Olhar Jurídico

Sábado, 19 de setembro de 2020

Notícias / Empresarial

Juíza acata pedido de Recuperação Judicial de empresa que se endividou após golpe de estelionatários

Da Redação - Lázaro Thor Borges

07 Abr 2016 - 14:45

Foto: TJMT

Juíza Viviane Brito Rebello Isernhagen

Juíza Viviane Brito Rebello Isernhagen

A juíza Viviane Brito Rebello Isernhagen, da Segunda Vara Cível de Primavera do Leste, acatou, na última terça-feira (05), pedido de Recuperação Judicial protocolizado pela “Contudo Materiais de Construção”. A empresa alegou ter se endividado após se envolver em um projeto “fantasioso” proposto por um grupo de estelionatários.

Leia mais:

Silval é dispensado e não prestará depoimento sobre "Chacina de Matupá"


Outro motivo, segundo a empresa, foi uma dívida de mais de R$ 13 milhões adquirida junto a instituições de crédito para suprir a demanda de negócios relacionados ao programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal. O dinheiro foi usado para a ampliação da loja em Primavera do Leste, onde a empresa atua.

Além da ampliação, a Contudo informou que se envolveu ingenuamente em um projeto “imaginário e falso” de implantação de uma universidade, um hotel e um posto idealizado por um grupo de estelionatários que chegaram na cidade de Primavera.

Para realizar o empreendimento, a empresa levantou o valor de R$ 3.600 junto a Cooperativa de Crédito de Primavera (Primacred) e destinou o dinheiro aos estelionatários. O débito, portanto, foi contraído em nome da Contudo.

Segundo o pedido, a queda nas vendas durante a atual crise financeira do país fez com que a empresa não pudesse manter o fluxo de caixa e pagar as dívidas contraídas.

Decisão

Ao deferir o pedido da requerente, a juíza Viviane Isernhagen, estabeleceu o prazo de 60 dias para que a empresa apresente o Plano de Recuperação Judicial e determinou o período de “blindagem” no prazo máximo de 180 dias.

Conforme a decisão, o relato do endividamento da empresa e os documentos apresentados pela mesma cumprem os requisitos legais de entrada em Recuperação Judicial.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Wagner
    09 Abr 2016 às 12:47

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk......qui, qui ,qui , conta agora aquela do kkkkk.......kkkk...ho, ho,ho,ho,ho,...kkkkkk....pa...pa...pagaio....kkk...papagaio bancário.....kkkkk...ki ki ki ki ki ki....

  • Jorge Haddad
    07 Abr 2016 às 18:13

    Caríssima Magistrada, a suposta ingenuidade da empresa em recuperação, se reverte em ônus a todos os clientes bancários, pois os anciã nunca perdem!

Sitevip Internet