Olhar Direto

Sábado, 31 de outubro de 2020

Opinião

Alimentação e o câncer de mama

Autor: Camila Delgado

17 Out 2020 - 08:00

O câncer e uma das doenças mais temidas por todos e vários fatores contribuem para o desenvolvimento de tumores, entre eles a genética e alimentação. Ele é o que mais acomete mulheres no Brasil (excluídos os tumores de pele não melanoma). Para 2019, foram estimados 59.700 casos novos, o que representa uma taxa de incidência de 51,29 casos por 100 mil mulheres. A única região do país em que o câncer de mama não é o mais comum entre as mulheres é a Norte, onde o de colo de útero ocupa a primeira posição.

Não podemos deixar de reforçar que, sim, a alimentação tem papel fundamental na prevenção do câncer, seja qualquer for a origem.

Quando se trata de câncer de mama, temos que considerar os fatores que estimulam a causa dessa doença nas mulheres. O estresse, baixa qualidade de sono, uso exagerado de bebida alcoólica, cigarro e, principalmente, o consumo de alimentos ultraprocessados são alguns elementos que favorecem a enfermidade.

Traduzindo de forma geral, a nutrição não garante cura e prevenção exata do câncer, porém pode diminuir as incidências dessa doença.

Propondo soluções. O ponto de partida para indicar os alimentos é primeiro entender que é uma doença que atinge as glândulas mamárias, regiões de grande circulação e presença de tecido adiposo.

Por isso, as vitaminas que melhoram a saúde e qualidade do tecido adiposo são indicadas. Entre as com melhor desempenho estão vitamina  D, E, e K, gorduras monoinsaturadas, azeite, abacate, castanhas, chia, linhaça, peixes, vegetais verdes escuros, frutas, sementes de girassol, abóbora e gergelim. Não podemos esquecer que alimentos orgânicos proporcionam, também, mais qualidade na disponibilidade de nutrientes.

As gorduras, sendo um tecido, recebem alterações constantes e estão mais disponíveis para processos inflamatórios que ocasionam o desenvolvimento de tumores.

Muitas enfermidades como obesidade, diabetes, doenças cardíacas tornam a pessoa predisposta para o câncer. Associar yoga, terapias alternativas como aromaterapia e acupuntura melhoram também o stress, assim como nossa boa e acessível atividade física.

Diminuir o consumo de carnes vermelhas e ultraprocessadas como salame bacon, calabresa e salsicha também é indicado, sempre.

Para finalizar, uma alimentação tem papel fundamental na prevenção e tratamento  do câncer, como indica o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Assim como a atividade física, que promove o equilíbrio dos níveis de hormônios, reduz o tempo de trânsito gastrointestinal, fortalece as defesas do corpo e ajuda a manter o peso corporal adequado. Com isso, contribui para prevenir o câncer de intestino (cólon), endométrio (corpo do útero) e mama (pós-menopausa).

Existem recomendações que sugerem a realização de pelo menos 30 minutos de atividade física por dia, mas já há evidências de que mesmo quando realizada por menos tempo ela traz benefícios para a prevenção de câncer e para a saúde como um todo. Assim, se movimente naquelas modalidades de atividade física que você gosta. A duração (tempo) torna-se mais um elemento, não o principal.

É importante limitar hábitos sedentários, como assistir televisão, usar por muito tempo celular, tablet e computador ou jogar videogame.

A nutrição é a ciência que previne doenças. Cuidar com muita atenção da alimentação pode diminuir as chances de ser acometido pela doença.


Camila Delgado é nutricionista com especialidade em nutrição esportiva e compartilha muitos conteúdos sobre alimentação, exercícios e estilo de vida nas redes sociais. Contato: @camiladelgadonutri
Sitevip Internet