Olhar Direto

Domingo, 18 de novembro de 2018

Notícias / Política MT

Servidores criticam posicionamento de Gallo e dizem que ele não representa funcionalismo

Da Redação - Carlos Gustavo Dorileo

06 Nov 2018 - 08:31

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Servidores criticam posicionamento de Gallo e dizem que ele não representa funcionalismo
O diretor jurídico do Sindicato dos Profissionais da Área Meio do Poder Executivo de Mato Grosso (Sinpaig-MT), Antônio Wagner Oliveira, criticou o posicionamento do também servidor público Rogério Gallo, que ocupa atualmente o cargo de secretário de Fazenda. Para o sindicalista, Gallo, que está afastado da Procuradoria do Estado, não representa o funcionalismo público.

Leia mais:
Servidores dão prazo de uma semana para governo pagar RGA antes de nova greve geral


“Eu vi a fala do Gallo e aqui sabemos o preço de determinadas falas e os enfrentamentos que nós estamos propondo aqui. O Gallo falou que o servidor tem que entender que vai ter que escolher entre RGA ou salário. Isso nós já ouvimos durante todo este governo, mas é muito importante ouvir isso do Gallo. Porque a Procuradoria do Estado não tem reposição inflacionaria por que automaticamente se beneficia dos aumentos do Supremo Tribunal Federal. Os salários dessas carreiras são vinculados aos salários do STF. É muito importante ouvir um servidor que ganha R$ 50 mil de salário vir falar para 87% da categoria que ganha até R$ 5 mil”, criticou Oliveira durante reunião com a categoria.

Nesta segunda-feira (5), o titular da Sefaz explicou que o Governo não terá a condição de pagar as parcelas da Revisão Geral Anual (RGA), conforme acordo firmado com o governador Pedro Taques (PSDB).

O acordo com os servidores previa o pagamento do benefício em duas parcelas, a primeira, de 2% sendo paga em outubro e a segunda, de 2,19% no mês de novembro.

Em maio deste ano, o TCE suspendeu o pagamento da terceira parcela do RGA de 2017 apontando irregularidades, além da preocupação com o aumento das despesas com a folha salarial.

Os servidores já manifestaram que no caso de calote por parte do Governo até o dia 10 de novembro, data limite para o pagamento do salário e da primeira parcela do RGA, a categoria irá cruzar os braços e iniciar uma nova greve durante a gestão.

27 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Direto. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Direto poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Bobó do Goiabeiras
    08 Nov 2018 às 01:01

    Xae seus porcaria....parem de usar watzap e bora ler uns livros xomanada, É este que passa em concurso xos enrústidos.

  • Servidora
    07 Nov 2018 às 12:32

    "Trabalho na iniciativa privada...sou eu quem paga seu salário...pago imposto...mimimimi..." Quem tem esse pensamento retrógrado embasado puramente no senso comum, não sabe ou finge não saber que o imposto pago pelo servidor público é descontado na fonte, anulando - praticamente - qualquer possibilidade de sonegação. Logo, o servidor público paga - o salário de seus colegas assim como o seu - pois também é contribuinte. Pagam impostos também sobre bens de consumo como qualquer rele mortal. E, quanto maior o salário, maior o imposto. Todo salário do servidor público é gasto no estado/país, o que fomenta a economia e gera empregos. Quantos comerciantes fazem suas programações tendo como base a data de pagamento do servidor? Logo, seria bom que nos libertássemos desse pensamento ultrapassado que servidor só dá despesa - quando, na verdade, ele gasta todo seu dinheiro trazendo benefícios à economia. Se o dinheiro arrecadado não está sendo devidamente empregado em prol da população, não é culpa do servidor público. Melhor exigir uma fiscalização mais rigorosa do que culpar quem honra seus compromissos fomentando a economia.

  • Antonio lima
    07 Nov 2018 às 03:43

    DOIS PESOS DUAS MEDIDAS. Lei Comlementar 596 de 26.09.2017 "Art. 5º O subsídio dos servidores públicos integrantes do Grupo TAF fica reajustado em 6% (seis por cento), a partir de 1º de julho de 2017, calculado sobre o subsídio de junho de 2017, sem prejuízo da revisão geral anual. Art. 6º O subsídio dos servidores públicos integrantes do Grupo TAF fica reajustado em 5% (cinco por cento), a partir de 1º de julho de 2018, calculado sobre o subsídio de junho de 2018, sem prejuízo da revisão geral anual. Art. 7º O subsídio dos servidores públicos integrantes do Grupo TAF fica reajustado em 4% (quatro por cento), a partir de 1º de julho de 2019, calculado sobre o subsídio de junho de 2019, sem prejuízo da revisão geral anual. Art. 8º Esta Lei Complementar entra em vigor na data da sua publicação. Palácio Paiaguás, em Cuiabá, 26 de setembro de 2017. as) JOSÉ PEDRO GONÇALVES TAQUES Governador do Estado Para o GTAF o Governo tem condições .e com anuência do TCE que não contesta pro resto do funcionalismo nem a RGA. Essa Lei inclusive retroativa a julho/2017, pagaram tudo bonitinho fora o aumento da VI tbm. vejam a LC 596 na integra. PARA O "GTAF" O CAIXA DO GOVERNO TEM SEMPRE DISPONIBILIDADE. PORQUE TCE?

  • Dudu
    06 Nov 2018 às 15:51

    Vai Corinthians!!!!! Wagner é nois!!!

  • Levi
    06 Nov 2018 às 13:59

    Esses comentários pejorativos em relação a servidores públicos, só podem ser feitos por pessoas que não conhecem a Administração Pública. Recomendo que leiam e se informem. Só lembrando que, felizmente, desde a promulgação da Constituição da República, em 05/10/1988, para ingresso no serviço público, precisa-se prestar um concurso. Para isso, o candidato precisa estar preparado intelectualmente para passar no concurso. Enfim, para ser servidor público, a pessoa precisa ter competência. RGA já!!!

  • jorge
    06 Nov 2018 às 13:48

    Outra coisa que indigina sao os fiscais da receita ganharem por produtividade.... a raposa ganha por quantas galinhas comerem.... viva o Brasil

  • jorge
    06 Nov 2018 às 13:47

    A grande problema no Estado, quçá do Brasil, e esta dependencia do Governo para tudo. O serviço publico esta inchado. A estabilidade funcional faz com que alguns servidores não produzam nenhuma fonte de riqueza para o Estado, ressalvando as exceções. O estado tem que ser minino, deve haver uma demissão dos funcionarios, e que o estado proporcione aos demitidos meios de se empreender. o Estado é uma teta que mama 100 mil pessoas. A vaca nao da tanto leite assim....

  • Chico Bento
    06 Nov 2018 às 13:31

    Servidores que desde 2009 só trabalham 06 horas por dia, embora vosso concurso seja para 08 horas: Busquem trabalhar, vocês são servidores do povo (público), ganham seus salários e aposentadorias oriundos dos impostos de quem trabalha e produz na iniciativa privada. Caso contrário, saim do serviço público e venham para a iniciativa privada!

  • Fernando
    06 Nov 2018 às 13:07

    Ai meu deus..será que terei que voltar a frequentar aquela sala fedorenta cheia de gente feia...tá tão bom assimm....todo mês meu sagrado dindin tá lá no banco..com ou sem rga...

  • Dodô
    06 Nov 2018 às 12:41

    Esse presidente do sindicato não resolve nada só fala e nada faz, simplesmente é uma marionete na mão do governo.