Olhar Jurídico

Quarta-feira, 08 de abril de 2020

Notícias / Ambiental

Justiça investiga ICMbio por irregularidades na administração do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães

Da Redação - Lázaro Thor Borges

22 Jun 2016 - 11:40

Foto: Reprodução

Chapada dos Guimarães

Chapada dos Guimarães

O Ministério Público Federal (MPF) abriu inquérito civil público para apurar supostas ações irregulares tomadas pela administração do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães.

Leia mais: 
Por ausência de movimentação, TRE reprova prestação de contas de 2014 do PMDB

De acordo com a denúncia feita pela Associação Brasileira para Conservação Ecológica (PRO-ECO), a sede do instituto estaria instalada em área de preservação permanente e uma área denominada “armação do mutuca” foi transformada em depósito de veículos.

A PRO ECO também aponta que funcionários do instituto estariam ateando fogo em áreas desapropriadas pelo órgão no interior do parque, além da ausência de reparos e defeitos na infraestrutura da unidade. Outra denúncia é a existência de trilhas irregulares, que foram abertas por conta da fiscalização omissa do ICMbio

A portaria n° 81 que institui a investigação é assinada pelo procurador Mario Antonio Gahnnage Barbosa e data do dia 6 deste mês.

Outro Lado

Em resposta a notificação do MPF, o Instituto Chico Mendes justificou que a base do órgão no parque seguiu os parâmetros normativos existentes à época. O ICMbio também informou que o MPE já havia oferecido denúncia contra o IBAMA por conta da construção da sede. O processo encontra-se no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Sobre os incêndios irregulares, o instituto afirmou que os brigadistas do parque registraram um incêndio irregular no ano de 2014 que foi apagado após a denúncia de um cidadão. Quinze ou vinte dias depois, segundo o instituto, um novo incêndio foi registrado, mas dessa vez por conta da incidência de raios na região.

Quanto à base “armação do mutuca”, O ICMbio informou que a edificação é utilizada como alojamento de brigadistas e pesquisadores, uma vez que o posto de vigilância do parque foi retirado em 2009 por conta de "cortes orçamentários".  

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • adilson
    14 Jul 2016 às 19:50

    Verdade este instituto e um vergonha não sei de quem é a competência de investigar mas,o que sei é toda a chapada ver são turistas que saem de todo canto do mundo e não tem acesso a nada dos passeios, na verdade não sei como os proficionais do turismo em chapada dos Guimarães conseguem manter suas famílias.

  • Fernanda
    23 Jun 2016 às 14:03

    Deveriam proteger ao invés de degradar mais! Chapada dos Guimarães tem um potencial turístico incrível e além disso, é de suma impotância a conservação do seu ecossistema para a proteção de toda a biodiversidade existente lá. Uma vergonha! Essa gestão tem que melhorar e muito. Chapada está abandonada. Uma pena.

  • Ademir
    23 Jun 2016 às 07:25

    ICMBIO sempre foi apresentado aqui pelo menos como atraso de vida para todos matogrossenses, são horríveis de trabalho, devagar nas operações, manipulações com técnicos de turismo para pagar e caro para entrar em parques "públicos" , nunca resolvem e embelezam locais que deveriam ter acesso e sim bloqueiam tudo pela máxima incompetência em gerir , comandar, e está na hora do Governo do Estado rever esta organização falida aqui em MT.

  • edson
    22 Jun 2016 às 13:32

    Esse ICMBio é o extremo da incapacidade da má gestão Chapada tem lugares lindos mas como eles nao fazem o tal do manejo preferem fechar o acesso....nem vou prolongar mais o assunto

Sitevip Internet