Olhar Direto

Domingo, 18 de novembro de 2018

Notícias / Política MT

Selma nega pretensão de presidir PSL, mas diz que assumiria comando em respeito a estatuto

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

30 Out 2018 - 14:10

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Selma nega pretensão de presidir PSL, mas diz que assumiria comando em respeito a estatuto
Eleita senadora mais votada em Mato Grosso no último dia 7 de outubro, a juíza aposentada Selma Arruda pode presidir o PSL no Estado a partir do ano que vem. A informação foi confirmada pela própria ex-magistrada, que garantiu não ter a pretensão de assumir o cargo, porém não teria problemas em ocupá-lo para cumprir o estatuto da sigla.

Leia também
Petista foi o mais votado para AL em Cuiabá; Veja lista dos campeões nas urnas das 10 maiores cidades


“O estatuto do PSL diz que a presidência regional ficará com quem tem o cargo mais alto no Estado, e como eu fui eleita senadora posso me tornar presidente assim que eu tomar posse no ano que vem. Não é uma coisa que eu pretendia, mas caso aconteça não será um problema. Temos também o Nelson Barbudo, eleito como o deputado federal mais votado. Ele também pode assumir este cargo sem problemas”, explicou a juíza aposentada ao Olhar Direto.

A senadora eleita também afirmou que não teria problemas em presidir o partido em Mato Grosso morando em Brasília e lembrou que seu correligionário atualmente desempenha a função sendo deputado federal. “O [Victório] Galli é presidente e deputado [federal] sem nenhum problema”, argumentou.

O PSL, que até 2017 era "nanico" em Mato Grosso, teve um grande crescimento com a chegada de Jair Bolsonaro para a disputa da Presidência da República.

O pequeno partido que era presidido pelo vereador de Cuiabá Wilson Kero Kero, passou a ser liderado pelo deputado federal Victório Galli, que trabalhou em aliança com o PSDB, do governador Pedro Taques, que acabou não reeleito.

Após desentendimento entre os candidatos majoritários, Selma Arruda rompeu com o grupo e foi eleita a senadora mais votada por Mato Grosso. Galli, que preferiu ficar ao lado do grupo de Taques, não foi reeleito e não estará em nenhum cargo eletivo a partir do ano que vem.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet