Olhar Jurídico

Quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Notícias / Empresarial

Revendedora de peças de motocicleta com dívidas de R$ 2 milhões tem pedido de recuperação deferido

Da Redação - Lázaro Thor Borges

20 Set 2016 - 15:45

Revendedora de peças de motocicleta com dívidas de R$ 2 milhões tem pedido de recuperação deferido
A empresa de nome fantasia "Atacado Quatro Marcos" que possui uma dívida de R$ 2 milhões e atua na compra e venda de acessório para motocicletas teve pedido de recuperação judicial acatado na última sexta-feira (16) pelo juiz Antonio Carlos Pereira de Sousa Junior, diretor da comarca de São José do Quatro Marcos (a 328 km de Cuiabá).

Leia mais:
Revendedora de pneus com dívida de R$ 1,7 milhão não paga administrador judicial e tem contas bloqueadas pela justiça

Na ação, a empresa alegou que atua no mercado da região de São José de Quatro Marcos desde o ano de 2006. A dívida que soma um total de R$ 2.650.741,32, segundo o pedido, foi adquirida por conta da crise financeira que “assola o país”, já que o setor em que atua é o mais “sensível às instabilidades econômicas”.

Além da aceitação do pedido, os proprietários também pediram que o nome da empresa fosse excluído dos cadastros de órgãos de proteção ao crédito, ordenando que as devedoras deixem de possuir novos apontamentos no Serasa ou SCPC.

Requisitos legais

O juiz do caso entendeu que o “Atacado Quatro Marcos” atendeu aos requisitos legais para ter o processo de recuperação deferido. Na decisão, o magistrado determinou o nome de uma administrador judicial. Ordenou ainda que as empresas que possuíssem dívida com a recuperanda atentassem ao trâmite judicial.

“Assim, estando os documentos apresentados em termos para ter o seu processamento deferido, já que presentes os requisitos legais, e verificada a “crise econômico-financeira” da devedora, devidamente relatada na inicial, tendo ainda, a priori, logrado êxito em atender aos requisitos legais para a obtenção do processamento do pedido formulado na forma estabelecida na lei de recuperação, ao menos nesta fase processual.”, sentenciou o magistrado.


0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet