Olhar Agro & Negócios

Sexta-feira, 03 de julho de 2020

Notícias / Geral

Crise entre EUA e Irã pode provocar aumento no preço de combustível em MT, avalia diretor do Sindipetróleo

Da Redação - Vinicius Mendes

03 Jan 2020 - 16:01

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Crise entre EUA e Irã pode provocar aumento no preço de combustível em MT, avalia diretor do Sindipetróleo
A crise entre os Estados Unidos e o Irã, agravada após ataque aéreo no aeroporto de Bagdá que matou o major-general Qassem Soleimani, pode repercutir em aumento no preço do combustível em Mato Grosso e no Brasil.
 
Leia mais:
Após mudança no ICMS, Grupo Locatelli anuncia fim de venda de etanol em postos

O diretor executivo do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Sindipetróleo-MT), Nelson Soares Júnior, afirmou que o momento ainda é de incertezas, mas que uma alta no preço do barril do petróleo já ocorreu após o ataque, e dependendo do posicionamento que o Irã tomar, que pode manter este crescimento, o preço do combustível ao consumidor pode ter uma elevação.
 
Horas após o ataque o preço do barril do petróleo no mercado internacional teve aumento de 4%. O preço do barril chegou a US$ 70 nesta sexta-feira (3). O presidente Jair Bolsonaro, ao comentar a crise, já disse que o preço do combustível no Brasil deve ser afetado.
 
O diretor executivo do Sindipetróleo-MT, Nelson Soares, afirmou que ainda não é possível dar nenhuma certeza se haverá aumento no preço do combustível. Ele disse que apesar do aumento durante a madrugada, já houve um recuo.
 
“Tudo está muito recente, o acontecimento foi ontem à noite, nessa madrugada o petróleo bateu recorde de aumento, mas já recuou e continua recuando durante a tarde de hoje. Mas não sabemos o que o Irã vai fazer, porque ele controla o Golfo Pérsico onde passa 30% do petróleo do mundo, então dá pra imaginar o poder que este país tem na mão”.
 
Soares afirmou que o Brasil vinha seguindo em uma curva de crescimento no consumo, em função do aquecimento da economia, e que com o aumento da demanda o preço deveria sofrer também um pequeno aumento, considerando que a perspectiva do cambia permanecesse estável, em torno de R$ 4.
 
Nelson ainda disse que da mesma forma que ocorre um aumento, com a crise, quando o conflito se resolver haverá também um recuo no preço. Ele avalia que a Petrobrás deve aguardar o posicionamento do Irã, para então decidir se o aumento será repassado ao consumidor.
 
“O que tudo indica é que, se de um lado tínhamos dólar a R$ 4,20 e hoje ele está em torno de R$ 4,10 e R$ 4,05, a Petrobrás se beneficiou disso e fez um colchão não é? Então ela pode também, e eu acho que é isso que ela vai fazer, esperar a semana que vem e ver o que vai acontecer com o preço do barril do petróleo para depois tomar uma decisão. Em se mantendo esta elevação, é lógico que vai passar isso para o preço do combustível, já no dia seguinte”.
 
O diretor executivo do Sindipetróleo-MT ainda afirmou que o mercado também deve influenciar no aumento, já que alguns postos com estoque podem decidir postergar a elevação do preço, na tentativa de conseguir mais clientes. Ele também avalia que a crise pode afetar outras áreas da economia.
 
“Tem um efeito geopolítico, que também pode afetar o Brasil, uma vez que o país estava tentando uma reaproximação com o Irã, que é um grande importador de commodities brasileiras, aí pode haver pressão americana para impedir isso, ou algo desse tipo”.

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Julian
    05 Jan 2020 às 08:08

    Se qualquer coisa acontece fumo no trabalhador se fulano peida pra la Vomo aumentar o combustível vai catar coquinho o povo nao aguenta mais de roubo.

  • Magma
    04 Jan 2020 às 14:16

    O Brasil tinha que ser arrumado, corrigir o que não estava dando certo, o que não estava funcionando, em vez disso, o Brasil mudou! Mudou para os EUA, banqueiros, para os milionários!

  • Alguém
    03 Jan 2020 às 23:09

    Cada desculpa que esse povo inventa pra aumentar combustível! Pena que brasileiro é burro ao invés de boicotar fazem fila!!!

  • Chico Bento
    03 Jan 2020 às 17:07

    Mas desde a década de 1980 ouço dizer que o Brasil é auto suficiente em petróleo. Por que assuntos internacionais está nesse contexto?

  • San
    03 Jan 2020 às 17:06

    Passou do tempo de fabricaram veículos elétricos aqui no Brasil... EUA X Irã nunca vão se entender novamente! Quem paga o "pato" somos nós! E o Presal? ...Passou da hora de usarmos ele

  • Marta Ceni
    03 Jan 2020 às 16:56

    Tudo é desculpa para os empresários incrementarem preços. ICMS. Peido de Bolsonaro. Salário mínimo subiu mixaria. Continuem votando em, Emanuel, Misael e vcs continuarão pagando o pato.

Sitevip Internet