Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 05 de junho de 2020

Notícias / Pecuária

Abate de bovinos em Mato Grosso cresce 6,6% em janeiro; descarte de fêmeas sobe 26%

Da Redação - Viviane Petroli

09 Fev 2016 - 16:11

Foto: Assessoria Acrimat

Abate de bovinos em Mato Grosso cresce 6,6% em janeiro; descarte de fêmeas sobe 26%
O abate de bovinos em janeiro cresceram 6,6% em Mato Grosso no comparativo com dezembro 2015. No primeiro mês de 2016 foram encaminhadas aos frigoríficos mato-grossenses 413,07 mil cabeças. O aumento é constatado diante a elevação de 26% da destinação de fêmeas para o descarte, enquanto de machos houve um decréscimo de 4%.

Os números são do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), divulgados pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) em seu recente Boletim Semanal da Bovinocultura.

Em janeiro de 2016 a utilização da capacidade industrial instalada chegou a 40,99% e os abates de fêmeas representaram em média 40,82% dos animais enviados para a indústria frigorífica.

Leia mais:
Demanda mundial por carne leva exportações de Mato Grosso recuarem 6,25%

Já em dezembro, Mato Grosso levou para o abate 387,4 mil cabeças, registrando 35,88% de sua utilização da capacidade industrial instalada de plantas com Serviço de Inspeção Federal (SIF). As fêmeas em dezembro representaram 34,55% dos animais abatidos.

Ao se comparar com as 468,62 mil cabeças enviadas aos frigoríficos em janeiro de 2015 há uma queda de 11,8% nos abates. Na ocasião a utilização da capacidade industrial instalada era de 46,26% em média no estado e o percentual de fêmeas representou 47,10% dos animais abatidos.

Segundo o Imea, apesar de Mato Grosso estar passando por um momento de retenção de vacas diante a valorização do bezerro, o acréscimo de fêmeas destinadas para o abate no início do ano é característico, "visto que os pecuaristas descartam parte das matrizes que não emprenharam após a estação de monta, devido ao custo de oportunidade de mantê-las no rebanho sem produzir. Diante disso, observa-se que a manutenção anual do rebanho, através do descarte de fêmeas que não emprenham, vem sendo utilizada como uma estratégia pelos pecuaristas do Estado".

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet