Olhar Agro & Negócios

Domingo, 07 de junho de 2020

Notícias / Pecuária

Falta de incentivos e indústrias travam crescimento da criação de búfalos em Mato Grosso

Da Redação - Viviane Petroli

03 Jul 2016 - 15:44

Foto: Assessoria

Falta de incentivos e indústrias travam crescimento da criação de búfalos em Mato Grosso
De fácil manejo, a criação de búfalos em Mato Grosso aos poucos apresenta crescimento, apesar da falta de incentivos para a produção e de indústrias adequadas para o abate, o que permitiria ao consumidor final uma maior opção de carne, leite e seus derivados com preços mais acessíveis. Em 2015, o rebanho de bubalinos no Estado apresentou um leve incremento de 2,15% em comparação a 2014.

Levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) revela que Mato Grosso em 2015 possuía um rebanho de bubalinos de 16.282 cabeças, volume superior as 15.939 cabeças constatadas no ano anterior. Entre bovinos e bubalinos o Estado possui um rebanho de 29,259 milhões de cabeças. No Brasil, das 215,002 milhões de cabeças existentes 1,183 milhão são bubalinos.

Leia mais:
Rebanho bovino cresce 3% em Mato Grosso, mas abates reduzem 15%

O búfalo, segundo o criador Aldo Rezende Teles, de Brasnorte, “é melhor que o bovino em tudo”, visto possuir um couro superior e possuir um leite com 6% de gordura, enquanto o do gado leiteiro apenas 4%. “Outro ponto é que não há necessidade de vaqueiro. Ele é um animal que se cria praticamente sozinho. O único problema do búfalo, hoje, é que ele não tem uma quantidade grande para manter a venda”.

Teles cria búfalos há mais de 30 anos. Antes de vir para Mato Grosso, possuía uma propriedade em Goiás onde criava cerca de 200 búfalos. Em Brasnorte, revela, começou com apenas três cabeças e hoje seu rebanho conta com 50. “O búfalo só vai para o curral quando necessário, mais precisamente para as vacinas. O custo de produção é praticamente o mesmo do gado de corte. A diferença é que não precisa ficar o tempo todo de olho nele. Esse ano meus búfalos estavam entrando na lavoura e nós os levamos para um piquete de aproximadamente um hectare, que tinha uma lagoa, passamos a dar ração para eles e não tivemos problema algum. Se você fizer um bom manejo com o animal, ele é tão manso quanto qualquer outro animal”.

Retorno ao produtor e incentivos

O retorno ao produtor é o mesmo do verificado no gado de corte, explica Teles. Contudo, o produtor salienta que os frigoríficos não estão preparados para receber tais animais. “É um animal mais pesado, seu couro é diferente e não pode misturar com o do gado de cote, bem como seus miúdos. Para ter um crescimento maior da criação teria que haver interesse de um frigorífico, nem que fosse pequena a planta, específico para abater o búfalo”.

Outro ponto que auxiliaria do rebanho de búfalos, na avaliação do criador, seria a existência de incentivos por parte do Governo Federal. “O búfalo é um animal com uma carne mais saudável, pois tem menos gordura. Se houvesse incentivo, também, por parte do governo teríamos no mercado mais uma opção de produtos de qualidade”.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Alberto Vieira Borges
    30 Out 2018 às 05:53

    Pretendo iniciar uma criação de búfalo leiteiro: tenho muita água e pretendo tirar da gaveta um projeto Agrohotelturismo: as margens do Lago serra da mesa Goiás.

Sitevip Internet