Olhar Direto

Sábado, 18 de janeiro de 2020

Opinião

O presente de Grego nos 300 anos de Cuiabá

Autor: Wilson Carlos Fuáh

06 Abr 2019 - 08:00

Tem um ditado, que diz assim: “isso não vai para frente, porque tem “cabeça de burro enterrada”, e no caso do VLT de Cuiabá/Várzea Grande não tem prazo para finalizar a sua instalação, pois de capítulo em capítulo, muda os atores e a implantação continua emperrada ou os entraves sobrepõem a vontade daqueles que estão no comando de plantão.

O registro histórico confirma que no Planejamento da Administração Pública de Cuiabá, em 1871 começou os infindáveis debates para viabilizar a Mobilidade Urbana de Cuiabá, com a instalação de um Sistema de Integração de Transporte interligando o centro de Cuiabá ao Porto, naquele tempo, mesmo sem o Computador, utilizaram o sistema muito usado hoje, o famoso “copiar – colar”, e o Projeto de Cuiabá foi copiado ao que era utilizado no Uruguai, que usava o motor a vapor para locomover os Bondes, mas o Projeto de Cuiabá teve a opção errada por instalar o famoso “Bondinho puxado a Burro”, e funcionou entre os anos de 1891 a 1918, e o antigo VLT Cuiabano, se locomovia puxado por tração animal ao longo de trilhos que se estendiam desde o Largo da Mandioca (Praça da Mandioca), passando por áreas centrais da cidade, e seguia pela Rua 13 de junho até estação do Porto. 

Naquela época, os dirigentes e “os cabeças” pensantes de Cuiabá, resolveram os entraves para viabilizar o projeto copiando ao que eram utilizado em Montevidéu, que começou em 1871 e só foi definido em 1.889, quando os portugueses e cuiabanos formaram a Companhia Progresso Cuyabano, Ferro, Carril e Matadouro para, finalmente, consolidar as linhas de “bonde puxado a burro” entre as duas principais partes da cidade num prazo de dois anos.

Veja que a história se repete, pois o Projeto do Bondinho de Cuiabá, ontem, e o VLT hoje, começaram errados por utilizar projeto inadequado. Naquela época começou com a cópia do Projeto dos Bondes usado em Montevidéu que era movido a vapor, e no Projeto de Cuiabá optaram por “Bonde puxado a Burros”, e depois de instalados, funcionou de 1.891 a 1918, e que depois foi constatado que o transporte era muito lento, e tentaram substituir a tração utilizado pelos burricos para a tração mecânica a vapor, mas depois descobriram que infelizmente deveria ser paralisada pois a “bitola estreita dos trilhos não permitia desenvolver a velocidade da máquina, que descarrilava, e por fim, os “Bondinhos puxados pelos pares de Burros” parou para sempre, e desde 1918 até 2012 o projeto de transporte publico sobre trilho, ficou adormecido e foi “acordado” com o barulho da Copa do Mundo. 

E agora ficou constatado que o Contrato do VLT, inicial de 01 Bilhão e 400 milhões, não tinha projeto sobre a implantação física, apenas as rotas com dois eixos: CPA-Aeroporto e Coxipó - Centro, o modal seria implantado no canteiro central (com oito metros de largura) das avenidas João Ponce de Arruda e FEB, em Várzea Grande; XV de Novembro, Tenente-Coronel Duarte (Prainha), Historiador Rubens de Mendonça (CPA), Coronel Escolástico e Fernando Corrêa da Costa, que são apenas rotas sem projeto executivo.

E, isso vai longe ou vem de longe, se não desenterrar as “Cabeças dos Burros” que puxaram os Bondinhos no passado, não teremos VLT funcionando, e dizem que essas Cabeça estão enterradas na Praça da Mandioca, que era a Estação Final, a história se repete.


Wilson Carlos Fuáh É Especialista emRecursos Humanos e Relações Sociais e Políticas. Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com
Sitevip Internet