia cumprir sua parte, criando a resolução conforme a Constituição Federal, vamos chegar à transparência deste processo. O TCE apoia de forma determinada, porque acredita que trata-se de um debate legítimo”, pontou o presidente do TCE.
 
Assegurando que não se tratava de provocação, ele reiterou que não vai dar posse a pessoas que não tenham os requisitos constitucionais exigidos para assumir as vagas, como conselheiro do TCE. “Não tenho nenhum dogma sobre indicação. Não acho que indicações dos poderes sejam menos legítimas de que alguém concursado. Não isente a possibilidade de má conduta”, complementou Antônio Joaquim.
 
O movimento Conselheiro Cidadão continua nas redes sociais, na internet e, em pouco tempo, deve dar início às reuniões descentralizadas.
  

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    20 Abr 2017 às 12:16

    Concurso público para Auditores e possível dispensa se não for eficiente senão cumprir suas obrigações jornadas etc... para todos funcionários públicos assim como na iniciativa provada, quem não cumpre as obrigações é dispensado.

  • Pera
    20 Abr 2017 às 00:15

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • EcAnalista
    19 Abr 2017 às 23:06

    Esse presidente foi indicado como? Ele não está envolvido em grilhagem de terra ou turvação a terra alheia? O que ele quer falar? Meu Deus!!!

  • pablo
    19 Abr 2017 às 20:31

    seria ótimo ser através de concurso publico ou só servidores to tribunal de contas,acho palhaçada a assembleia indicar conselheiro

  • bendito costa
    19 Abr 2017 às 17:30

    concordo que todos podem estar apto para ocupar uma vaga, desde que preencha os requisitos necessários. Porém a coisa não pode extrapolar em querer um Lula, um Tiririca ou coisa parecida.

Sitevip Internet