Olhar Direto

Segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Notícias / Política MT

Presidente da Câmara diz que suspensão de repasse põe em risco mais de 400 empregos

Da Redação - Érika Oliveira

12 Set 2017 - 09:20

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Presidente da Câmara diz que suspensão de repasse põe em risco mais de 400 empregos
O presidente da Câmara de Vereadores de Cuiabá, Justino Malheiros (PV), sustenta que a suspensão do decreto para repasse de R$ 6,7 milhões, determinada pela Justiça, poderá acarretar na demissão de mais de 400 funcionários comissionados do Legislativo. O dinheiro, segundo Malheiros, seria destinado em sua maioria para custear a folha salarial da Casa.

Leia mais:
Câmara diz que repasse de R$ 6,7 mi corrige equivoco da gestão passada e não tem relação com CPI

“Desde o começo do ano nós identificamos esse déficit, de cerca de R$ 3 milhões, foi quando iniciamos as tratativas com o prefeito. Na época ele [Emanuel] me disse que ainda estava tomando pé da situação, tinha aquela história dos filantrópicos, enfim, o repasse não ia poder ser feito naquele momento”, explicou Justino Malheiros.

“Acontece que o decreto saiu agora, coincidentemente, e algumas pessoas, não sei se por interesses políticos ou porque realmente não entenderam a situação, vincularam a suplementação à CPI. Mas uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra e nós vamos esclarecer isso aos órgãos competentes”, completou o presidente, que disse que aguarda uma reunião com o Ministério Público de Contas para que a documentação exigida pela Justiça seja apresentada.

O decreto que estabelecia o repasse à Câmara foi publicado no Diário de Contas no dia 31 de agosto, dias depois da rejeição ao requerimento de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o prefeito, flagrado em filmagens colocando maços de dinheiro nos bolsos do paletó. As imagens constam da delação de Silval Barbosa, que denunciou um suposto pagamento de “mensalinho” para manter a governabilidade.

A nulidade do decreto veio na semana seguinte, quando o Luís Aparecido Bertolucci Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Popular, anulou o decreto, acatando integralmente a ação movida por Valfran Miguel dos Anjos.

“Após a negativa da instauração da CPI, o prefeito realizou suplementação orçamentária à Câmara Municipal no montante de R$6.725.075,95 por meio do Decreto nº 6.343, de 30.08.2017, o que teria se concretizado por ocasião de suposta compra de apoio político”, diz trecho da ação.

De acordo com Malheiros, atualmente, a Câmara gasta cerca de R$ 2,5 milhões de seu orçamento mensalmente para honrar o salário dos servidores. Do crédito suplementado, R$ 4,9 milhões seriam destinados exclusivamente à folha salarial. 

27 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Matias
    14 Set 2017 às 12:56

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Juca da Fanta
    12 Set 2017 às 23:37

    Mas que maravilha senhor "presidento", ainda bem que o senhor explicou o por quê do $$ extra! Agora sim que essa grana num deve ser repassada. 400 comissionados ou 400 cabos eleitorais? Pra que essa Câmara precisa dessa quantia de gente? Tá de brincation! Exoneração já!

  • Aristeu
    12 Set 2017 às 16:04

    Senão não consegue manter com o orçamento previsto, faça como a iniciativa privada, faça cortes em funcionários, cafezinho, lanchinho, benefícios, etc, no dia que os órgãos públicos trabalharem como privado esss país anda pra frente..

  • Carlos Nunes
    12 Set 2017 às 15:33

    Traduzindo em miúdos pra gente entender, senão a gente não entende bulhufas...400 cabos eleitorais de vereadores no olho da rua. Isso é bom ou ruim pra Cuiabá? Pros vereadores é ruim a beça. Os vereadores passam, e Cuiabá, que é muito mais importante, fica.

  • jose
    12 Set 2017 às 13:42

    400 inúteis sem compromissos com a Cidade, incompetentes, nao servem pa te a a iniciativa privada, não tem capacidade para passar em concursos, entram pelos fundos. Muitos não tem nem o primeiro grau.

  • Mauro
    12 Set 2017 às 13:00

    E alguém vai sentir falta desses 400????

  • Gilberto Boesing
    12 Set 2017 às 11:53

    400 funcionários? toma vergonha na cara, cambuia de safados...

  • Alencar
    12 Set 2017 às 11:43

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • sergio
    12 Set 2017 às 11:36

    Corrigindo Jose Ricardo, não são 400 funcionarios São 400 comissionados que estão la por uma canetada, sem concurso e sem obrigação após este mandato, pois tem que ter nova canetada.

  • Marcelo
    12 Set 2017 às 11:33

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet