Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Artigos

Cisne verde: o efeito das mudanças climáticas

Autor: Pérsio Landim

16 Set 2021 - 08:00



As mudanças climáticas impõem novos desafios aos bancos centrais, reguladores e supervisores. Recentemente fiz um estudo sobre a obra "The green swan"  (O cisne verde), publicado pelo Bank for International Settlements (BIS), que analisa maneiras de abordar os novos riscos dentro do mandato de estabilidade financeira dos bancos centrais. No entanto, integrar toda análise de risco relacionado ao clima no monitoramento da estabilidade financeira é particularmente desafiador por causa da incerteza radical associada a um fenômeno físico, social e econômico que está constantemente mudando e envolve dinâmicas complexas e reações em cadeia. 

Eventos financeiramente perturbadores podem estar por trás da próxima crise financeira sistêmica. Os bancos centrais têm um papel a desempenhar para evitar tal resultado, inclusive buscando melhorar sua compreensão dos riscos relacionados ao clima por meio do desenvolvimento de análises prospectivas baseadas em cenários. Mas os bancos centrais sozinhos não podem mitigar as mudanças climáticas. Este complexo problema de ação coletiva requer ações coordenadas entre muitos players, incluindo governos, setor privado, sociedade civil e a comunidade internacional.  

Os bancos centrais podem, portanto, ter um papel adicional a desempenhar, ajudando a coordenar as medidas para combater as mudanças climáticas. Isso inclui políticas de mitigação do clima, como preços de carbono, a integração da sustentabilidade nas práticas financeiras e estruturas contábeis, a busca por uma política adequada e o desenvolvimento de novos mecanismos financeiros a nível internacional. Todas essas ações devem ser tratadas de forma adequada, pois são essenciais para preservar a estabilidade financeira (e de preços) de longo prazo na era das mudanças climáticas. 

Um crescente corpo de pesquisa por acadêmicos, bancos centrais e instituições internacionais, incluindo o BIS, concentra-se nos riscos relacionados ao clima. Esses estudos mostram que os problemas físicos vinculados às mudanças climáticas podem prejudicar gravemente nossas economias, por exemplo, através do grande custo de reparação de infraestrutura e enfrentamento com perdas não seguradas. "The green swan" ajuda a traçar as ligações entre os efeitos da mudança climática, ou aquecimento global, e a estabilidade de nossos setores financeiros. Inclui uma pesquisa abrangente de como a mudança climática tem acontecido progressivamente integrada em modelos macroeconômicos e como estes evoluíram para melhor avaliar riscos de estabilidade financeira decorrentes do tema. 

O estudo reconhece as limitações dos nossos modelos, que podem não ser capazes de prever o impacto econômico e financeiro devido à complexidade das ligações e a não linearidade intrínseca dos fenômenos relacionados. No entanto, apesar do alto nível de incerteza, o melhor parecer científico atual sugere que é necessária uma ação para suavizar e se adaptar. 

Uma resposta eficaz requer a conscientização das partes interessadas e a facilitação da coordenação entre elas. Isso é urgente, uma vez que os riscos relacionados ao clima continuam a crescer, e resultados como o chamado de eventos do "cisne verde" podem se materializar. 




Fonte: Pérsio Landim, advogado, especialista em Direito Agrário, com The green swan 
Sitevip Internet