Olhar Direto

Sábado, 19 de setembro de 2020

Opinião

Cuiabá da minha infância

Autor: Pedro Felix

07 Abr 2019 - 08:00

Cheguei aqui com seis anos de idade, um garotoatrás de sua família nordestina que veio antes conhecer o lugar. Um grupo de migrantes, que antes eram candangos em Brasília.

A imaginação estava a mil por hora. Como seria o lugar? Onde moravam meus pais? Que lugar era este que demorou nove dias para chegar?

O medo do fim do mundo era o que me assombrava, pois assimera a configuraçãodo lugar,dito pelos mais velhos do lugar de origem.

Finalmente cheguei! Apeei da baleia (ônibus antigos da época), ao lado da atual Praça Ipiranga. De imediato fui até a padaria, aolado da ponte velha(Júlio Muller) onde meu paitrabalhava e vi pela primeira vez o rio Cuiabá. Encanto de imediato! Não sabia nadar, mas o afoitomenino queria ir logo tomar banho naquele rio de águas verdes, transparentes e cheio de piraputungassaltitantes.

Depois de um breve tempo morando do outro lado do rio, finalmente me mudei para o bairro Terceiro (destruído pela enchente de 1974).

De novo,outro universo se abriu para o pobre retirante, chamado jocosamente de pau rodado. O rio de lado, logo me ensinou a nadar em suas águas caudalosas e piscosas. Os sarãs que ladeavam as águas serviam para brincadeiras de saltos, esconderijos e outras inventadas no dia a dia.

Intenso era a presença de pescadores e suas varas e redes de pescar. (Os jacás ficavam carregados de peixes (cestos de bambu grandes), deixados à beira do rio, com água pela metade, onde se colocam os peixes após capturas).

Maravilha era ver as linhas de pescar com pinhão na ponta do anzol, singrando o ar e caindo no meio do rio, procurando o bendito fruto para alimentação do ribeirinho.
As charretes iam e vinham com tonéischeio de água que abasteciam as casas sem água encanada. Ofereciam seus serviços também de venda de toda sorte de mercadoria vendida de porta em porta.

A alegria do bairro era geral, com sua vida cultural intensa.  Em junho lavava-se o santo na beira do rio. Em fevereiro o cordãocarnavalesco “Coração da mocidade” saia com seus índios, apitose penas à frente, agitando a galera.  O point era o clube do Zé Maria. Aonde todos iam aos bailes dos finais de semana.

O Congá do Dandí, nas sextas feiras lotava de gente de todos os matizes sociais, levando muita gente na semana santa para Louvar o caboclo sete flechas, nas matas de Chapada dos Guimarães.  

Diversão não faltava e no domingo o legal era ir para frente do Cine São Luís (Em frente ao bairro e na Avenida XV de novembro noPorto), trocar figurinhas, ou revistas em quadrinhos. Mas o melhor estava reservado dentro da sala, com filmes de Tarzan ou épicos do velho oeste.

Você teve infância? Eu tive e eis aqui um pouco dasreminiscênciasnesta velha e acolhedora Cuiabá.

Cuiabá te abraço e te reconheço como minha cidade. Parabéns pelos seus 300 anos.
 

Pedro Felix é escritor, escreve em Cuiabá.
Sitevip Internet