Notícias / Educação

02/02/2010 - 12:00

Medicina da UFMT tem a quinta maior nota de corte do Brasil

14 comentários

Da Redação - Jardel Arruda

Das 11 faculdades de medicina com vagas disponíveis no SiSU (Sistema de Seleção Unificada), o curso oferecido pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) é o 5º no quesito maior nota de corte. Além disso, a faculdade é a 10ª mais procurada entre todas as outras em todo o Brasil.

Em Mato Grosso, o curso de Medicina encabeça a lista tanto em matéria de nota de corte, exigindo ao menos 803 pontos nesta terça-feira (2), quanto em procura, já tendo inscritos 2.980 candidatos. Em seguida vem a graduação matutina de Direito, a qual pede pelo menos 756 pontos e já contabiliza 604 postulantes. 

A terceira maior nota de corte da UFMT pertence a Direito noturno, o qual pede, até está terça, 747 pontos e possui 1.040 postulantes. Engenharia Civil detém o posto de 4º mais ‘exigente’, apresentando uma nota de corte de 738. Outro curso de grande busca em Mato Grosso é enfermagem, com 525 candidatos cadastrados.

Outro curso mato-grossense que merece destaque no quesito concorrência é a faculdade de Biomedicina, do campus de Barra do Garças da UFMT, com uma nota de corte de 724, mas, curiosamente, tendo apenas 380 inscritos.

No outro lado da tabela, com as menores notas de corte de Mato Grosso, até esta terça-feira, estão vários cursos do campus Pontal do Araguaia da UFMT, com destaque para Física (nota de corte 452), Matemática (482) e Química (501). Já no campus de Cuiabá, as menores notas de corte são dos cursos de Filosofia integral (556), Geografia noturno (581) e Física matutino (568).

Os dados dessa matéria foram obtidos a partir de informações fornecidas pelo site do SiSU, onde, a partir desta terça-feira, o candidato pode observar as notas de corte antes de acessar o Sistema de Seleção Unificada. Basta fazer uma busca, que pode ser discriminada por curso, universidade ou unidade federativa. Já o número de procuras foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC).

Vale ressaltar que todos os dados são válidos somente até esta terça-feira, sendo nada mais que um retrato da mais recente atualização do MEC. Toda madrugada o SiSU fecha para o cálculo da nota de corte, o qual vária de acordo com a nota do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) das pessoas inscritas em cada curso.

Números atualizadas às 13h06

Exibindo de "01" à "10" do total de "14" comentários:

