Olhar Direto

Quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Notícias / Política MT

Diretor do TRE esclarece boatos sobre problemas com as urnas e rebate críticas sobre segurança

Da Redação - Thaís Fávaro

08 Out 2018 - 10:11

Diretor do TRE esclarece boatos sobre problemas com as urnas e rebate críticas sobre segurança
O Diretor geral do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), Nilson Fernando Gomes de Bezerra, esclareceu durante coletiva realizada na tarde deste domingo (7) que as urnas eletrônicas são seguras e que alguns discursos políticos acabam induzindo os eleitores a duvidarem a sua segurança e credibilidade.

Leia mais:
Diretor geral do TRE afasta hipótese de erro em urna e tranquiliza eleitores: “voto será computado”

Durante divulgação do Boletim do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TER-MT), na tarde deste domingo (7), o Diretor geral Nilson Fernando esclarece os boatos com relação a segurança das urnas eletrônicas e pontua os motivos que fazem com que as pessoas duvidem e até peçam que o voto volte a ser manual, por acreditar que “era mais seguro”.

“Eu vou explicar uma situação especifica do discurso do Bolsonaro. O Bolsonaro tem, entre os mais ricos da classe A e B, a maior quantidade de votos, se só a classe A, B e C votasse no brasil o Bolsonaro ganharia com 60, 70% de votos. A maior parte da população brasileira está na classe E, e na classe D e E é que se tem mais votos. Se a urna fosse manual, não fosse eletrônica, nós teríamos um percentual de votos nulos muito maior do que tivemos. Para comparar, na eleição de 1994, a última eleição antes da urna eletrônica, para Deputado Federal em Mato Grosso, nós tivemos mais de 20% de votos nulos, na eleição de 2014, última eleição pra Deputado Federal nos tivemos 4% de votos nulos. Essa diminuição de votos nulos é por que? Esses 4% que votam nulo é porque querem votar nulo, vão lá e anulam o voto, essa é a diferença, no voto manual, as pessoas que tentavam escrever e não conseguiam escrever, o voto acabava sendo anulado, quem não consegue escrever ou é um analfabeto ou de baixa escolaridade, geralmente é o voto de uma pessoa menos favorecida. Dificilmente alguém que seja rico, é analfabeto, então esse candidato entende o seguinte, que se não tivesse a urna eletrônica e o voto fosse 100% manual, ele ganharia, porque anulariam muitos votos, então o discurso contra a urna eletrônica é um discurso de conveniência política, simples assim. Só que isso contaminou muitas pessoas. Em Cuiabá por exemplo quando não existia a urna eletrônica, quem era eleito em Cuiabá eram médicos, empresários. A urna tem uma transformação social. Então isso gerou nas pessoas uma desconfiança muito grande.”

Sobre os boatos que ocorreram nas redes sociais durante o período de votação neste domingo (7), ele esclareceu cada caso. Sobre o vídeo que supostamente alguns eleitores relatam que na votação para o cargo de presidente eles apertavam a tecla 1 e automaticamente aparecia o número 13, ele explica que o vídeo que está circulando é uma fraude. “O vídeo foi analisado minuciosamente pelo TRE e TSE de Minas Gerais e foi constatado que o vídeo foi manipulado para tentar ludibriar as pessoas. No site do TRE e TSE esta detalhada a verificação passo a passo do vídeo e a explicação de como a manipulação foi feita.” Afirma

Sobre as reclamações de alguns eleitores de que a foto do candidato não aparecia na tela antes de confirmar o voto, ele pontua “Especificamente desse caso onde algumas pessoas relatam que apertavam 17 e não apareciam a foto. A pessoa chegava lá querendo votar no Bolsonaro, então a pessoa na pressa apertava 1 e o 7 e já apertava em confirma, a foto não aparecia porque votou muito rápido, então não dava tempo de aparecer a foto na urna, mas as pessoas podem ficar tranquilas que o voto foi sim confirmado e computado, desde que ela tenha acertado o 17.” E enfatiza “O problema está no eleitor e não no aparato.”

