Olhar Jurídico

Sábado, 14 de dezembro de 2019

Notícias / Criminal

Desembargador concede liberdade a Chico 2000 e vereador deverá comparecer a diplomação

Da Redação - Lázaro Thor Borges

15 Dez 2016 - 15:42

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Desembargador concede liberdade a Chico 2000 e vereador deverá comparecer a diplomação
O vereador Chico 2000 (PR), acusado de estuprar a enteada de 11 anos, foi solto na tarde desta quinta-feira (15) por decisão liminar do desembargador Pedro Sakamoto, do Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). De acordo com um dos autores do pedido, o advogado Francisco Faiad, Chico 2000 sairá a tempo de comparecer à diplomação dos candidatos vencedores das eleições municipais. O evento acontece na noite desta quinta-feira (15), no Teatro Zulmira Canavarros, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Leia mais:
Juiz nega pedido de liberdade a Chico 2000 e vereador completa uma semana preso

O vereador, que foi reeleito no pleito deste ano, teve mandado de prisão expedido no dia 4 de dezembro e se entregou à Justiça dois dias depois. De acordo com Faiad, a defesa alegou que o parlamentar não oferecia riscos às investigações, uma vez que já havia pedido, inclusive, licença da Câmara Municipal. Na última segunda-feira (12), um pedido de liberdade feito pela defesa foi negado pelo juiz Jurandir Florêncio de Castilho Júnior, da 14ª Vara Criminal de Cuiabá. 

O caso

Conforme consta da denúncia, o abuso teria ocorrido no dia 13 de outubro deste ano durante uma festa de comemoração do aniversário da mãe da menor. A vítima teria pedido para ir embora, uma vez que já estava tarde, porém foi levada para um quarto pela mãe onde conversaram. Posteriormente, Chico 2000 teria ido conversar com a garota, a sentou no colo e teria acariciado partes íntimas. 

O delegado Eduardo Botelho também lembrou que correm outras investigações de abuso contra o vereador. “Existem denúncias indicando outros abusos cometidos por ele contra mais vítimas, isso será apurado agora com sua prisão", afirmou. A prisão de Chico 2000, que foi decretada no dia 4 de dezembro e cumprida dois dias depois, tem prazo para se estender até 30 dias.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Barbaro
    15 Dez 2016 às 17:04

    Todos tem a presunção de inocência, que a justiça seja feita se o Chico estiver errado que se comprove, que o Delegado e os investigadores continuem investigando. Conheço o Chico e um grande defeito dele é o partido dele o PR, por ter um comandante maior que o Wellington Fagundes! Justiça!

Sitevip Internet