Olhar Direto

Domingo, 22 de outubro de 2017

Notícias / Política MT

Emanuel Pinheiro diz que vai à Justiça para garantir que hospitais filantrópicos retomem atendimentos

Da Redação - Érika Oliveira

11 Out 2017 - 17:16

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Emanuel Pinheiro diz que vai à Justiça para garantir que hospitais filantrópicos retomem atendimentos
O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB), afirmou nesta quarta-feira (11) que a Prefeitura, por meio da Procuradoria-Geral do Município, irá acionar a Diretoria dos Hospitais Filantrópicos para que os atendimentos de urgência e emergência não sejam afetados pela paralisação das entidades. E, ao contrário do que havia falado o diretor do Hospital Santa Helena, Marcelo Sandrin, o prefeito garantiu que os repasses, por parte do Executivo Municipal, estão sendo feitos regularmente.

Leia mais:
Após suspender internações, Santa Casa para com cirurgias eletivas

“Eu já orientei para que a Procuradoria-Geral entre na Justiça para exigir, por liminar, que os filantrópicos atendam urgência e emergência. Eles não têm o direito de paralisar urgência e emergência. A Prefeitura está em dia, repassamos uma emenda do deputado federal Valtenir Pereira de R$ 5 milhões, uma emenda de mais de R$ 4 milhões do Victório Galli. Entendemos a dificuldade dos filantrópicos, queremos ajudar e fomos parceiros desde os primeiros dias. Mas, sacrificar a população parando a urgência e emergência, isso nós não podemos aceitar”, disse o prefeito.

O valor pendente, segundo Sandrin, seria de mais de R$ 70 milhões. Nesta quarta-feira, o Governo do Estado repassou, de maneira voluntária, um aporte de R$ 2,5 milhões. Além deste valor, o Executivo deve destinar nos meses de outubro e novembro, mais duas parcelas de igual valor.

Esta semana, em entrevista a um programa de televisão, Marcelo Sandrin disse que, além dos atrasos por parte do Governo do Estado, haveria uma falta de pagamento por parte, também, da Prefeitura de Cuiabá.

A secretária de Saúde da Capital, Elizeth Araújo, rebatou a declaração do diretor do Santa Helena e disse que os recursos, de cerca de R$ 11 milhões, estão sendo pagos normalmente. Mas reconheceu, no entanto, que os aportes não são suficientes para atender a demanda dessas entidades.

“Houve uma interpretação equivocada, eu falei com o diretor [Marcelo Sandrin], então eu vou explicar. Todos os meses a Prefeitura repassa o recurso que vem do SUS, do teto que vem do Ministério, que é de R$ 14 milhões. Deste valor, R$ 11 milhões vão para os filantrópicos e o Pronto-Socorro fica com algo em torno de R$ 3 milhões. A Prefeitura também aporta R$ 680 mil, de recursos próprios, para incentivos. A questão é que, com esses recursos, eles não têm conseguido manter o atendimento ao SUS”, afirmou.

Elizeth revelou que tem mantido conversas constantes com os diretores dos hospitais, em busca de solução para o problema, mas adiantou que não há previsão de aumento no valor dos recursos.

“Nós estamos num processo de conversação, mas não há possibilidade de aumento porque o teto ministerial é esse e dificilmente a gente vai conseguir isso sem a ampliação de novos serviços”. 

10 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Vanilda
    12 Out 2017 às 19:46

    E as reformas estão a todo vapor na unidade!

  • Vanilda
    12 Out 2017 às 19:45

    Interessante os valores $$ que os hospitais filantrópicos recebem, minha pergunta é : pq só os funcionários da Santa Casa de misericórdia de Cuiabá sempre são os únicos que recebem salários após dia 20 de cada mês, pq os outros hospitais de igual recebimento do governo e prefeitura estão em dia com o pagamento dos seus funcionários?

  • Pedro
    12 Out 2017 às 07:35

    muito bem prefeito tem que olhar para quem precisa, para quem sai prejudicado , a população não pode ficar sem esse atendimento

  • Doris
    11 Out 2017 às 21:57

    muito bem prefeito, tem que exigir mesmo atender urgência emergencia, que absurdo , quem sofre sempre é a população. pelo menos esse prefeito esta melhorando a cidade.

  • Critico
    11 Out 2017 às 21:43

    Aquele dinheiro que vc é os demais deputados surrupiaram está faltando hj pra saúde.

  • certo
    11 Out 2017 às 21:39

    Tome vergonha na cara renuncie e desapareça! você enoja as pessoas de bem.

  • PELEGRINO
    11 Out 2017 às 21:17

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Espertao
    11 Out 2017 às 20:05

    É se o dr prefeito não tivesse participando da roubalheira em massa que ocorreu nesse estado, talvez hj teríamos uma saúde melhor em Cuiabá, e o ilustríssimo prefeito não precisaria ficar acionando a Justiça pq não investe em saúde e da calote nos hospitais.

  • Saul
    11 Out 2017 às 18:06

    Esta certo Prefeito , onde ja se viu não trabalhar urgência emergencia , como fica a população .... todos so pensam neles em greve .. o prefeito esta certo ele esta fazendo a parte dele e não pode levar a culpa por causa desse governo

  • Carlos Nunes
    11 Out 2017 às 17:37

    Pois é, todas as nossas "otoridades", Prefeito, Vereador, etc. tem planos de Saúde Particulares, e se ficarem doentes realmente pegam um avião e vão tratar com Especialista num Grande Centro. Traduzindo em miúdos pra gente entender, senão a gente não entende bulhufas...nenhum deles é cliente do SUS. Mandam pra Saúde uma porcaria de dinheiro e acham que isso é o máximo...não, é o mínimo. E olha que a Saúde é direito constitucional do cidadão brasileiro...imagine se não fosse. Então, todos os dias a tal da Constituição é jogada na lata do lixo, pois sempre a mesma ladainha...o cidadão morre ou por falta de atendimento, ou atendimento tardio, ou falta de vaga em UTI, ou falta de remédios. Porque Doença não espera dinheiro aparecer, se não tiver Verba o cidadão vai parar na cidade dos pés juntos, o popular Cemitério.

Sitevip Internet