Olhar Jurídico

Quarta-feira, 08 de abril de 2020

Notícias / Ambiental

MPE instaura procedimento para apurar degradação ambiental em área de preservação de Cuiabá

Da Redação - Paulo Victor Fanaia Teixeira

26 Jun 2016 - 15:05

Foto: Reprodução

Avenida Parque Córrego do Barbado

Avenida Parque Córrego do Barbado

A 15º Promotoria de Defesa do Meio Ambiente do Ministério Público Estadual (MPE) instaurou procedimento preparatório para apurar degradação ambiental em área de preservação permanente próxima a avenida Brasília, no bairro Jardim das Américas, em Cuiabá para implantação da Avenida Parque Córrego do Barbado, legado da Copa do Mundo de 2014. A portaria, datada de 10 de junho, é assinada pela promotora Ana Luiza Avila Peterlini de Souza.

Leia mais:
Por conta da greve, Judiciário realiza audiências de custódia direto na cadeia


Consta do procedimento que a investigação partiu de uma denúncia anônima por meio de ouvidoria, relatando a devastação no local. A informação se une a constatação, pela promotoria, de que também existe um procedimento administrativo aberto na Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Assuntos Fundiários (SMMAF), com o objetivo de autorizar a retirada de vegetação para implantação da Avenida Parque Córrego do Barbado.

Considerando que o referido processo administrativo resultou na emissão de licença especial autorizando o desmatamento no traçado da via a ser implantada. Ressalvando, contudo, que deveriam ser respeitadas as faixas ao longo das margens do canal. O que, segundo a denúncia, não ocorreu.

O procedimento visa saciar a necessidade do MPE de diligencias “para a completa elucidação dos fatos, análise de extensão dos danos ambientais praticados e identificação das medidas necessárias para a sua recuperação”.

A Prefeitura de Cuiabá foi oficiada para se manifestar sobre o caso.

Legado da Copa:

A Avenida Parque Córrego do Barbado foi pensada para a Copa do Mundo de 2014. Ela seria o caminho usado por duas seleções para acessar o Centro Oficial de Treinamento (COT) da UFMT - localizada entre a av. Fernando Corrêa da Costa e a Archimedes Pereira Lima.

O outro lado:

Procurada por Olhar Jurídico, a Prefeitura de Cuiabá manifestou que esse processo em questão esta no arquivo central da prefeitura, e que eles emitirão nota assim que possível.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Carlos Nunes
    27 Jun 2016 às 08:36

    Voltando a falar sobre o Morro da Luz...conversando com um dos proprietários antigos da parte da prainha, o Fares, ele alerta que...o projeto do VLT vai cortar o Morro com máquinas e tratores, para fazer uma grande Estação, e estações de energia elétrica para recarregar a bateria do VLT. Os prédios da área, como a Pax Nacional, e outros imóveis, serão até implodidos. No final a configuração atual do Morro da Luz vai desaparecer...ficará outra então é bom o MPE ficar a par de tudo isso AGORA, para poder intervir, e evitar qualquer barbaridade que queiram fazer em nome do tal "progresso". Será que vão acabar com o único verde que ainda sobrou no centro de Cuiabá"? Se deixarem acabam sim...o VLT veio é para arrasar a cidade. O olho vivo nessa turma MPE...senão...será tarde demais.

  • neto
    27 Jun 2016 às 07:53

    eles esperam esse tempo todo, 02 anos, pra prender quem?? responsabilizar quem??, realmente é só mimimi, mimimi, mesmo, só pra aparecer que vai fazer alguma coisa!!

  • vicente
    27 Jun 2016 às 07:24

    Tá de brincadeira, falar que esgoto a céu aberto é área de preservação. Eu moro a menos de 500m do córrego do Barbado, além do mau cheiro que é insuportável, quando chega à noite milhares de mosquitos atormentam a vida de quem mora nas proximidades. Temos que recolher pra dentro das nossas casas. A solução é a canalização do córrego. Fiz uma caminhada no sábado e infelizmente não estão mais canalizando. Parece que estão asfaltando sem canalizar o leito.

  • Graziela
    26 Jun 2016 às 22:26

    Ridículo!!!Na época da copa não vim ninguém se preocupar com meio ambiente ,agora que não virou nada aprece um monte de gente querendo mostrar serviço

  • Marildes
    26 Jun 2016 às 20:09

    Para os ignorantes que não sabem ou faz de conta que não, a área foi invadida há muito tempo. Primeiro pelo shopping, depois pela abertura da avenida acabando com o que restava da mata galeria. Esta evitaria que o rio Cuiabá que fica somente a 5km dali sofresse ainda mais.

  • Carlos Nunes
    26 Jun 2016 às 17:57

    O MPE tem que intervir também na tal da revitalização do Morro da Luz, de acordo com a matéria deste site, Cidades, intitulada "Prefeitura de Cuiabá inicia estudos de revitalização do Morro da Luz", pois um morador antigo da proximidade fez comentários, alertando que existe por lá toda uma flora e fauna que necessita ser preservada. Não vai a prefeitura, em nome do progresso (entre aspas), acabar com a única reserva florestal do centro de Cuiabá. O MPE tem que ficar é de olho vivo nessa gente. Senão babau, quando assustar já acabaram com tudo. Tem que preservar o verde, a fauna e a flora da área.

  • Antonio
    26 Jun 2016 às 16:00

    Gente vamos parar com esse mimi sem noção esse papo de área de preservação em um corrego cheio de fezes e dejetos do zôo da ufmt, agora vem uns babacas falar em preservação, eu pergunto preservar o que ?

Sitevip Internet