Olhar Direto

Domingo, 22 de outubro de 2017

Notícias / Política MT

Jayme Campos vai a Brasília pressionar Governo para que campus da UFMT em VG saia do papel

Da Reportagem Local - Lázaro Borges/ Da Redação - Érika Oliveira

09 Out 2017 - 08:04

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Jayme Campos vai a Brasília pressionar Governo para que campus da UFMT em VG saia do papel
O secretário de Assuntos Estratégicos de Várzea Grande, Jayme Campos (DEM), afirmou, na última quinta-feira (05), que irá até Brasília cobrar do Governo Federal os recursos que faltam – em torno de R$ 12 milhões – para a conclusão da obra do campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) no município. Localizada no bairro Chapéu do Sol, a construção do campus está praticamente concluída desde 2015, mas segue inativa por falta de acesso ao local.

Leia mais:
Com 3 mil vagas, Prefeitura de VG lançará edital de concurso em 15 dias e reajusta salários em até 20%

“Falta algo ainda em torno de R$ 12 milhões para concluir o sistema viário e também o estacionamento. Essa obra já está há alguns anos aguardando para ser concluída e daqui a pouco vai se deteriorar. Então nós iremos a Brasília solicitar a liberação deste recurso, bem como pedir ao governador Pedro Taques que determine ao secretário de infraestrutura a conclusão da ponte do Pari, que está com 70% da obra concluída”, afirmou o secretário, após reunião com a reitora da UFMT, Mirian Serra.

Em 2014, quando a Universidade ainda estava sob a administração de Maria Lúcia Cavalli Neder, a então reitora anunciou que as aulas do campus de Várzea Grande teriam início no próximo ano, mas que seriam realizadas no bloco de Direito da UFMT em Cuiabá.

Desde então, mais de 300 universitários dos cursos de cinco diferentes áreas da engenharia estudam em “salas emprestadas”. Os cursos oferecidos no campus de Várzea Grande são de engenharia de computação, de minas, de química, de transporte e de controle e automação.

“É uma obra muito importante para a nossa cidade, sobretudo porque oferta cinco novos cursos de engenharia, melhorando sobremaneira o atendimento do ensino público federal a toda a sociedade mato-grossense”, pontuou Jayme Campos.
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Pagadora de Impostos
    10 Out 2017 às 14:13

    A Segunda maior cidade do estado não tem faculdade pública ,rondonopolis tem, sinop tem, caceres tem, Várzea Grande não tem atraso total a população está desprestigiada em tudo segurança, educação, políclinicas não abrem final de semana , o P.S só atende casos graves ,então não tem atendimento

  • tito lampreia
    10 Out 2017 às 07:43

    Politica de expansão Universitária, foi uma das marcas dos Governos Ptista!!! Esse governo que hora ocupa o governo federal quer privatizar o ensino publico Universitário. Jaime é uma Fralde.

  • santos
    09 Out 2017 às 16:19

    "Súmula n.13 do STF– "A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo em comissão de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou função de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição."

  • Funaro
    09 Out 2017 às 13:33

    Não sabia que ele era o Prefeito da cidade.

Sitevip Internet