Olhar Direto

Sábado, 15 de dezembro de 2018

Notícias / Educação

Diretor de escola estadual protesta e pede doações de livros paradidáticos

Da Redação - Isabela Mercuri

14 Abr 2018 - 10:18

Foto: Reprodução

Diretor de escola estadual protesta e pede doações de livros paradidáticos
O diretor do Colégio estadual Professor Ulisses Cuiabano, Dimas Antônio, chamou atenção na última semana pelos protestos silenciosos que realizou pela capital, pedindo a doação de livros paradidáticos para um projeto de leitura. Sentado e com um cavalete pedindo ajuda a seu lado, ele passou por shoppings, pela Assembleia Legislativa e pelo aeroporto Marechal Rondon.

Leia também:
MEC suspende criação de novos cursos de medicina e redefine formação médica

No cavalete, as seguintes palavras: “Sou Dimas Antônio, diretor da Escola Estadual Professor Ulisses Cuiabano. Estamos precisando de doações de livros paradidáticos para um projeto de leitura. A escola não tem dinheiro para comprar. Nos ajudem se puderem! Obrigado”.

Dentre os livros solicitados pelo diretor, estão obras para o 9º ano, como ‘Poesia Completa’, de Alberto Caeiro, ‘Feliz Ano Velho’, de Marcelo Rubens Paiva e ‘Histórias Extraordinárias’, de Edgar Allan Poe. Para o 8º ano, outras obras, como ‘Frankstein’, de Mary Shelley e ‘O Diário de Anne Frank’, de Anne Frank. Por fim, para o 7º ano, pede ‘A volta ao mundo em 80 dias’, de Julio Verne, ‘Crônicas para gostar de ler’, de Carlos Drummond de Andrade, dentre outros.

De acordo com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), a falta de livros se dá porque, desde 2014, “o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) não envia livros paradidáticos, que são obras adotadas de forma paralela aos materiais convencionais, para Mato Grosso, apesar das requisições e pedidos da Secretaria”.

Por meio de nota, a secretaria ainda reiterou que não há nenhum problema com os livros didáticos, ou seja, das disciplinas obrigatórias. Leia a íntegra:

Sobre livros paradidáticos a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) informa que:

1 – Desde de 2014, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) não envia livros paradidáticos, que são obras adotadas de forma paralela aos materiais convencionais, para Mato Grosso, apesar das requisições e pedidos da Secretaria;

2 – A Seduc continua o intenso processo de negociação com o Ministério da Educação (MEC) para que o Programa seja retomado;

3 – Reitera que não existe nenhum problema com os livros didáticos, ou seja, das disciplinas obrigatórias, e esses têm sido encaminhados normalmente para as unidades escolares;

4 – As escolas de Mato Grosso possuem gestão autônoma e liberdade para realização captação de recursos e materiais para seus alunos.


Para doar qualquer livro ou ajudar de alguma forma, entre em contato pelo: (65) 99925-5423.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Terrorista
    14 Abr 2018 às 22:40

    Sujeito homem, parabéns ! Vi seu telefone e irei te procurar para fazer minha doação, façam o mesmo .

  • joaoderondonopolis
    14 Abr 2018 às 16:30

    Que vergonha governador, assim fala que é o governo da transformação. kkkkkkkkkkkk

  • EGCoelho
    14 Abr 2018 às 15:59

    Parabéns Diteror! Acredito que os pais destes alunos poderiam Colaboram com o diretor tanto financeiro quanto acompanhar -lo em seu projeto de arrecadação.

  • Marcia
    14 Abr 2018 às 15:41

    Este senhor que aparecer , quer ibope será que ele vai presta conta nos lugares q ele pediu doação, cuidado este senhor tem ação duvidosa

  • Alencar
    14 Abr 2018 às 14:36

    Parabéns Diretor pela iniciativa.

  • cosme bezerra*
    14 Abr 2018 às 10:46

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.