Olhar Conceito

Sexta-feira, 07 de maio de 2021

Notícias / Dr. Juliano Slhessarenko - Cardiologia

Dr. Juliano Slhessarenko

"O que aprendemos sobre o coração um ano após a COVID-19?", questiona cardiologista?

Dr. Juliano Slhessarenko

06 Abr 2021 - 10:02

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, Clínica Coração em Dia (65) 99624-1928 e Espaço Piu Vita (65)30567800

Cardiologista intervencionista. Doutor em cardiologia pela USP; Atendimento: Clinmed (65) 30559353, Clínica Coração em Dia (65) 99624-1928 e Espaço Piu Vita (65)30567800

Embora COVID-19 tenha sido originalmente considerado uma infecção respiratória, ficou claro que a infecção também ameaça o coração. Quase um quarto das pessoas hospitalizadas com COVID-19 desenvolvem lesão no miocárdio  ou lesão no tecido cardíaco.
 
Um número significativo de pacientes com COVID-19 também desenvolveu doença tromboembólica ou coágulos sanguíneos e arritmias. Aqueles com problemas cardíacos preexistentes - como hipertensão, obesidade, colesterol alto e níveis elevados de açúcar no sangue - têm um risco maior de experimentar resultados piores com COVID-19.
 
Conforme a pandemia COVID-19 evoluiu,  demonstrou-se  progressivamente o impacto desse vírus em vários órgãos do corpo, incluindo o coração.
 
Como COVID afeta o sistema cardiovascular
 
Acredita-se que o COVID-19 cause danos ao coração de duas maneiras. Primeiro, a infecção pode levar a uma inflamação generalizada por todo o corpo, o que pode prejudicar o funcionamento do coração. A infecção por COVID-19 desencadeia uma inflamação no corpo que pode levar ao enfraquecimento do músculo cardíaco, anormalidades do ritmo cardíaco e até mesmo causar a formação de coágulos nos vasos sanguíneos.
 
Em segundo lugar, o vírus pode invadir diretamente as células receptoras, conhecidas como receptores ACE2, dentro do tecido miocárdico e causar dano viral direto. Ele também pode afetar o músculo cardíaco por meio de inflamação ou invasão direta das células do músculo cardíaco e levar a uma insuficiência cardíaca significativa.
 
De acordo com os pesquisadores, a quantidade de dano infligido ao coração depende da quantidade de inóculo viral ou da dose infectante do vírus, da resposta imunológica de uma pessoa e da presença de comorbidades. Embora o risco seja maior em pessoas com doenças cardíacas subjacentes, mesmo pessoas saudáveis ​​relataram danos ao coração após bater COVID-19.
 
Aqueles com problemas cardíacos preexistentes têm um risco maior.
 
Os principais fatores de risco, segundo os artigos da pesquisa, são hipertensão (pressão alta), disglicemia (níveis elevados de glicose no sangue), dislipidemia (colesterol alto) e adiposidade anormal (obesidade).
 
A hipertensão é considerada o maior fator de risco.  De acordo com um dos estudos, a hipertensão foi associada a um risco 2,5 vezes maior de gravidade e mortalidade de COVID-19, particularmente em pessoas com mais de 60 anos.
 
Uma das lições mais importantes que aprendemos é que as pessoas cuja saúde cardiovascular está comprometida são muito suscetíveis a resultados piores com COVID-19.

Elas potencialmente liberam citocinas inflamatórias que exasperam ainda mais a resposta inflamatória do corpo e levam à formação de coágulos sanguíneos.
 
O endotélio inflamado provavelmente contribui não apenas para o agravamento do resultado no COVID-19, mas também é considerado um fator importante que contribui para o risco de ataques cardíacos e derrames cerebrais..
 
O dano pode ser duradouro
 
Os pesquisadores ainda estão descobrindo o tipo de dano a longo prazo que o COVID-19 pode causar no coração, mas muitos especialistas em saúde suspeitam que as pessoas que se recuperaram podem ter complicações por meses ou anos. Embora só conheçamos o COVID-19 há menos de um ano, as primeiras evidências descobriram que os sintomas duram meses.
 
Um artigo da Trust Source examinando pacientes em uma clínica pós-COVID-19 descobriu que até 87 por cento dos pacientes tinham pelo menos um sintoma persistente - como fadiga, dor no peito e dor nas articulações - alguns meses após a recuperação.
 
Outro artigo da JAMA  Source descobriu que 78% dos pacientes recuperados apresentavam anormalidades no coração e 60% apresentavam inflamação miocárdica em andamento.
 
Na maioria das vezes, essas complicações têm implicações de longo prazo, portanto, é importante preveni-las e reconhecê-las.  Muitas outras doenças, desde o resfriado comum até a SARS (o coronavírus que atacou em 2002), causam disfunção cardíaca, mas o COVID-19 parece ter um grau maior de lesão endotelial ou vascular.
 
É possível que isso possa piorar as sequelas de longo prazo no COVID-19 em comparação com outras doenças. Embora seja possível que o dano cardiovascular possa se curar, como costumava acontecer com a SARS, também pode levar a um aumento da insuficiência cardíaca em alguns pacientes.
 
Estudos de acompanhamento longitudinal serão necessários para determinar o impacto total que COVID-19 pode ter no coração, de acordo com os pesquisadores.

Embora um extenso corpo de literatura tenha descrito uma estreita associação entre COVID-19 e o coração, e é claro que os pacientes com doença cardíaca subjacente têm resultados piores se forem infectados com SARS-CoV-2, o impacto a longo prazo no  O coração da infecção por COVID-19 ainda precisa ser totalmente compreendido.
 
Faça alterações agora para se proteger mais tarde
 
Os pesquisadores  também enfatizaram a importância de manter um estilo de vida saudável. Estar atento a comportamentos não saudáveis ​​como pedir regularmente alimentos não saudáveis ​​e ter um estilo de vida sedentário é essencial. Recomendando que as pessoas preparem refeições saudáveis ​​em casa, façam exercícios regularmente e tenham uma rotina de sono saudável.
 
Os pesquisadores também recomendam que as pessoas reduzam o consumo de álcool e tabaco. Aqueles que se contaminam com a  COVID-19 devem procurar atendimento médico regularmente para suas condições e continuar a tomar seus medicamentos, como as estatinas.  Pensa-se que as estatinas têm propriedades antiinflamatórias e de redução do colesterol que podem diminuir o risco de uma pessoa sofrer um evento cardíaco.
 
Na pandemia nosso corpo continua precisando dos mesmos cuidados. Problemas cardiovasculares continuam sendo a maior causa de morte no mundo, por isso não deixe de cuidar do seu coração!
 
Mantenha a medicação em dia, também suas consultas e exames. Só deixe de comparecer se tiver autorização ou indicação médica para adiar as suas consultas e exames!

Comentários no Facebook

Redes Sociais

Sitevip Internet