Olhar Agro & Negócios

Sábado, 04 de julho de 2020

Notícias / Geral

Queda no faturamento tributável chega aos R$300 milhões por dia em abril

Da Redação - Isabela Mercuri

29 Abr 2020 - 10:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/ Olhar Direto

Queda no faturamento tributável chega aos R$300 milhões por dia em abril
A queda no faturamento tributável em Mato Grosso já chegou aos R$300 milhões em abril. Isso é o que mostra o quarto boletim econômico divulgado pelo governo do Estado nesta terça-feira (23). Os números mostram que no período de 20 a 24 de abril a queda aumentou 4% em relação à semana anterior, chegando aos 23%. A emissão de documentos fiscais eletrônicos teve um valor médio diário de R$ 1.010 bilhão, contra R$ 1.058 bi, apontado na pesquisa anterior.

Leia também:
Makro fecha as portas em Cuiabá para 'se transformar' em Atacadão

“Com essas seis semanas de combate ao coronavírus, o Governo não poupou recursos e está ampliando em 210 novos leitos no hospital metropolitano. Mas já perdemos mais de 100 milhões nesse mês de março e devemos perder em torno de 250 milhões no mês de maio. Precisamos do socorro federal que está sendo debatido no Senado neste momento”, afirmou o secretário de fazenda Rogério Gallo.

O documento mostra os impactos do coronavírus (Covid-19) sobre o faturamento das empresas no Estado, e também sobre a receita estadual. Comparado com a média diária nos meses de janeiro e fevereiro de 2020, antes da pandemia da Covid-19, foram faturados diariamente em torno de R$ 304 milhões a menos. O percentual alcançado é maior que o período anterior, de 13 a 17 de abril, cuja queda foi de 19%.

Em quase todo o mês de abril, dos dias 1 a 27, em comparação com o mesmo período do mês de março, os dados mostram uma queda de 16,9% na arrecadação geral do ICMS. A redução no imposto, em termos financeiros, é de R$ 161,6 milhões.

Somente no setor de comércio e serviços, a redução média do faturamento foi de 30% entre os dias 20 e 24 de abril. Na última semana, o setor piorou seu desempenho com a aceleração da queda em todos os setores: atacado (-42%); varejo (-18%); combustíveis (-40%); veículos (-32%).

Em relação ao setor industrial, desde o início das restrições houve redução gradativa do faturamento, chegando ao patamar de 31% de queda, ou seja, cerca de R$ 70 milhões, em comparação ao período anterior a pandemia da Covid-19.

Nas últimas semanas, as quedas no faturamento total indústrias foram menores, totalizando uma redução de 24% no período de 20 a 24 de abril. Conforme o boletim elaborado pela Sefaz, a queda teria menos impacto sem a participação da indústria de adubos e fertilizantes, que nesse período do ano sempre apresenta uma queda sazonal no faturamento.

Já a agropecuária manteve o percentual de 14% de queda nas últimas duas semanas (de 13 a 24 de abril), em comparação com os R$ 466 milhões alcançados no início do ano. A redução foi de R$ 65 milhões no faturamento diário. O setor havia conseguido manter uma desaceleração mínima de 1%, na semana de 06 a 10 de abril, mas voltou a sentir o impacto econômico devido ao menor faturamento do cultivo de soja.

“É importante ressaltar que o acompanhamento e a análise do faturamento e da arrecadação estão sendo realizados para todos os setores da economia mato-grossense: agropecuária, indústria e comércio, de forma a possibilitar a melhor avaliação da situação pela administração tributária e pelo governo do Estado, a fim de que as decisões sejam tomadas considerando os indicadores apontados”, explica o secretário adjunta Receita Pública, Fábio Pimenta.

Os números do boletim foram extraídos dos sistemas informatizados da Sefaz, com base nos dados dos documentos fiscais eletrônicos emitidos diariamente e outras informações fiscais. Nesta quarta edição, as informações levantadas consideraram a média de faturamento diário de janeiro e fevereiro de 2020 em comparação com o faturamento diário registrado de 16 de março a 24 de abril. Os técnicos da Sefaz ressaltam que podem existir distorções por outros eventos sazonais não considerados.

8 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Nicholas
    04 Mai 2020 às 14:22

    Houve redução na arrecadação de impostos? Diria os esquerdistas: é só mandar imprimir dinheiro. A Venezuela fez isso e resolveu todos os problemas. kkkk

  • Mario
    02 Mai 2020 às 15:18

    Conversa fiada quem decretou a quarentena tem que arcar com sua responsabilidade. "O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes decidiu que Estados e municípios têm autonomia para adotar medidas de isolamento social, quarentena, suspensão de atividades de ensino, restrições de comércio, atividades culturais e à circulação de pessoas, entre outras, independentemente de ordens contrárias do governo federal." Agora querem que o governo federal tape o buraco do Estado e Municípios ? e os trabalhadores e empresários que foram impedidos de trabalhar ? agora vão se catar cambada de ratos.

  • Trabalhador informal
    29 Abr 2020 às 19:22

    É necessário modificar o planejamento econômico para ser mais cooperativo e solidário e também formas mais autônomas de produção de energia e distribuição de alimentos, quem sabe apostar em eletrodomésticos nacionais e vestuário industrial de baixo custo. Já existe a tecnologia para isso e os meios técnicos também já estão desenvolvidos para esse novo modelo econômico, com alimentação e moradia subsidiados pelo Estado. Era assim na Líbia antes da intervenção da guerra, moradia, alimentação e luz eram garantia do Estado com Gaddafi, os nossos Militares tem menos poder para realizar as reformas verdadeiramente necessárias? Alem disso investimento em trilhos por todo o país, para que nenhuma região fique desatendida e sem trens.

  • Rosa Luxemburgo do CPA 2
    29 Abr 2020 às 12:38

    REDUZ salário de servidores públicos. Ficam em casa enquanto povo se arrisca pegar coronavirus na rua.

  • Rafaela
    29 Abr 2020 às 12:02

    A culpa é de quem m mandou fechar o comércio!

  • Luiza j Imperial
    29 Abr 2020 às 11:54

    Todos estão perdendo com coronavirus. Funcionários públicos ficam em casa, vendo Netflix, não trabalham pois governador liberou. Proponho reduzir salário pela metade para compensar perdas na arrecadação.

  • Teka Almeida
    29 Abr 2020 às 11:19

    Mauro MENTE governo FAKE NEWS ou mesmo a Sefaz sem credibilidade nenhuma, o que vai confirmar se houve queda ou não na arrecadação é o IMPOSTROMETRO. Fora isso é CONVERSA FIADA.

  • Thiago
    29 Abr 2020 às 10:44

    Queda de 300 milhões por dia? E para onde vai esse dinheiro? ??????

Sitevip Internet