Olhar Direto

Sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Notícias / Política MT

Wellington Fagundes é citado em questionamento da Polícia Federal enviado a Michel Temer

Da Redação - Érika Oliveira

09 Jan 2018 - 16:47

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Wellington Fagundes é citado em questionamento da Polícia Federal enviado a Michel Temer
O senador mato-grossense Wellington Fagundes (PR) teve seu nome vinculado mais uma vez ao inquérito da Polícia Federal que investiga o presidente da República, Michel Temer (PMDB), no âmbito da Operação Lava-Jato. De acordo com a Revista Época, o senador foi citado no ofício enviado ao peemedebista na última quarta-feira (03). O documento continha 50 perguntas formuladas pela Polícia Federal para serem respondidas por Temer.

Leia mais:
Grampos: controlador diz que servidores envolvidos em fraude no protocolo podem revelar mandante

Conforme apurou a reportagem do Olhar Direto, Fagundes aparece em duas perguntas do interrogatório do presidente. O inquérito, aberto pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), apura o envolvimento de Temer em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro na edição de um decreto sobre portos.O prazo dado pelo STF para que as perguntas sejam respondidas foi de 15 dias. Na condição de presidente, Temer pode respondê-las por escrito.

Em junho do ano passado, a coluna Picantes, do site Olhar Direto, divulgou que Fagundes já havia sido vinculado a este mesmo processo, quando o diretor da Rodrimar, Ricardo Mesquita disse em seu depoimento que o senador seria um dos interlocutores do setor portuário, capaz de agir para resolver dificuldades junto a Casa Civil, como a prorrogação de contratos de concessão para exploração de áreas anteriores a 1993.

Em setembro, Fagundes apareceu mais uma vez em uma conversa, gravada com autorização judicial, entre o presidente e o ex-deputado e ex-assessor de Temer, Rodrigo Rocha Loures. “Agora, coisa de umas horas atrás chegou uma informação, através do senador Wellington, que já teria sido assinado o decreto dos portos, não sei se é verdade ou não”, indaga Rocha Loures. Ao que Temer responde: “não”.

A menção a Fagundes no interrogatório acontece nas seguintes perguntes:
35. Foi procurado pelo senador Wellington Fagundes para tratar sobre o novo decreto dos portos? Se sim, quando e onde? Explicitar as demandas do senador. O senador Wellington Fagundes defendia a inclusão de solução das concessões dos contratos pré-93 no novo decreto dos portos? Quais as justificativas apresentadas pelo senador?
45. Por que Gustavo Rocha e Beto Mansur disseram, durante diálogos com Rocha Loures, devidamente autorizados pela Justiça, que a inserção da questão pré-93, tanto defendida por Rocha Loures, Beto Mansur e Wellington Fagundes, seria uma ‘exposição para o presidente’? Vossa Excelência sabe dizer se tal normatização por meio do novo decreto dos portos seria ilegal? Por que?

Para ler a reportagem completa da Revista Época clique AQUI.

Outro lado

Por meio de nota, encaminhada através de sua assessoria de imprensa, o senador Welligton Fagundes diz ser voz ativa no debate para a formulação do Decreto dos Portos, que ele classifica como "importante avanço para logística".

Veja a íntegra:

Presidente da Frente Parlamentar de Logística de Transportes e Armazenagem (Frenlog), o senador Wellington Fagundes é voz ativa de reuniões públicas, tidas transmitidas pela internet ao vivo, para a formulação dos termos do Decreto dos Portos (nº 9.048/2017), distinguido como importante avanço para logística e atração de investimentos e geração de empregos.
 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Marcio
    09 Jan 2018 às 18:02

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.