Olhar Direto

Terça-feira, 27 de junho de 2017

Notícias / Política MT

Em meio a crise na saúde, Governo estuda retomar modelo de OSS

Da Redação - Jardel P. Arruda/ Da Reportagem Local - Erika Oliveira

12 Jun 2017 - 11:48

Foto: Reprodução

Em meio a crise na saúde, Governo estuda retomar modelo de OSS
O secretário-chefe da Casa Civil, José Adolpho, confirmou que o Governo estuda implantar, novamente, um modelo de saúde pública no Estado baseado em Organizações Sociais de Saúde (OSS). De acordo com ele, o secretário de Estado de Saúde, Luiz Soares, é o responsável por essa discussão interna.

Leia mais:
- Senador afirma que não adianta criar taxa para saúde se Taques não reduzir a máquina
- Emanuel aceita uso de dinheiro do PS na crise da saúde, mas quer parte da dívida do Estado com Cuiabá quitada

“Isso está sendo tocado pelo secretário Luiz Soares. Tenho certeza que é uma das pessoas que mais entende de saúde pública no Estado. Vai ser conduzido por ele com calma, com transparência, sem açodamento, dentro de situações mais críticas”, explicou José Adolpho, na manhã de segunda-feira (12).

O modelo de saúde através OSS já foi implantado em Mato Grosso durante a gestão Silval Barbosa (PMDB), sob a batuta do então secretário de Estado de Saúde, Pedro Henry (então PP, agora sem partido). Atualmente, Silval está preso desde setembro de 2015 sob várias acusações de corrupção, enquanto Pedro Henry recebeu perdão judicial após ser condenado no escândalo do Mensalão.

As OSS, em si, tiveram problemas em Mato Grosso na maioria das unidades de saúde onde foram implantadas. Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa, comandada por Leonardo Albuquerque (PSD), detectou indícios de irregularidades nas gestões nas sete unidades investigadas e ausência de fiscalização.

Entretanto, o secretário-chefe José Adolho afirmou que o problema não está no modelo, mas sim nas OSS escolhidas para atuar em Mato Grosso. “Tem OSS e OSS. Pode ter acontecido alguns erros, mas temos algumas OS muito bem sucedidas Brasil a fora. Temos case de sucesso em Goiás, na Bahia. A OSS de Cáceres funciona muito bem”, ponderou.

Busca de dinheiro

Em viagem a Brasília, José Adolpho e o governador Pedro Taques (PSDB) vão se reunir com a bancada federal de Mato Grosso para tentar sacramentar o uso de R$ 80   emenda conjunto de 2016 para quitar parte da dívida pública estadual na saúde. Essa verba deveria ser destinada para compra de equipamentos ao novo Pronto-Socorro de Cuiabá.

 “Isso ainda está em entendimento. Existem algumas resistências, mas acredito que com alguma conversa chegaremos em entendimento. Vamos trazer esse dinheiro novo, R$ 82 milhões para saúde”, explicou José Adolpho. 

9 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • José Alves
    13 Jun 2017 às 14:32

    Senhor Governador, Pedro Taques Acredito eu que ainda esteja na memória dos que votaram V.Exa.,o quanto de promessas foram feitas, em relação a Saúde, Educação e Segurança. Pois bem, A saúde esta uma calamidade, não só em Cuiabá mas em todo as regiões do Estado. Educação, sem comentário, todos estão vendo. Na Segurança, não basta distribuir viaturas Para PM e PJC. Tem que dar infra-estrutura para os Policias, delegacias e Unidades da PM espalhadas pelo interior. Nem vou mencionar a RGA. Afinal onde o Senhor Governador abandonou a competência ? Pois na época de sua campanha seria possível transformar tudo.

  • Sampaio
    13 Jun 2017 às 13:15

    Ai Governador aproveita que o Pedro Henry já tá solto e poe ele de secretario de saúde ..... com certeza vc vai ser mas um ex governador na cadeia.... Você ta cada dia mas provando que é incompetente.....

  • Nhonho de leverger
    13 Jun 2017 às 11:52

    Deveria pedir pro silval ser o secretário de saúde é o Pedro Henry o adjunto, assim a trupe estaria formada junto com Pedrinho só promessas.

  • marta
    13 Jun 2017 às 10:53

    Não me surpreende mais. Pra quem quer terceirizar a educação......e os esquemas continuam, só mudou o governo.

  • joaquim
    12 Jun 2017 às 18:08

    Senhor Governador não faça essa besteira, tirar as OSS foi sua promessa de campanha e de muitos deputados, em especial ao Dr.Leonardo, sabemos que tem OSS e OSS, Cáceres realmente foi um sucesso, mas as Irmãs não querem mais, enquanto isso o hospital esta jogado as traças, não cometam essa besteira, os deputados da região precisam ser ouvidos, as pessoas precisam ser ouvidas. Chega de OSS!!!!

  • Cícero
    12 Jun 2017 às 17:32

    Esse mesmo governo também queria implantar a terceirização das escolas, projeto elaborado pela Odebrecht e implantado em MG do Aécio, onde consistia em transferir para as empreiteiras a construção e manutenção de prédios públicos. O Estado só entraria com o recurso financeiro. Sabemos qual era a verdadeira intenção depois da operação Lava Jato.

  • Servidor da SES
    12 Jun 2017 às 14:43

    Chama o Pedro Henry para administrar a saúde de Mato Grosso já que o desgoverno de Mato Grosso vai entrar nessa barca, ou melhor, quando essas OSS saíram da administração dos hospitais regionais, vão lá em Cáceres e em Rondonópolis e vejam quem administra tais instituições.

  • Servidor Público
    12 Jun 2017 às 13:38

    Pra quem queria ser presidente e falava que todo mundo era ladrão... olha a merda.

  • wagner
    12 Jun 2017 às 12:22

    Ele está certo quando diz que "Existe OSS e OSS". Isso deixa claro que: Existe Governo e Governo.

Sitevip Internet