por Carla Drussila, em 03/12/2010 às 19:16
Gente,isto tá certo? Direito matutino 604 postulantes com ponto de corte de 756 pts, Direito noturno 1.040 postulantes com o ponto de corte de 747 pontos? Será que 740 dá pra esse ano?
por Gabryel Gomes, em 18/11/2010 às 11:14
Oiii gente! Mas ainda assim a Medicina da UFG (Federal de Goiás) continua com o maior número de inscritos no curso de Medicina. Não podemos olhar a concorrência pela relação de candidatos-vaga mas sim pelo número de inscritos, já que o número de vagas nos cursos de Medicina sao diferentes. E o curso de Medicina da UFG teve maior procura nesse ano e em anos anteriores, sendo que para o vestibular de 2011-1 têm-se 5525 candidatos disputando 110 vagas. Esse é o maior número de candidatos concorrendo um curso de Medicina no Centro-Oeste e isto vocês podem verificar pelos sites dos centros de seleções de cada universidade!
por israel Martins, em 26/02/2010 às 18:33
a universidade é federal vale pra todos da federação, estudem mato-grossenses!!!!!!!!!! tenho certeza que vai elevar o nivel do curso de medicina na UFMT a chegada de estudantes do brasil inteiro!!!!! a UFMT, UFG, UFMS... é de todos nós, viva a federação!!!!!!!!!
por Ana Flávia, em 19/02/2010 às 09:30
Parabéns, Daniele!!!! Você está certa. Sou de São Paulo e vejo quantas pessoas de outros estados entram na USP, na UNESP, na UNICAMP. E nem por isso vamos nos rebelar. Se eles estão lá, é porque são bons, mereceram e estudaram para isso. Se eu não entrei e um aluno do Mato Grosso passou na USP, com certeza ele é melhor que eu! Não importa o estado, se as pessoas querem passar, façam por merecer, estudem. Não vamos fazer uma chacina contra os estudantes não-paulistas nas universidades de São Paulo! Não tem o menor cabimento! Para alguns estados, o Sisu vai ser uma porta para a mudança. Escolas que antes aprovavam alunos nas suas respectivas universidades federeais vão ter que correr atrás se quiserem continuar com aprovações. A concorrência aumentou e o ensino vai ter que melhorar!
por josiane fernandes da silva, em 17/02/2010 às 10:42
O argumento que quem estuda em escola particular e burguês, e idiota, só uma mãe pobre quer ralo para pagar escola particular para o meu filho, pois qualquer ser racional sabe que as escolas publicas estão sucateadas, e com nível de aprendizado degradante. Fico até imaginando os professores das universidades tendo que ensinar os alunos da rede publica a soletrarem na universidade e a aprenderem multiplicar. Queiram ou não queiram a realidade das escolas publica e alarmante. Não queira culpar os ricos ou os que estudam em escolas particulares, que nem sempre são ricos pelo descaso do governo. e rico só e rico porque trabalham pra isto, ou porque seus pais se preocuparam com seu futuro. Pois como bem sabemos o manjar não cai do céu. Obs: rico e quem mais paga imposto, e quem menos usufrui, pois tem que pagar por tudo escola, segurança, saúde etc. sou pobre mais fico indignadas com pessoas que culpa os ricos pelo seu fracasso financeiro.
por Luciana Soares, em 12/02/2010 às 10:10
Concordo que neste primeiro momento, este sistema de ingresso na UFMT em particular, realmente tornou-se injusta, mas, tão somente porque somente ela aderiu a este sistema. Sendo assim o Brasil inteiro pode concorrer às vagas sem nem precisarem sair de casa, diferentemente de nós que caso queiramos concorrer na USP por exemplo, teremos que ter gastos e trabalho para nos deslocarmos até lá. Isso fez com que pessoas que não tem a mínima intensão de vir para cá, se inscreveram só pelo prazer de dizer que passaram, mas eles não vêm que por brincadeira eles tiram a oportunidade de quem realmente quer fazer a faculdade, seja esta pessoa aqui de MT ou não, pois como já disseram e eu concor a UFMT é Federal e não Estadual ou Municipal, vivemos numa democracia. Se é para ser realmente justo eu acho que deveria ser terminantemente proibido pessoas que a vida inteira estudaram em escolas particulares, chegam agora na fase de faculdade, não querem pagar e usam vagas públicas que deveriam ser exclusivamente de quem nunca teve e não tem condições de pagar pelos estudos. É só pensarmos da seguinte forma: Alguém já viu algum rico fazendo questão de ser atendido num hospital público, claro que não...então porque isso acontece com a universidade pública??? Acho que nós brigamos por migalhas como: essa indecência de cotas para tudo que é coisa, ou essa agora de querer vagas só para os estudantes daki de MT. Mesmo que fosse desta forma, ainda assim nós que estudamos sempre em escolas estaduais, ou municipais continuaremos a ter nossas vagas tiradas por estudantes da rede privada... e daí? Se perdermos nossa vaga para estudantes de rede particular, ainda que sejam daki de MT, nossa dor vai diminuir???
por tiara, em 05/02/2010 às 18:46
bom gente eu sou do mato grosso e o que eu posso dizer é que realmente a cada ano que passa fica mais dificil entrar em uma faculdade federal, e que o enem beneficia sim mais os estudantes de outros estados e isso não é justo,mais temos que ver tambem que a UFMT é uma das faculdades que as médias não foram tão altas há faculdades que os cursos como letras,matemática ,historia e etc estão super altas, eu estudei a vida toda em escola pública e meu sonho é cursar psicologia, não consegui para psicologia mais sim para pedagogia aqui na UFMT, estou feliz por fazer uma faculdade mais não desisti do meu sonho,e sei que há muitas pessoas como eu que irão fazer um curso porque foi o que conseguirão, mais o que nós temos que fazer é estudar mais porque todos nós somos capazes.
por Marcelo Santana, em 05/02/2010 às 09:47
Comentário perfeito, Daniele! Concordo plenamente. 2 Os caras estão bravos sem motivo algum, a verdade é que quem passou, passou e quem não passou tem que aceitar, porque alguém mais competente está lá dentro. Eu mesmo sou de São Paulo e fui aprovado no Paraná. Eu tinha o sonho de estudar na USP, não passei, alguém de outro estado provavelmente passou no meu lugar, e nem por isso quero que ele saia do estado ou que não preste aqui, porque tenho certeza de que perdi uma vaga para alguém igual ou melhor que eu.
por Renata, em 04/02/2010 às 20:49
Comentário perfeito, Daniele! Concordo plenamente.
por Danielle, em 04/02/2010 às 13:54
Eu compreendo a revolta dos matogrossenses, e não duvido que eles estejam certos quanto a maior parte dos alunos ser de outro estado. Mas eu sou de São Paulo, e afirmo que muitas das vagas também são preenchidas por pessoas de outros estados, como eu sei que também acontece no Rio de Janeiro. E a universidade em questão é FEDERAL, ou seja, pertence à federação, aos brasileiros, e não aos nascidos no Mato Grosso. Portanto, acredito que essa revolta, além de xenofóbica, é desnecessária. Eu não passei em nada por enquanto, mas não é por isso que eu vou me revoltam com os cariocas que estão aqui na USP, por exemplo. O que eu preciso fazer pra melhorar: ESTUDAR MAIS. Se eles entraram e eu não, é porque são mais capazes do que eu.