Olhar Direto

Domingo, 19 de novembro de 2017

Notícias / Política MT

Em resposta a Janot e Raquel Dodge, Antônio Joaquim diz não temer perda de foro

Da Redação - Ronaldo Pacheco

11 Nov 2017 - 14:45

Foto: Rogério Florentino Pereira / Olhar Direto

Em resposta a Janot e Raquel Dodge, Antônio Joaquim diz não temer perda de foro
O conselheiro Antônio Joaquim Neto, presidente afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), lamentou ter sido alvo do que considera pré-julgamento da procurador geral da República, Raquel Dodge, e do procurador Rodrigo Janot, responsável por acatar a delação premiada do ex- governador Silval Barbosa (ex-PMDB), homologda pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e assegurou não ter medo de nada, no processo. Em diferentes eventos, janote e Dodge colocaram Antônio Joaquim e mais quatro conselheiros afastados do TCE como suspeitos de formação de quadrilha para surrupiar o erário.
 
Antônio Joaquim afiançou que está se aposentando, mesmo sabendo que irá perder o foro privilegiado – assegurado pela função, porque não tem medo. “Estou perdendo o foro preivilegiado. Sabe  Porquê? Eu não tenho medo. Não devo nada! Não tenho nada a ver com isso!”, observou ele, em visita à redação do Olhar Direto.

Leia Mais
- Antônio Joaquim diz que contribuição previdenciária está em dia e entra com mandado de segurança contra Taques

-  Defesa de Antônio Joaquim aguarda decisão do STF para breve; “não existe um fiapo de prova de nada”, dispara
 
“A lei é clara: somente a fala do delator não tem nenhum valor jurídico,  Se não tiver provas ou pelo menos indícios fortes. Me afastou sem nenhuma base jurídica, nenhuma materialidade. É uma violência que se cometeu contra mim. Uma violência jurídica”, avaliou Antônio Joaquim.
 
Afastado da presidênica do TCE, ele entende que o Ministério Público Federal e o Poder Judiciário têm a obrigação de lhe acusar ou absolver, em pouco tempo – ele é pré-candidato ao governo de Mato Grosso, em 2018. “Eu tenho certeza que tanto o Ministério Público quanto a Justiça têm o dever de, num prazo razoável, ou me acusar ou me absolver”, cobrou ele.
 
Mesmo diante da postura agressiva de Janot e Dodge, ele insistiu que não é réu e, sim, é vítima do que classifica como violência jurídica. “Eu sou vítima da maior violência jurídica que poderia sofrer... ter sido afastdo do Tribunal de Contas do Estado e da presidência deste Tribunal sem que haja  nenhuma materialidade e nenhum tipo de prova concreta. É uma violência! Não tem nada, a não ser a fala dele [Silval Barbosa], que  me cita em dois momentos”, reclamou o conselheiro afastado.
 
Antônio Joaquim argumentou que, na delação, Silval mentiu desde o valor da fazenda vendida para o grupo Trimec. Barbosa disse que foi vendida por R$ 10 milhões e declarada às autoridades fiscais por R$ 4 milhões. Antônio Joaquim lembrou que vendeu por R$ 6,7 milhões e declarou ao Imposto de Renda, o que o conselheiro afastado trata como mentira capaz de levá-lo de volta à prisão.
 
“Repito: não tem nenhuma materialidade. Ele diz que a fazenda foi vendida por R$ 10 milhões e escriturada por R$ 4 milhões. A fazenda foi escriturada por R$ 6,7 milhões. Já é uma mentira literal. Só declaração dele sobre a escritura já é uma mentira! Ele falou R$ 10 milhões e   a escritura comprova que é R$ 6,7 milhões”, protestou Antônio Joaquim. Ele afiançou não saber se Silval possuía algum acordo secreto com a Construtora Trimec.
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • joaoderondonopolis
    12 Nov 2017 às 08:19

    Acredito em AJ, até porque ele não deveria estar pedindo aposentadoria, a justiça deveria o aposentar imediatamente para ele ficar sem foro. Parece que tem alguém contra sua candidatura. E, tem mais se ele preenche os requisitos para aposentadoria é um direito que ele tem, não tem porque não aposentar? AJ aposentando, não quer dizer que se livra da investigação. Portanto, acredito em AJ.

  • Rita
    11 Nov 2017 às 17:36

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Aroldo
    11 Nov 2017 às 16:14

    Tá de brincadeira!! Ele está substimando nós eleitores. Nem pra porteiro de cemitério. Gostaria de saber quem é que está pondo na cabeça desse cara essa loucura de candidatura. Acho que ele não deve está tomando o remédio direitinho

  • Juca de Rosário
    11 Nov 2017 às 15:51

    É bem Mato Grosso. O próprio acusado dá a sentença. Não devo nada.

Sitevip Internet