Outro problema muito relatado pelo eleitores e que causou grande desconforto nessa eleição, foram as longas filas e muito tempo de espera. Ele esclarece que o a maior parte dos problemas se deu as pessoas que não levaram a “colinha” e tiveram dificuldade em lembrar dos números de todos os candidatos “as pessoas não levaram a colinha, eram 25 teclas para apertar, então muitas pessoas paravam a votação para tentar lembrar o número dos candidatos, para procurar os números nos cartazes nos locais de votação. Outro fator que colaborou para essa demora foi porque muitas pessoas tiveram dificuldade em ter a biometria reconhecida, por desgaste da própria digital, outras não levaram documentos, isso tudo provocou muitos atrasos nos locais de votação.” Afirmou.
 

15 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Jefferson
    09 Out 2018 às 17:02

    O interessante é que os Tribunais Regionais Eleitorais em todo o Brasil, por ocasião da carga nas urnas, convida a comunidade em geral e suas melhores instituições, como o Ministério Público, representes da OAB, Partidos Políticos, bem como a comunidade em Geral, e os sabidos não aparecem. É feito o sorteio em uma urna eletrônica para auditoria nessa ocasião, e os especialistas em urnas eletrônicas não aparecem. Na véspera da Eleição os TREs sorteiam três urnas do Estado para realizarem uma votação paralela e os sabidos...? O melhor do Brasil são os brasileiros, indubitavelmente.

  • Edson José Domenichelli
    09 Out 2018 às 17:00

    Em várias sessões do país inteiro (inclusive eu presenciei) aconteceu um fato um tanto diferente do "explicado" pelo Sr. Diretor do TRE: Ao votar para presidente, digitados ambos os números, não somente não aparecia a foto do candidato como o voto era encerrado sem que o votante apertasse a tecla . Como garantir que o voto foi computado e para o candidato escolhido?

  • Cesar Delgado
    09 Out 2018 às 16:08

    Muito lúcida a explicação. Parabéns, Dr Nilson. Só não vê quem não quer

  • ELOISA
    08 Out 2018 às 17:58

    Quem é o presidente do TSE ?

  • Critico
    08 Out 2018 às 17:12

    Boatos não, fatos comprovados. Será k o TRE está tb envolvido.

  • Rodrigo Robson Silva
    08 Out 2018 às 15:15

    Qualquer tipo de programa eletronico esta sujeito a invasão e desconfiguração. E as DENÚNCIAS foram em quase todas as regiões do Brasil, em muitos estados. É muita falta de virtude não admitir qie possa haver erros de registro, e infelizmente até programar a urna pra um reconhecimento fraudulento de voto..

  • Joselito
    08 Out 2018 às 15:12

    O Interessante é que todos os problemas apontados são culpa do eleitor... as urnas são perfeitas e e o TSE é perfeito. A demora é porque o povo é burro não sabe votar, não aparece a foto o eleitor que não esperou. E os casos de apertava o 1 e aparecia voto nulo, videos feito ao vivo.

  • Rodrigo Santana
    08 Out 2018 às 15:03

    Então porque países de primeiro mundo não adotaram a urna eletrônica? e porque razão colou averiguação pela Venezuela? TSE TRE NÃO FAÇA NOS DE BURROS, O POVO NÃO É TÃO LEIGO ASSIM, NÃO É A 1ª VEZ QUE VOTAMOS NA URNA ELETRÔNICA.

  • gilberto
    08 Out 2018 às 14:55

    Assustadora a fala desse senhor! Ele tenta dizer que não houve fraude por que deu 60% de votos pro Bolsonaro! Quer dizer que é proibido mais do que isso? Se mostrou tendencioso e querendo fazer pre julgamento antes de ser investigado com respostas prontas para tudo. suspeito, muito suspeito, estaria aí um Petralha entrincheirado?

  • Eleitora apaixonada pelo Brasil
    08 Out 2018 às 12:06

    Se a urna eletrônica fosse importada, ainda que da China ou do Paraguai, com certeza os brasileiros, ávidos por produtos estrangeiros, não iriam duvidar de sua segurança! Depois de mais de 20 anos de utilização das UE, já está na hora de acabar com essa conversinha fiada.

Sitevip Internet