Olhar Jurídico

Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019

Notícias / Política de Classe

Presidente da OAB em Mato Grosso exalta afastamento de Cunha: “não tem condição moral”

Da Redação - Lázaro Thor Borges

05 Mai 2016 - 14:50

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Leonardo Campos

Leonardo Campos

O presidente da Seccional Mato Grosso da ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), Leonardo Campos, exaltou o afastamento do mandado do deputado federal Eduardo Cunha. Segundo Campos, o presidente da Câmara dos Deputados “não tem condição política, moral e ética de ocupar o cargo”.

Leia mais: 
Juíza colhe depoimento de deputado em ação contra Riva por lavagem de dinheiro

O afastamento de Cunha foi proferido em decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki. A matéria foi publicada pelo STF no início desta manhã (05). Em março deste ano, o parlamentar se tornou réu na primeira ação penal no STF originada das investigações da Operação Lava Jato.

Em fevereiro, o Conselho Federal da OAB já havia solicitado o afastamento imediato de Eduardo Cunha após decisão no Colégio de Presidentes das Seccionais. Também em fevereiro o Conselho Federal da OAB pugnou pelo afastamento cautelar do parlamentar durante as investigações que ainda tramitam no Conselho de Ética da Câmara.

Para o presidente da OAB-MT, é público e notório a tentativa constante do parlamentar em interferir no andamento das operações e investigações contra ele. “O presidente da Câmara não tem a menor condição de estar ocupando este cargo”, afirmou.

Leonardo Campos destacou que a advocacia aplaude a decisão do STF, segundo ele a recomendação do Conselho Federal da OAB já alertava que o presidente da Câmara "não tem condição política, moral e ética de estar ocupando este cargo”.

A OAB também pontuou que “é evidente a gravidade dos fatos que chegaram ao conhecimento público e que vêm desgastando a imagem do referido parlamentar e a credibilidade institucional da Câmara dos Deputados, até mesmo por ser pouco recomendável que a tramitação de um processo dessa natureza, com acusações tão relevantes, ocorra em um órgão fracionário da instituição que permanece presidida pelo representado”.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • João Ferrer
    06 Mai 2016 às 09:21

    Lixo ao lixo, Brasil aos brasileiros! Viva o MPF, viva a JUSTIÇA, viva o Brasil!

  • CLAUDIO CEZAR FIM
    05 Mai 2016 às 15:43

    foi bem útil né senhor capataz, agora, depois de bem usado, volta pro lixo, lugar que não deveria ter saído.

  • Julio César
    05 Mai 2016 às 15:28

    Menos Sr. Capataz, menos!

Sitevip Internet