Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Política de Classe

Mahon critica participação de membros da OAB nas eleições 2012

Da Redação - Julia Munhoz

08 Jul 2012 - 10:06

O advogado criminalista Eduardo Mahon fez duras críticas à participação de integrantes da atual gestão da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Mato Grosso (OAB-MT) nas eleições municipais deste ano e cobrou mais transparência na prestação de contas da instituição.

No ponto de vista do advogado, mesmo que não haja impedimento legal para a participação de membros de entidades de classe nas eleições partidárias, trata-se de uma questão ética a separação das atividades.

“É uma questão ética absolutamente incontornável. Se a pessoa está se lançando com capital eleitoral alheio, a gente vê no final que ela está fazendo da representação classista um trampolim. Chega de fazer a Ordem dos Advogados de trampolim”, criticou o advogado durante entrevista ao Olhar Jurídico.

Segundo Mahon, nenhum diretor ou conselheiro da OAB deveria ser filiado a partido político e, em caso de interesse em participar da carreira partidária, ele acredita que seria mais ético se desvincular das atividades da Ordem.

As críticas do advogado são referentes à atual candidatura do conselheiro federal da OAB Francisco Faiad, como candidato a vice-prefeito de Cuiabá pelo PMDB na coligação com o PT. Além disso, Mahon citou o caso do advogado João Celestino, que disputa o mesmo cargo, mas pelo DEM em aliança com PSDB.

Para o criminalista são situações diferentes, pois Celestino não faz parte da atual gestão da OAB, o que não interfere na candidatura partidária.

“A pessoa que flerta com política não pode atuar institucionalmente com os advogados”.

Quanto à cobrança por mais transparência na prestação de contas da OAB, Mahon acredita que não basta apenas informar valores de gastos, e a atual administração encabeçada pelo presidente Claudio Stábile deveria apresentar notas fiscais dos gastos.

“Falta de transparência; e isso não é uma questão recente, mas é institucional. Não divulgar não apenas balanço, mas as notas fiscais dos gastos de gestão”, ponderou Mahon ao ressaltar que não se trata de uma problemática recente apenas da administração de Stábile.

O advogado ainda defende uma atuação mais contundente da Ordem em Mato Grosso. Ele reclamou do fato de a OAB não fiscalizar questões importantes como as obras da Copa do Mundo de 2014, o ensino jurídico no Estado e outros pontos que não seriam de interesse apenas da classe, mas da sociedade de forma geral.

“Existem interesses transversos que impedem a atuação da OAB”, finalizou.



Atualizada

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Daniel Maia
    08 Jul 2012 às 19:53

    Boa Mahon!!!

  • Laís Felix
    08 Jul 2012 às 13:39

    Dr. Mahon está coberto de razão. Cad~e que Faiad largou a boquinha da OAB como fez Pedro Taques? Parabéns, Mahon - tem mais é que falar mesmo!

  • Lucelio Costa
    08 Jul 2012 às 12:27

    Foi-se o tempo em que acreditei na Ordem como defensora não só das prerrogativas dos advogados, mais também da sociedade pelos seus direitos constitucionais. Sua bandeira sempre esteve pronta e ativa, agindo juridicamente contra tudo e contra todos, combatendo as impunidades.

  • Tati Campos
    08 Jul 2012 às 10:25

    Pelo menos aparece, de vez em quando, um advogado como Mahon pra dizer de forma direta o que está acontecendo na Ordem. Podem criticar Dr. Eduardo a vontade, mas ele diz o que pensa, não se esconde do debate, faz críticas abertas e sem nenhum medo. E não é isso que deveria servir a Ordem? Que vergonha Faiad!

Sitevip Internet