Olhar Direto

Terça-feira, 19 de setembro de 2017

Notícias / Cidades

Jornalista mato-grossense nos EUA relata tensão com chegada do furacão Irma: "mudou de rota várias vezes"

Da Redação - Vinicius Mendes/Wesley Santiago

12 Set 2017 - 10:38

Foto: Reprodução

Jornalista mato-grossense nos EUA relata tensão com chegada do furacão Irma:
A jornalista mato-grossense, Carla Rocha, estava nos Estados Unidos no momento em que o furacão Irma chegou ao país. Uma das cidades atingidas foi Miami e é de lá que ela voltaria para o Brasil nesta segunda-feira (11), mas com a chegada do furacão sua viagem teve que ser adiada. No momento, Carla ainda está na Flórida, na cidade de Orlando, aguardando a liberação dos aeroportos para poder voltar ao Brasil.

Leia mais:
Irmãs de MT perdem casa em ilha destruída por furacão e tentam deixar local de helicóptero

Carla foi passar suas férias na América do Norte com os amigos no início do mês. Eles chegaram na cidade de Miami, no litoral do estado da Flórida, e ficaram por lá quatro dias. De lá seguiram para Orlando, no mesmo Estado e pretendiam ficar de três a quatro dias antes de seguirem para Nova Iorque. Quando chegaram em Orlando, Carla e os amigos começaram a ouvir as notícias sobre o furacão.

“Antes de sairmos de Miami a previsão não era assim tão catastrófica, de que o furacão pudesse atingir a cidade. O que ouvimos é que talvez pudesse chegar chuva forte lá, este tipo de coisa, mas como iríamos para Orlando ficamos mais tranqüilos. O problema foi que quando chegamos em Orlando começou a notícia de que ele iria sim atingir Miami, aí começamos a ficar mais preocupados”.

O vôo de Carla para Nova Iorque sairia de Miami. Ela e os amigos alugaram um carro e partiram de Miami para Orlando. Eles retornariam para a cidade litorânea ainda de carro e de lá iriam para Nova Iorque. O retorno de Carla para o Brasil também seria por Miami.

Com a notícia da chegada do furacão, Carla e os amigos decidiram ficar por Orlando, e de lá tentarem voltar para o Brasil, mas os aeroportos da Flórida foram fechados.

“Nossa intenção era já não voltar mais pra Miami, porque mesmo que o vôo saísse de lá a gente já ia tentar com a companhias aéreas para voltar de Orlando para o Brasil. Estávamos decididos até a cancelar o vôo para Nova Iorque se a gente não conseguisse, já pensávamos em nem ir para lá e antecipar o retorno para o Brasil, mas aí a gente não conseguiu. O governador da Flórida fechou todos os aeroportos e eles já transferiram todos os vôos. Eu iria voltar no dia 11, agora só vou voltar no dia 14, isso se tudo correr bem, se nada acontecer nos aeroportos”, explicou a jornalista.

O furacão chegou à Flórida na madrugada de segunda-feira (11), ficando algumas horas no Estado. A orientação do governador da Flórida foi para que a cidade de Miami fosse evacuada. A jornalista contou que houve chuva e vento forte, mas não presenciou nada porque permaneceu em um lugar seguro.

“O furacão mudou de rota várias vezes. Ele desviou de Miami e estava vindo para Orlando, e aí a gente entrou um pouco em pânico. Nós estamos em um hotel seguro, com gerador de energia, mas ia acontecer muita destruição na cidade. Aí para nós a orientação é ficar em casa, comprar comida e água, não ficar andando pelas ruas, inclusive tem o toque de recolher a partir das 7h da noite, e quem sai vai preso. Tem que obedecer, pra rua ficar livre para os casos de emergência”, disse Carla.

A jornalista disse que também pensou em seguir para o norte, de carro, mas grandes filas de carro de formaram nas estradas da Flóridas. Ela contou que se surpreendeu com a forma como os americanos lidaram com a situação.

“Em momento algum deixaram a gente em pânico, todos sabem como lidar, como orientar, e eu achei isso muito bom. E em momento algum o preço da água aumento porque iria faltar, a gasolina também não aumentou mesmo com a possibilidade de faltar, ninguém quis se aproveitar de ninguém com este desastre, todas as pessoas se comportando muito bem, são muito solidários”, disse.

Depois de passar por Miami o furacão seguiu mais para a costa oeste do Estado, para a cidade de tampa. Diversas cidade do Caribe foram devastadas pela passagem do furacão Irma. Outro furacão ameaça chegar à costa norte-americana e a ilhas na América Central. O furacão José se fortaleceu na última sexta-feira (8), passando para a categoria 4 (a máxima é a 5), depois que seus ventos atingiram 240 km/h nas águas do Oceano Atlântico.

Furacão Irma
 
Irma, que chegou a ser um furacão de categoria 5, a mais alta da escala Saffir-Simpson, foi reduzido no domingo (10) à categoria 3, com ventos de 195 km/h, e às 18 horas (horário de Brasília) para a categoria 2.
 
O furacão Irma deixou outros 28 mortos nas ilhas do Caribe, com registros nas partes francesa e holandesa de Saint Martin, nas Ilhas Virgens americanas, nas Ilhas Virgens britânicas e no arquipélago de Anguilla, em Porto Rico e em Barbuda.
 
Em Saint Martin e Saint Bartolomeu, as equipes de emergência trabalham contra o tempo para ajudar os traumatizados habitantes antes da chegada de outro poderoso furacão, de categoria 4, José, que também deve atingir a região. Em Cuba, a destruição ao longo da costa norte central foi semelhante à sofrida por outras ilhas do Caribe durante a semana.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet