Olhar Direto

Domingo, 24 de setembro de 2017

Notícias / Política MT

Em tratamento de saúde, delegado protocola na Justiça pedido para deixar investigações do 'caso dos grampos'

Da Redação - Patrícia Neves

15 Jul 2017 - 08:18

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Em tratamento de saúde, delegado protocola na Justiça pedido para deixar investigações do 'caso dos grampos'
O  delegado da Polícia Civil Flávio Stringueta deixou as investigações quanto ao esquema de escutas ilegais que era operacionalizado em Mato Grosso e que já resultou na prisão de seis militares. O anúncio foi feito na noite de sexta-feira, 14, depois que o pedido foi protocolizado perante à Justiça Estadual. Ele havia sido nomeado delegad especial para cuidar do caso por determinação do desembargador do Tribunal de Justiça, Orlando Perri. 

Leia Mais:
Desembargador concede HC a oficial da PM acusado de atuar em 'grampos'

Flávio, em postagem em rede social, garantiu que sua decisão deve-se a sérios problemas de saúde. Ele chegou a encaminhar por meio de grupos de aplicativos celulares cópia de exames  e do atestado que lhe garante afastamento para tratamento. 

"Estou sendo obrigado a expor minha vida particular para que não especulem sobre meu afastamento das investigações dos grampos. Estou deixando as investigações por absoluta falta de condições físicas. Estou com uma doença auto-imune, incurável e crônica, que, para o seu controle, necessita de um ambiente tranquilo, sem picos de estresse", declarou. A mensagem foi rapidamente espalhada.

Ele ainda garantiu que sua decisão deve-se a uma solicitação médica. Ele está em tratamento contra a doença  de Crohn, que afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon), mas pode afetar qualquer parte do trato gastrointestinal. 

O policial ainda garantiu que sentiu a necessidade de expor a  sua vida privada no intento de evitar especulações sobre os motivos para o afastamento das investigações.

Grampos 

Reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, revelou na noite do dia 14 de maio, que a Polícia Militar em Mato Grosso “grampeou” de maneira irregular uma lista de pessoas que não eram investigadas por crime nenhum no Estado. A matéria destaca como vítimas a deputada estadual Janaína Riva (PMDB), o advogado José do Patrocínio e o jornalista José Marcondes, conhecido como Muvuca. Eles são apenas alguns dos “monitorados”, dentre medicos, empresários, funcionários públicos etc.

Os grampos foram conseguidos na modalidade “barriga de aluguel”, quando investigadores solicitam à Justiça acesso aos telefonemas de determinadas pessoas envolvidas em crimes e no meio dos nomes inserem contatos de não investigados. Neste caso específico, as vítimas foram inseridas em uma apuração sobre tráfico de drogas.
 
Sitevip Internet