Olhar Direto

Sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Notícias / Política MT

Com PEC do Teto, nomeações de servidores ficarão condicionadas a cortes de gastos

Da Redação - Lucas Bólico

12 Set 2017 - 08:32

Com PEC do Teto, nomeações de servidores ficarão condicionadas  a cortes de gastos
O secretário de Fazenda de Mato Grosso, Gustavo Oliveira, explicou que assim que aprovada, a PEC do Teto de Gastos irá permitir a reposição dos quadros de funcionários públicos, o que não aumenta as despesas, mas as nomeações para novos cargos ficarão condicionadas a cortes de gastos.

Leia também:
Reforma Tributária depende da PEC do Teto e renegociação de dívida internacional
 
“Para uma [despesa] crescer, outras terão de ser reduzidas”, resumiu. A explicação foi feita durante entrevista à Rádio Capital, na manhã desta terça-feira. O projeto estipula como base para os gastos públicos os números de 2016. A PEC permitirá que o estado “economize” nos próximos dois anos cerca de R$ 1 bilhão, com a suspenseo do pagamento de dívidas.
 
Para Gustavo, a PEC além de dar um fôlego para o Estado, a PEC ainda obrigará que os gestores da máquina pública criem mecanismos para aumentar a produtividade sem aumentar os gastos. 
 
“Você vai ter um orçamento fixo e determinado, os secretários de estado vão saber que 2018 e 2019 vão ser iguais, vão ter que aumentar a efciência. A grande agenda é saber como melhorar a eficiência do gasto público”, completou. 

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Davi
    12 Set 2017 às 17:29

    Temos que economizar mais, bem mais, como visto nos vídeos gravados pelo ex-governador é necessário valores altíssimos para os nossos nobres e produtivos deputados estaduais (aliás a maioria estão nessa legislatura). Além disso, tem o agronegócio, com a isenção fiscal de 4 bilhões que não pode ser de maneira alguma atingido, tributação somente para os mais pobres.

  • FELICIDADE ALMEIDA QUEIROZ
    12 Set 2017 às 17:11

    Concordo com você Nilza, mais podemos esperar que vamos pagar isso tudo mesmo consertar os desmandos as nossas custas e sabe lá daqui uns tempo vem novamente o tal politico sem escrúpulo e arrunína tudo de novo foi sempre assim.

  • Nilza
    12 Set 2017 às 13:07

    A REALIDADE É UMA SÓ SECRETÁRIO DE FAZENDA GUSTAVO OLIVEIRA A ROUBALHEIRA FOI MONSTRUOSA QUE NÃO SEI A LEGITIMIDADE PARA VOTAR ESSA PEC, MAIS MATO-GROSSO É UM ESTADO PUJANTE TEM DE REALIZAR A CONTENÇÃO DOS GASTOS PÚBLICOS PARA FAZEREM OS AJUSTES NECESSÁRIOS PARA RESOLVER O FLUXO DE CAIXA, MAIS NÃO VENHA PREJUDICAR OS APOSENTADOS E SERVIDORES DO EXECUTIVO COM CONGELAMENTOS DE SALÁRIOS E AUMENTO DA PREVIDÊNCIA EM 14% POR CAUSA DOS ROMBOS DOS GOVERNOS CORRUPTOS E AINDA MAIS AS LEIS DE CARREIRAS E A RGA NÃO TEM NADA A VER COM ATUAL CRISE NAS CONTAS DO ESTADO E SIM OS ESCÂNDALOS COMO DOS MAQUINÁRIOS DA COPA DO MUNDO E A MAIS RECENTE A DA SEDUC E TANTOS OUTROS ESCÂNDALOS.

Sitevip Internet