Olhar Direto

Terça-feira, 20 de outubro de 2020

Opinião

Duas eleições em uma

Autor: Vinicius de Carvalho

19 Ago 2020 - 08:00

As articulações para candidaturas a Senador na eleição suplementar avançam num ritmo e rumo interessantes. O Governo Mauro Mendes lida com vários candidatos dentre os partidos da sua base. Eram 4 em março, com Júlio Campos (Dem), Nilson Leitão (PSDB), Carlos Fávaro (PSD) e Otaviano Pivetta (PDT). Júlio já recuou para a 1ª suplência do Nilson Leitão, explicitando o racha com o Governador do mesmo partido, que deve apoiar Fávaro. É uma fratura na elite econômica e política entre um grupo mais tradicional baseado, dentre outros setores, na pecuária e outro mais ligado à agricultura. De acordo com o denominado PIB do Agronegócio calculado pela Esalq/USP a pecuária responde por 23% e a agricultura por 77%, dentro dos 50,5% do total em Mato Grosso.

Com a indicação de José Márcio Guedes, assessor do Senador Wellington Fagundes (PL) para a 2ª suplência, a candidatura de Nilson Leitão fica mais encorpada ainda. Nilson vem numa trajetória marcada por constante acúmulo de capital político. Teve cerca de 127.000 votos para deputado federal em 2014 (mais votado) e 330.000 para senador em 2018. Mesmo se considerarmos o voto dobrado para senador com duas vagas em disputa, 330.000 votos equivaleriam a 165.000.

Mais um aspecto interessante que seguramente faz parte das divergências entre o Governador Mauro Mendes e a família Campos nessa matéria são as projeções para 2022. Quem pensa politicamente sempre enxerga no mínimo duas eleições ao mesmo tempo, de forma geminada, porque essa posiciona as peças para a próxima. Até agora os cenários para a 2022 eram favoráveis para Mauro, que vem tentando desarticular uma possível chapa de oposição com a deputada estadual Janaína Riva (MDB) para Governadora e o Senador Wellington Fagundes para a reeleição. Ficaria competitiva uma coligação composta por esses dois que são fortes no interior, aliados ao Prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) que traria densidade eleitoral na região metropolitana .

Mas com essa candidatura de Nilson Leitão pode estar se desenhando um outro grupo alternativo para 2022, no qual dissidentes da atual base do Governo Mauro Mendes poderiam se coligar com quem está situado na oposição. Uma especificidade dessa eleição suplementar é que ela ocorrerá a apenas dois anos da eleição geral, favorecendo muito a memória eleitoral que os pleitos sempre. Portanto, os eleitos ou mesmo aqueles que forem derrotados, mas saírem bem votados, carregarão esta popularidade para daqui há dois anos.

Se Nilson Leitão for eleito com boa votação como o Senador Jayme Campos profetizou ele se tornaria um candidato competitivo para o Governo do Estado em 2022. Será senador em meio de mandato e não terá nada a perder se for derrotado. E se ganhar deixaria Júlio Campos como senador titular, realizando o sonho da família Campos de juntar os dois irmãos no Senado como jamais aconteceu na história política de Mato Grosso.

Desta forma, ele poderia encabeçar uma chapa com Wellington Fagundes na reeleição, apoio da família Campos e talvez ainda do grupo do prefeito Emanuel Pinheiro. Do outro lado estaria o Governador Mauro Mendes, que pertence ao grupo do ex-ministro Blairo Maggi (PP). Blairo é sempre lembrado como candidato a senador em 2022, quando haverá apenas uma vaga em disputa. Seria um cenário ideal para ele e essa disputa dentre as forças mais articuladas ao agronegócio acaba lhe favorecendo, porque nenhuma outra liderança desponta com o mesmo capital político e econômico que ele tem acumulado. É quase consenso que uma eventual candidatura sua teria precedência sobre todos os outros, deslocando os embates para as suplências.

Há muito em jogo nessa eleição suplementar para o Senado, com várias camadas ao mesmo tempo. Acompanhemos os próximos movimentos.


Vinicius de Carvalho é gestor governamental, analista político e professor universitário.


 
Sitevip Internet