Olhar Conceito

Terça-feira, 07 de dezembro de 2021

Notícias / Cuiabá 300 anos

obra parada

Projeto do ‘Cais do Porto’ será refeito após problema com cálculo estrutural

Da Redação - Isabela Mercuri

06 Mai 2019 - 14:20

Foto: IPDU

Projeto do ‘Cais do Porto’ será refeito após problema com cálculo estrutural
As obras do ‘Cais do Porto’, que deveriam ser entregues neste mês de maio, estão suspensas por tempo indeterminado, em consequência de um problema técnico de cálculo estrutural. Segundo o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), da forma como o cálculo havia sido feito, o espaço não garantiria segurança aos visitantes.

Leia também:
Segunda etapa de Orla do Porto terá estátuas homenageando artistas e poetas cuiabanos

“O Cais do Porto é que por um problema técnico de cálculo estrutural, porque ali vai ser suspenso, quase que uma estrutura suspensa sobre o rio Cuiabá, e precisa garantir toda segurança. Estamos esperando esse trabalho técnico ficar pronto”, explicou o prefeito na manhã desta segunda-feira (6), em entrega realizada na Orla.

No último dia 12 de novembro, foi publicado no Diário Oficial o resultado e a e homologação da licitação da empresa vencedora que ia executar a obra, a X Nova Fronteira Construtora Ltda. EPP.

O projeto faz parte das ações para a celebração dos 300 anos de Cuiabá, e o início dos serviços estava previsto ainda para o mês de novembro, sendo a Secretaria de Obras a responsável pelo acompanhamento dos serviços de engenharia e execução. O projeto foi elaborado pelo Instituto de Planejamento e Desenvolvimento Urbano (IPDU).

Construído originalmente na década de 60, durante o governo de Pedro Pedrossian, o cais foi desativado há algumas décadas. Agora, a ideia é aproveitar a estrutura existente dando uso eficiente à estrutura subutilizada.

Ao todo, a obra está orçada em R$ 2.416.756,96 milhões, sendo que R$ 2.352.915,02 virão do Ministério do Turismo, e R$63.842,36 da Prefeitura de Cuiabá.

Casa de Bem-Bem

Outra obra de responsabilidade da Prefeitura que ainda está parada é a reconstrução da Casa de Bem-Bem. A ordem de serviço que determinou sua estabilização estrutural e drenagem das águas pluviais que atingiram a casa foi assinada no último dia 2 de abril. No entanto, também passa por problemas.

“A Casa de Bem-Bem já foi dada a ordem de serviço, está agora num diálogo, numa articulação - que eu até já determinei ao secretário Vuolo interceder - entre a empresa e o Iphan. Está mudando a direção do Iphan e houve umas dúvidas, é só resolver essas dúvidas e eu quero que acelere isso, que é o nosso patrimônio histórico”, afirmou Pinheiro.

Dona Bem Bem, ou Constança Figueiredo era, dentre os 13 irmãos Novis Figueiredo, a mais popular.  Os festeiros de São Benedito realizavam as festas isoladas em suas residências, com muita fartura.

O casarão desabou em 2018, após fortes chuvas. Na época, a 17ª Promotoria de Justiça da Capital requisitou informações do município sobre as medidas de urgência que seriam adotadas para a sua proteção. No Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o Ministério Público Estadual, foi estabelecido o prazo de 30 dias para o município elaborar projeto com medidas emergenciais para evitar a ocorrência de novos danos. No entanto, o prazo expirou no último dia 22 de novembro de 2018.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet